Resenha: "Muito Além do Tempo", de Alexandra Monir

Muito Além do Tempo
Timeless, livro 1
Alexandra Monir
Editora Jangada, 2015
272 páginas
Uma tragédia atinge a família de Michele Windsor, e ela é forçada a morar com os avós que nunca conheceu. Em sua mansão histórica em Nova York, repleta de segredos de família, Michele encontra um diário que tem o incrível poder de fazê-la retroceder no tempo, até o ano em que foi escrito, 1910. Lá Michele encontra o rapaz que ela viu em sonhos durante toda sua vida. Em pouco tempo, ela se vê apaixonada por ele. Quando se dá conta, Michele está vivendo uma vida dupla, lutando para conciliar seu mundo de estudante com suas viagens ao passado. Mas, quando se depara com uma descoberta terrível, ela é lançada numa corrida contra o tempo para salvar o homem que ama, e empreender uma busca que determinará o destino dos dois.

Minha história com livros e filmes que contem sobre viagem no tempo vem de muito tempo. Depois de assistir "A casa do lago", "About time" e ler "Outlander" e "A mulher do viajante no tempo", descobri que é um assunto que me fascina e me agrada imaginar quão incrível seria visitar o passado e o futuro. Se você já leu ou assistiu e gostou de algumas das histórias citadas você, definitivamente, precisa ler Muito Além do Tempo.

A história se passa no ano de 2010 e somos apresentados a Michele, adolescente e filha única de Marion, mãe solteira e em conflito com a família rica, os Windsor. Michele não conhece o pai e os avós, por motivos de confrontos entre os mesmos e a mãe, que sempre foi a melhor amiga de Michele e procurou deixa-la longe do drama familiar que viveu antes de ela vir ao mundo, o que nunca a afetou, pois sempre foi grata pela forma simples mas cheia de amor que sua mãe encontrou para elas viverem. Porém, o mundo de Michele é posto de cabeça para baixo quando sua mãe sofre um acidente e não resiste, deixando a menina aos cuidados dos avós. A perda da mãe, a mudança para Nova York e o palácio em que vivem os avós, cercados de riqueza e luxo, são simplesmente ideias a que Michela é imersa e precisa se adaptar.



Em meio ao processo de adaptação e a dor de não ter mais a mãe, ela recebe uma caixa com os pertences de Marion e entre as joias encontra uma chave, um presente que apesar de assustador daria uma experiência poderosa e de muito valor a ela, viajar no tempo. Com muito medo e surpresa, Michele descobriu o poder da chave que possuía ao ler o diário de uma mulher de sua família, do século passado, e ser transportada pra cena em que lia. Assim, iniciaria, o que só mais tarde ela descobriria, sua mágica para voltar ao passado e dar seu toque na vida de sua família, ajudando-os e conhecendo seus antepassados.

É nesse ínterim que Michele conhece Philip, um jovem de 1910 que, por alguma razão desconhecida ela já conhecia desde pequena, mas em seus sonhos. Desde criança Michele sonhava com esse homem misterioso e lindo de olhos azuis e ficou em choque ao constatar que ele existia. O mais curioso, entretanto, é que somente as pessoas que a faziam viajar (as donas dos diários, por exemplo), podiam enxerga-la, ouvi-la e toca-la. E Philip, que por razões desconhecidas, também conseguia vê-la e a atração entre os dois foi inevitável, assim como o amor que surgiu entre eles.

" (...) - E, mesmo que o Tempo tenha cometido um engano de nos colocar em séculos diferentes, ainda assim encontraremos um ao outro. Estamos juntos agora. Portanto, teremos que confiar no Tempo."

Ao ler esse livro, tentamos desesperadamente encontrar uma solução para que o amor de pessoas vivendo a distância de um século sobreviva. De forma surpreendente, a autora consegue dar nós as pontas soltas e deixar nosso coração quentinho após a leitura, além da vontade louca de saber o que o segundo volume tem pra contar. É um livro leve, daqueles que você leria facilmente em um único dia e apesar de algumas vezes parecer bobinho, porque afinal é uma história de uma adolescente (e todo o drama envolvido é entendível), a história não perde sua força e encanto. Completamente louca e ansiosa pelo segundo volume.

  1. Também tenho uma queda por temas de viagem ao passado/futuro. O meu filme preferido sobre é o Questão de Tempo (About time), lindo demaissss.
    Sua resenha quase me convence por completo a ler esse livro, não é a primeira vez que vejo falarem bem dele. Mas tô com receio ainda dessa pegada adolescente que ele parece ter hihihi

    xoxo

    ReplyDelete
    Replies
    1. About Time é lindo demaisss mesmo! Tem razão, tem uma pegada bem teen e alguns clichês envolvidos, mas isso não afetou na história, pelo menos pra mim. Tem uns pontos BEM criativos, diferente e todas as histórias que conheço sobre o tema. Da uma chance! rs

      Beijão

      Delete