29/01/2016

Uma carta para você no passado

Esse post pertence a este projeto


Se você soubesse de um eu futuro que escreve para um passado, o que você faria?

Queria eu ter te avisado, de alguma maneira, como sua vida iria mudar em 10 anos. Igor, se você soubesse que lutou tanto tempo contra si, lutou tanto tempo para negar o que é e para o quê nasceu - você perdeu muita chances e ainda está perdendo, mas, por incrível que pareça, está trilhando um caminho maravilhoso, cheio de pessoas e coisas inesquecíveis. Nesse exato momento está correndo atrás dos sonhos, de um amor, da liberdade e da descoberta.

Iguinho de dez anos atrás você é ainda tão jovem e mal sabe da vida, dos problema e do quão chato ter responsabilidades, então não deseje crescer tão depressa; entregue seu coração para quem você achar que merece, sofra, se machuque e chore - vai sarar e vai te fazer bem. Você ficará um pouco mais frio, mas logo vai perceber que não há porque ter medo das pessoas e nem das atitudes delas, aprenderá a se doar e amar como ninguém.

Você deixará de ser gótico, acredita? Não totalmente, claro. Por um tempo na sua vida você deixará de ligar para aparência e vai parar de escutar rock e ser rebelde, mas vai colocar um piercing no nariz, começará a usar muito preto e branco e aderir uma vida mais alternativa, folk e indie. Você encontrará um hobbie maravilhoso: fotografia, você sempre foi apaixonado por esta arte. Eu me lembro.

Você será adotado por uma família maravilhosa, vai ter um irmão mais novo e outra está nascendo agora. Você terá três mães, 2 pais e 8 irmãos. Você terá amigos para sempre, alguns ficaram distantes outros perto, mas você irá descobrir que sempre (eu digo sempre) poderá contar com eles.

Você vai desenvolver dor nas costas, tirará muitas selfies e ativará aplicativos de pegação querendo ter relacionamento sério (você nunca foi muito normal mesmo, desde criança). Você irá em baladas LGBT e se sentirá fora do seu habitar; você ainda continua com preguiça de gente pobre de alma. E desenvolverá um amor por decoração e plantas - atualmente você tem três cactos-bebêzinhos. E você se importará com as coisas simples da vida, mesmo que ainda com preguiça de muita coisa.

Tu, que é eu, passará por muitos perrengues da vida, mas relaxa, tu continuas calmo feito nuvem. Você sempre vê o lado bom do ruim, você tem dias que fica triste e com vontade de morrer; cortará o pulso uma vez e irá se multilar algumas vezes, mas se ainda escrevo é porque deixei essa fase passar e sangue teu ninguém tira - em corpo teu ninguém toca, também. Aprenderá que algumas coisas são mais saudáveis quando chegam ao fim. Que cada qual tem seu propósito na vida - alguns caras irão te fazer sofrer, algumas mulheres também. Mas você tomará sorvete para alegrar o dia, mudará a rotina e se conhecerá em cada derrota e levantar.

Igor tu mal sabe da vida e eu, o Igor mais velho, ainda não sabe porcaria nenhuma também. Mas não esquente a vida se encaixa nos detalhes, a vida é louca e nem da pra explicar.

Só te digo: não abra mão disso.

Com amor, você

28/01/2016

Twelve Letters Project

Mais um projeto sim, uma boa ideia para parar e escrever (uma coisa que faço raramente) cartas. Atualmente envio e-mails em formas de cartas e realmente amo fazer isso, amo forte. Com isso, resolvi entrar para mais um projeto - que consiste em escrever 12 cartas ao longo do ano de 2016, uma por mês, com temas já definidos.



Nesse mesmo post, ficará linkado todas as cartas que eu escrever.

Um beijo, mais tarde tem textão

27/01/2016

Se eu pudesse trocar de profissão, eu seria…

Esse mês decidi que iria participar do 52 weeks, um projeto fotográfico que consiste em postar uma foto durante toda semana do ano. Espero conseguir continuar com esse projeto, pois ele é altamente "simples" e será uma desculpa para a câmera não criar mofo - se é que isso é possível. Minha meta é escrever essa postagem todo santo domingo, que é quando a semana realmente começa. Essa foi postada numa quarta, mas tô nem ai, o blog é meu e eu faço o que quiser. Sou grosso mesmo.


