Resenha: "A Sala dos Répteis", de Lemony Snicket

15 Feb 2017

A Sala dos Répteis
Desventuras em série, livro 02
Lemony Snicket
Companhia das Letras
184 páginas
Lemony Snicket é um autor que não pode ser acusado de falta de franqueza. Sabe que nem todo mundo suporta as tristezas que ele conta e por isso - para que depois ninguém reclame - faz questão de avisar: 'Se você esperava encontrar uma história tranqüila e alegre, lamento dizer que escolheu o livro errado. A história pode parecer animadora no início, quando os meninos Baudelaire passam o tempo em companhia de alguns répteis interessantes e de um tio alto-astral, mas não se deixem enganar...'

Os Baudelaire têm mesmo uma incrível má sorte, mas pode-se afirmar que a vida deles seria bem mais fácil se não tivessem de enfrentar o tempo todo as armadilhas de seu arquiinimigo: o conde Olaf, um homem revoltante, gosmento e pérfido. Em 'Mau Começo' ele deu uma pequena amostra do que é capaz de fazer para infernizar a vida de Violet, Klaus e Sunny Baudelaire - e aqui as coisas só pioram.
O segundo volume de Desventuras em Série não decepcionou. Se, assim como eu, o primeiro livro lhe foi uma leitura agradável, facilmente você será cativado pela continuação das desventuras em que estão metidos os órfãos Baudelaire. A Sala dos Répteis tem o mesmo estilo de narrativa de Mau Começo. Toda a história é contada por Lemony, o próprio autor, que se diz na obrigação de contar a todos os leitores, os infortúnios vivenciados por Violet, Klaus e Sunny.



No primeiro volume o terrível conde Olaf tem seus planos levados por água à baixo, mas em seu último ato, consegue fugir da polícia deixando a ameaça de que voltaria para pôr as mãos nos órfãos e, principalmente, na fortuna que lhes pertencia. Novamente sem lar, sr. Poe - encarregado de encontrar um novo tutor para as crianças e de administrar a herança dos Baudelaire - tem mais uma vez a missão de lhes achar um lar. E é então, que conhecemos a agradável e exótica figura que é o tio Monty, um parente distante que não tem esposa, nem filhos e se dispõe a cuidar dos três. Tio Monty é cheio de peculiaridades, herpetologista (especialista em cobras) apaixonado pelo seu trabalho, tem em suas casa muitas espécimes de répteis e, o que no início deixou Violet, Klaus e Sunny meio receosos logo se tornou um enorme prazer. Foram recebidos com muito amor pelo tio, que tratou de acomodá-los um em cada quarto, de forma que pudessem decorá-los como quisessem.

As coisas andavam bem demais para os três irmãos, que acreditavam finalmente ter encontrado um lar digno e feliz, onde talvez conseguissem superar a falta dos pais. Mas, claro, a má sorte os acompanhava, de forma que mais uma vez se viram cercados de terror. Acontece que enquanto se preparavam pra irem todos juntos à uma expedição com tio Monty, em busca de novas espécies, se depararam com o novo assistente do tio, que dizia chamar-se Stephano, mas de cara e em choque, eles notaram que na verdade era conde Olaf. Agora com as sobrancelhas separadas e com uma barba gigante, mas definitivamente, era conde Olaf e óbvio, estava lá unicamente para cumprir a promessa deixada no último encontro que tivera com os pobres Baudelaire, que não sabiam como sairiam mais uma vez das garras daquele monstro. Apesar de todas as tentativas, os jovens não conseguiam convencer o tio e o sr. Poe de que falavam a verdade e muitas desgraças ocorreram por causa disso.



Dava uma raiva danada ler como as crianças eram capazes de decifrar o que estava acontecendo ao redor de todos, enquanto os adultos mantinham-se cegos, de forma que nem muito falatório foi capaz de evitar os desastres que se seguiram na vida de todos. Os jovens continuam sendo subestimados pelos adultos que as cercam, tornando-os extremamentos vulneráveis, de forma que, sem a técnica de Violet, a inteligência de Klaus e o talento com os dentes de Sunny, acredito que coisas piores já teriam acontecido aos três. Juntos eles formam uma equipe infalível, que aprendi a amar. Por final, a minha dica é ir lendo os livros e asisstindo série original da Netflix - Desventuras em série -, que diga-se de passagem, é bem fiel ao livro, tornando a experiência de leitura ainda mais intensa e gostosa.



Leia também o outro volume da série:
Desventuras em Série #1: Mau Começo

0 comments:

Post a Comment