20.5.17

Quando o brilho acaba


Você já deve ter se perguntado algumas vezes porque me distanciei, muitas coisas justificam, mas posso resumir em apenas uma: o brilho acabou. Dos olhos, do sorriso, de nós. O brilho acaba quando a pupila deixa de dilatar, as conversas se tornam monótonas e os beijos perdem o sabor – e acredite, os beijos perdem o sabor.

O seu sorriso ainda é lindo e eu vibro a cada um que vejo ou escuto, numa mistura de euforia e carinho, sei que você sorri sincero e eu gosto da sua felicidade. Gosto dela longe ou perto de mim. Mas sua risada não tem o mesmo efeito de me desabrochar e me deixar confortável, sua risada tornou-se apenas uma risada. O brilho acabou alguns dias atrás, ele ja andava meio que querendo apagar, mas eu restabelecia a conexão da energia que guardava no peito. Algumas vezes apagou por completo e consegui reacender, dar uma nova cara.

E esse brilho vingou por alguns dias, até quando se apagou por vez e não havia mais motivo para brilhar. A maneira como brilhávamos estava muito à maneira como eu incendeio, estava muito minha cara, minha essência e se for para ser assim, eu prefiro brilhar sozinho.


Um comentário

  1. Meus deuses, que texto triste e maravilhoso ao mesmo tempo, recheado de verdades. Muito lindo! <3

    ResponderExcluir

© setecoisas.com.