Junto com o projeto vou fazer pequenas listinhas de coisas aleatórias, então se você quiser saber alguma coisa. Só comentar.

Se eu pudesse trocar de profissão, eu seria…

ㅤ• Fotógrafo - ah para monamu;
ㅤ• Designer gráfico;
ㅤ• Atendente de supermercado (tenho muita vontade!);
ㅤ• Vendedor de bugigangas do ônibus (ainda vou fazer isso uma vez na vida!);
ㅤ• Youtuber;
ㅤ• Escritor;
ㅤ• Guia turístico (viajaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaar!)

Me desejem sorte, ok? Ok.

26/01/2016

Resenha de lançamento: "A Sereia", de Kiera Cass

A Sereia
Kiera Cass
Editora Seguinte, 2016
323 páginas
Anos atrás, Kahlen foi salva de um naufrágio pela própria Água. Para pagar sua dívida, a garota se tornou uma sereia e, durante cem anos, vai precisar usar sua voz para atrair pessoas até o mar e afogá-las. Kahlen está decidida a cumprir sua sentença à risca, até que conhece Akinli. Lindo, carinhoso e gentil, o garoto é tudo com que Kahlen sempre sonhou. Apesar de não poderem conversar - pois a voz da sereia é fatal -, logo surge uma conexão intensa entre os dois. É contra as regras se apaixonar por um humano, e se a Água descobrir a sereia será obrigada a abandoná-lo para sempre. Mas pela primeira vez, em muitos anos de obediência, Kahlen está determinada a seguir seu coração.
Meu primeiro contato com a Kiera Cass foi com A Seleção, uma trilogia que inicialmente me tirou o fôlego e que no fim foi se afastando do que eu havia imaginado, recentemente a autora lançou A Herdeira, um livro que deveria dar continuação a trilogia, contudo não me satisfez como desejava. Logo fiquei com o pé atrás para ler algo novo da autora que estivesse relacionado a Illéa. Quando surgiu a oportunidade de ler A Sereia, o primeiro livro da autora, em primeira mão, logo aquela euforia que senti ao ler A Seleção voltou, logo fiquei animado com a história de volume único que eu poderia conhecer.

Resolvi ler A Sereia durante o percurso de Brasília à Goiânia, que é, normalmente, três horas e meia de viagem (de ônibus, porque impossível ostentar com o preço da gasolina). O fato é que nessas três horinhas de ônibus eu consegui ler mais da metade do livro, pensando nisso a única coisa que consigo falar é: esse livro realmente vicia até você saber o que acontece no final; e eu acho bastante engraçado porque esse não é um livro épico, fodástico e que eu sairia recomendando a torto e direito, pelo contrário é um livro que faltou desenvolvimento, algumas explicações e com pontas soltas.

Esse é o primeiro livro da Cass e já pude notar como ela gosta de desenvolver seus personagens, uma coisa que gostei muito ao ler os livros que sucederam este. Khalen assim como suas irmãs e até mesmo a Água são desenvolvidas com personalidades únicas, algumas se destacam mais e outras ficam no campo mais desfocado, mas mesmo assim fazem jus as cenas.



Contudo, senti que faltou explicar algumas cenas, como quando as meninas estavam em baixo da Água ou que os locais se adequassem melhor na minha mente; enquanto isso Kiera desenvolve bastante cenas clichês, romantismo e distribui diversos pensamentos de Khalen, o leitor logo absorve uma gama de dor e tristeza já que a história é contada em primeira pessoa pela própria protagonista.

A mitologia de Kiera resolve mudar todo o contexto a que estamos acostumados, temos uma divindade chamada Água (que é a água mesmo) e as sereias por sua vez não tem calda e não precisam se alimentar ou dormir, apenas cantar quanto a Água mandar. Elas não podem falar com ninguém, mas mesmo assim elas têm dinheiro para alugar casas, fazer viagens caras e comprar um monte de coisas, em troca disso elas ganham vestidos feitos de sal e têm a oportunidade de matar um monte de pessoas de um em um ano (isso tudo está escrito na sinopse, baby).

