18.5.17

Resenha: "Muito Amor Por Favor", de Vários Autores

Muito Amor Por Favor
Um Sentimento Em Quatro Estações
Arthur Aguiar, Frederico Elboni, Ique Carvalho e Matheus Rocha
Editora Sextante, 2016
240 páginas
Este livro reúne textos que mostram o amor do ponto de vista de quatro jovens que escrevem sobre relacionamentos legítimos e atuais, que souberam se reinventar. Sem medo de expressar seus sentimentos, deixam para trás estereótipos já obsoletos – como o controlador machista ou o piegas choroso – e falam sobre viver a dois e sobre a natureza das relações em todos os seus aspectos.

O AMOR É ÁGUA
Arthur Aguiar escreve sobre o amor quando ele é como a água: pode ser agradavelmente quente ou ferir se ficar gelado e rígido. Por vezes é tempestade, por vezes, calmaria. Mas quando é fluido, torna-se profundo e amolda-se a tudo.

O AMOR É AR
Frederico Elboni fala sobre o amor ar, aquele que é leve, que eleva, faz flutuar. Mostra como é amar sem peso, sem amarras. Mesmo quando vem um vendaval, logo volta a ser a brisa, envolvendo os apaixonados com carinho e cuidado.

O AMOR É FOGO
Ique Carvalho escreve sobre o amor quando ele é fogo, que arde, arrebata, aquece a alma, mas às vezes incendeia até doer. Pode se manter como brasa por muito tempo, aguardando a chance de ser chama de novo, ou até renascer das cinzas

O AMOR É TERRA
Matheus Rocha fala sobre do amor do tipo terra, aquele estável, certo, que traz segurança, mas que pode, de vez em quando, provocar terremotos que abalam estruturas, tiram tudo do lugar e viram a rotina de ponta-cabeça.
O livro, escrito a 8 mãos é divido entre os quatro autores, que descrevem o amor sob a ótica dos elementos: fogo, terra, água e ar! Cada parte traz diversos textos, que variam de formato e estilo: alguns são prosa; outros poesia; crônicas; fluxo de pensamento, etc. Além disso, é possível perceber a maneira de escrita pertencente a cada um dos autores e os recursos que usaram para casar os elementos com o sentimento em questão. Na maioria das vezes são utilizadas metáforas, porém em alguns momentos a surpresa fica por conta de outras formas de amor que podem ser encontradas ao longo dos textos. Um dos trechos mais bonitos e tocantes do livro acontece logo na primeira parte, com o elemento fogo, onde o autor Ique Carvalho fala um pouco sobre a relação com seu pai.
“Eu não briguei com Deus. Não xinguei o mundo nem ninguém. É difícil acreditar no que eu vou dizer, mas um dia a dor que existe dentro de você vai desaparecer. Eu sei que agora não é o que você sente, mas um dia você descobrirá que, quando nos esforçamos para nos tornarmos melhores do que somos, tudo a nossa volta se torna melhor também.”
Cada texto varia também de enfoque, alguns colocam em ênfase o começo das relações amorosas, o frio na barriga, as expectativas; enquanto outros abordam o fim de namoro, a vida de solteiro, os amores volúveis e de uma noite, além de histórias engraçadas, pensamentos e reflexões sobre esse sentimento que possui várias formas, como os elementos.

O livro é indicado para os apaixonados de plantão e para quem gosta de leituras rápidas, que podem ser consumidas em pequenas doses diárias, como crônicas de um jornal.

Postar um comentário

© setecoisas.com.