Concluo que esse livro é um livro voltado para o público mais adolescente, pois a pegada da Kiera é essa, amores impossíveis, luta contra o mal, rebeldia e confusão sentimental. Esse é um livro que li muito rápido e até mesmo gostei da leitura, o final (infelizmente) não foi tão promissor quanto eu esperava, mas eu realmente gostei. Todo mundo morre. Mentira. Verdade. Mentira, mas é verdade. Recomendo a leitura para quem gosta de um livro curto, mas sem uma história de ensinamentos, apenas entretenimento e um romance fofo e impossível.

25/01/2016

Algumas considerações a fazer


Eu sempre fui fascinado por fazer algumas considerações no final do ano, mas acredite, dessa vez em pleno dia um eu me dediquei à filmes, passei o primeiro e segundo dia desse ano (2016) assistindo filmes e chorando, aliviando tudo o que me causou algum mal ou simplesmente chorando de felicidade ao ver aquelas pessoas "tendo seus finais felizes". 

Ano passado foi um ano cheio, apesar disso consegui riscar bastante coisas da minha lista de metas, ainda sim sobraram coisas para este ano e resolvi aumentar um pouco a lista, definir novas prioridades e também colocar novas expectativas para minha vida profissional e pessoal. 2015 foi um ano de muitos renovos, muitos começos e muito outros fins, conheci uma variedade de amigos e desisti de vários outros, desisti de amores que pensei que duraria anos, enjoei de coisas que amava, amei coisas que odiava. Aprendi tanto, fui à minha primeira balada, consegui o meu primeiro trabalho e comecei a fotografar um bocado de gente - isso são só algumas coisas que fiz em 2015, no meu diário, não este que escrevo virtualmente, mas o que está debaixo da minha cama, está cheio de momentos dolorosos e felizes que tive oportunidade de conhecer  em apenas um ano. 

Então, na primeira semana desse ano eu não estava muito disposto para parar e refletir nas coisas que eu fiz, mas, amigos, após essa maratona de filmes, eu me senti confortável ao me dar o luxo de não fazer nada e poder descansar de tudo. 

E agora estou tão bem. 
Tão feliz, que estou disposto, então vou conseguir o padrão da lista do ano passado: 
Profissional e estudos:
ㅤ• Ler mais livros técnicos.
ㅤ• Estudar para concurso público (desisti desse sonho?)
• Continuar no curso de inglês e iniciar o francês.
ㅤ• Finalizar o curso de computação gráfica (em março, graças a Deus).
ㅤ• Sair do estágio, para um contrato!
Pessoal:
ㅤ• Ler livros tranquilamente, assim como qualquer outro lazer. Sem obrigação.
ㅤ• Manter meu quarto sempre arrumado e sempre que possível ajudar em casa.
ㅤ• Ter várias plantas.
ㅤ• Fotografar mais.
ㅤ• Mais independência de qualquer pessoa.
ㅤ• Sair aos finais de semana pra andar com os amigos.
ㅤ• Cozinhar e chamar as pessoas para comer.
ㅤ• Deixar o cabelo crescer
ㅤ• Fazer uma tatuagem.
ㅤ• Parar de comer besteiras e fazer mais exercícios físicos.
ㅤ• Mais amigos, mais conversa, mais picnic, mais gente boa.
Compras e gastos:
ㅤ• Adquirir um kit de fotografia (lente 50mm, tripé e iluminação)
ㅤ• Comprar uma, e somente uma, peça de roupa por mês.
ㅤ• Não comprar livros.
ㅤ• Trocar de celular, não aguento mais IOS7.
ㅤ• Gastar menos.
Blog & vida virtual:
ㅤ• Criar um canal no youtube.
ㅤ• Expor mais opinião.
ㅤ• Fazer receitas para este blog.
ㅤ• Não me obrigar a escrever postagens.
ㅤ• Entrar menos nas redes sociais.

Essa não é uma lista com planejamento de riscar coisas, são direcionamentos e novas perspectivas. Se de certo, vou ficar muito feliz, se não der, tudo bem.

No próximo capítulo tem resuminho de compras desse ano, hahahah (já quebrando a regra de apenas uma roupa por mês)

22/01/2016

Das coisas que 2016 já trouxe

Roupas.

Meu caros, finalmente roupas para a minha diviníssima cômoda. Decidi começar pelas calçolas que tanto deseja, após séculos necessitando de algo confortável e lendo os motivos científicos para você dormir pelado, gastei duas dezenas com um par de samba-canção.

Já até estreei um deles. Não uso apenas para dormir, escrevo esta postagem com um copo de chá e de samba-canção, exceto isso quem vos escreve estaria nu nesse exato momento. Não existe nada mais confortável, me sinto até outro, por isso dedicarei mais dois salários à estas bençãos.

No último mês perdi minha toca que ganhei do ex do ex, uma droga, porque eu amava aquela toca. Com isso tive que desembolsar 20 dilmas, acumulando um total de 40 dilmas até agora.

Quando falei para o Sr. Wel que eu compraria roupas coloridas, eu não estava mentindo, resolvi, finalmente, a sair do preto e branco e acrescentei duas cores: cinza e marrom.

Ó que cores Igor.

Comprei algumas blusas cinzas, duas na verdade, e uma preta - porque não poderia faltar uma preta, certo? Certo.

E de marrom uma calça, daquelas bem coladas de tirar a virgindade; diz Sra. V que não é o estilo dela, mas que ficou bem no meu corpo. Mas de contraste ganhei do Sr. Wel uma pulseira!

Minha meta para esse ano era: uma peça de roupa por mês, contudo, parece que só em janeiro já fiz a compra de nove meses. Não importa, mês que vem compro de novo, se achar ruim compro até duas.

Mentira, sou uma pessoa econômica. Por isso malditas roupas, entrem de promoção.

Por favor?

Riscando algumas coisas da lista, graças a Deus. Preciso de um novo sapato.


12/01/2016

Eu não preciso do seu perdão


Eu já não preciso mais do seu perdão quando descobri que não o teria nunca, não sei mais o motivo de não tê-lo. Eu já não preciso mais mendigar esse sentimento rigoroso de lhe implorar e não conseguir. Não preciso que me perdoe, pois eu me perdoei primeiro, eu aceitei as burrices e as falhas que cometi e quem não erra e quem não comete falhas? Jogue a primeira pedra se você nunca se encurralou nesse caminho longo chamado amor. 

Eu aprendi que ao perdoar, você também perdoar a si mesmo. Resolver não guarda ódio, rancor e tristeza, será a única e a melhor solução - não somente para relacionamentos amorosos, mas também familiares. Aprendi desde novo esse ensinamento bíblico: perdão. É duro perdoar para alguns, até mesmo doloroso e então como fuga tampamos o rancor com um novo rancor, sempre satisfazendo-se com um novo desamor. 

Hoje já não entendo mais o motivo de não ter o seu perdão, será que você pensa que me machuca em não ter? Eu não lhe peço perdão somente por mim, mas por você, não queria que guardasse ódio, desalento e dor, isso não faz bem aos ombros, muito menos ao coração. Mas você faz suas escolhas, eu, as minhas. Eu lhe peço perdão porque guardar sentimentos ruins do passado não faz jus as coisas boas, não são as coisas desastrosas que devemos levar como experiências, lembranças ou simplesmente levar adiante. Contrário disso, devemos levar os sorrisos, os momentos mais simples, o cheiro de uma flor ou uma foto que se recusa a excluir. 

Já não quero que me perdoe, amigo. Quero que perdoe a si mesmo por não ter perdoado tantas pessoas, por ter guardado tanto tempo algo que não te faz bem, quero que se perdoe pelos seus erros e pelos que ainda irá cometer. Perdoe e aceite as regras da vida da qual nunca saberemos, nem astrologia, nem ciência pode explicar esse "ciclo" que nunca se repete para alguém. Perdoe a injustiça, as lutas perdidas e o desistir. 

Porque o melhor perdão não é o se implora a alguém, mas aquele que acalma o coração, aquele que você perdoa a si mesmo. 

10/01/2016

Hoje me achei lindo


Querido diário, hoje me achei bem bonito. Distribuindo bonitezas para o mundo :)

Créditos da foto: Júlio Marques.

08/01/2016

Desisti de você, e isso me fez tão bem.


Não costumo desistir, da mesma maneira como as coisas funcionam comigo, funcionou com você: lutei até desistir, não diria que morri na praia; me afoguei antes mesmo de sentir a areia tocar os pés, à margem. Numa água salgada, fria e escura você me largou, num mar deserto perdi a consciência. Você me afogou ou eu simplesmente parei de nadar? 

Essa resposta já não faz mais sentindo, tenho certeza que desisti e estou muito feliz em ter desistido - não que devíamos nos agradar das desistências, mas é como um livro, se você não gostou das cem primeiras páginas você precisa continuar? Este caso, o do livro, não se cabe nesta conversa, onde eu gostei de todos os dias com você, onde dizer bom dia e boa noite era algo fatídico para mim, mas que foi rompido em questão de horas - me desculpa em dizer isso, mas senti alívio em aliviar você, me senti feliz em deixar alguém que não quer ficar ir, me senti honrado de mim mesmo por saber que amor é gostar e permitir que você seja feliz, mesmo que eu não seja o motivo de tal.  

E após alguns dias lagrimosos, um sorrisão começou a se estender nas minhas manhãs e olhei para as possibilidades: que não são poucas, por sinal, tem muita gente querendo me fazer feliz e até deixei que isso brotasse em mim algum tipo de esperança e expectativa; fortaleci amizades que, quando com você, eram fracas. Ao desistir procurei apoio ao meu lar, a quem chamo de família e eles simplesmente me acolheram, dormiram de conchinha e disseram: "vai ficar tudo bem". E simplesmente tudo ficou bem com o tempo, me acostumei com a ausência em poucos dias, as expectativas não atingidas foram dando lugar a experiência e aos sonhos. 

Desistir, pela primeira vez, foi a melhor coisa que eu fiz. Dizem que não devíamos desistir, mas agora posso provar de que ditados populares não dá para se viver, não devemos insistir no que não é nosso e em quem não quer ser nosso, não devemos lutar quando à batalha já acabou. E quando percebi que já havia perdido, já havia lutado - e chorado - o suficiente, resolvi desistir, decidi que seria o momento para arquivar você e os dias bons dentro de uma lugar reservado para coisas boas e simplesmente descartar todos os males, angústias e tristezas.  Agora o que sinto é carinho e respeito, não há ciúmes, tristeza e muito menos raiva. 

E comecei a me sentir bem, porque eu também já não sentia mais aquela emoção dos beijos entre os intervalos do filme, já não sentia mais o vento bater como antes quando você me balançava no parque, já não sentia o que sentia no  começo, de fato lhe dei pedaços da minha história, pedaços do meu pequeno coração frio e talvez, por este motivo, foi doloroso deixar-lhe voar. 

Com o tempo descobri, que se você pode voar, eu também posso. 

06/01/2016

6 on 6: Janeiro

Esse não é a postagem de ano novo que estou preparando na minha mente para este blog, peço para que esperem mais alguns dias.

Bom, finalmente comecei a participar de um projeto de fotografia com o intuito de: tirar mais fotos e aprimorar minhas técnicas fotográficas, das quais quase não tenho. Roubei lá do blog Maíra um explicativo do projeto para refrescar a memórias falhas de vocês: o projeto consiste em 6 pessoas postarem 6 fotos todo dia 6 de cada mês. Com temas variados e livres. Decidimos também (não é todo projeto que faz isso), que iremos acrescentar algumas fotos bônus de técnicas fotográficas, para melhorar e aperfeiçoar a cada dia mais.

Esse ano começou maravilhosamente bem, finalizei algumas comemorações sentimentais e enterrei em 2015 mesmo. Mas mesmo assim me bate uma nostalgia das coisas que passou que decidi postar algumas fotos do ano passado e algumas que tirei esse ano.


Finalmente posso me chamar de fotógrafo, comecei a me chamar assim desde que tirei fotos dessa menina maravilhosa: Miss Renata!


Semana retrasada foi dia de foto com a maravilhosa da minha vida, Rachel-Rachel, já até publiquei algumas fotos desse ensaio aqui, mas para ficar registrado tem uma selfie


Para completar tinha foto com minha rainha que se mudou para o outro lado do Brasil, acreditem amigos pela primeira vez eu fui ao zoológico (20 anos depois), fazendo amor:


Nesse projeto, como diferencial, decidimos que colocaríamos em práticas técnicas fotográficas, sendo essa uma sétima foto para ser inclusa no projeto. Abaixo vocês veem uma foto simples, contudo que estou apaixonado.


Técnica utilizada: faça com amor.

Maíra // Lucas // Luly // Renata // Ana



2012 - 2018 © Sete Coisas.