28/09/2015

Filme: "Quarteto Fantástico"

Quarteto Fantástico, 2015
Josh Trank
1h41min
Quatro adolescentes são conhecidos pela inteligência e pelas dificuldades de inserção social. Juntos, são enviados a uma missão perigosa em uma dimensão alternativa. Quando os planos falham, eles retornam à Terra com sérias alterações corporais. Munidos desses poderes especiais, eles se tornam o Senhor Fantástico (Miles Teller), a Mulher Invisível (Kate Mara), o Tocha Humana (Michael B. Jordan) e o Coisa (Jamie Bell). O grupo se une para proteger a humanidade do ataque do Doutor Destino (Toby Kebbell).
Eu apenas adoro Quarteto Fantástico, um dos filmes favoritos da minha infância. Até que esse ano saiu um "relançamento" da história, uma decepção, não é mais meu filme favorito - pelo menos não essa nova versão, cheia de efeitos maravilhosos e um enredo que teve de tudo para ser bom, mas que foi longe disso.

Assim como eu conversei com a minha tia, uma história boa, porém não estudada e atores em desenvolvimento. Esse filme começou muito lento e terminou muito rápido, tivemos muito tempo explorando história dos personagens, infâncias e coisas do tipo, mas na hora do pá-pow não temos nem dez minutos? Não quero ser chato, nem tirar sua vontade de assistir a este movie. Mas se você tem a oportunidade de escolher entre Quarteto Fantástico e qualquer outro filme, escolha qualquer outro filme. Eu assisti no cinema, para meu coração e bolso, não gastei nada. Meu amigo, Carlos, ganhou duas cortesias, se não fossem as cortesias eu teria me suicidado naquele quarta-feira, no cinema do Pátio Brasil. 




Me senti desanimado com a história, estava indo no caminho tão bom, estava conseguindo me conectar a história e o filme acaba. Desliga o telão. Vamos embora. Não tive muito o que comentar, após o filme, mas os trailes pré-filme, foram maravilhosos, acho que podemos falar disso não é?  

Não. Foco, Igor.

Esse foi um filme que assisti e falei: legal, não assistiria novamente, somente as versões antigas, que até hoje me fazem vibrar, pouco, mas fazem. Hoje temos uma grande, grande mesmo, qualidade nos filmes na parte de efeitos gráficos, esse filme usou bastante e não tenho o que reclamar, mas do que adianta ter efeitos maravilhosos se a história não é? 

26/09/2015

Resenha: "Encruzilhada", de Kasie West

Encruzilhada
Duologia Encruzilhada, livro 1
Kasie West
Editora Seguinte, 2015
304 páginas
A vida de Addison Coleman é um grande “e se…?”, graças à sua habilidade especial: Investigar Destinos. Addie é capaz de prever duas possibilidades de seu futuro toda vez que precisa tomar uma decisão. Quando os pais dela anunciam o divórcio, a garota deve escolher se vai morar com o pai entre os Normais ou se prefere ficar com a mãe no Complexo Paranormal. Para ter certeza do que a espera, Addie resolve Investigar. Em uma alternativa, ela conhece Trevor, um Normal sensível com quem logo sente uma conexão. Na outra, se envolve com Duke, o garoto mais popular da escola Paranormal. E agora, em qual futuro Addison estará disposta a viver?

Eu fico imaginando como seria maravilhoso ver o meu futuro, ver os meus destinos antes de tomar uma escolha. Essa é a proposta da duologia Encruzilhada: Addie tem a fantástica habilidade de investigar o seu futuro, um poder bem parecido com a clarividência, com exceção que ela pode ver unicamente os seus futuros e precisa estar diante uma escolha. A escolha seria morar com a mãe ou com o pai, após a separação ela deve decidir com quem morar é por não estar certa de qual caminho escolher, ela decide investigar qual será o melhor. A investigação apresenta dois mundos bem distintos para a personagem, um é no mundo dos Normais (pessoa sem poderes) e a outra é continuando sua vida com os Paranormais. Quanto a história do livro não tenho muito o que falar, apresento-lhes o pouco da história para que não contenha spoilers do demonho.


Temos uma perspectiva muito interessante nesse livro. Após quase meio livro lido fui entender o que estava se passando e como realmente funcionava a leitura desde livro, foi um grande baque e surpresa para mim - esse era um motivo que me fazia odiar o livro, mas depois de entender, comecei a gostar da forma como a história era conduzida pela nossa protagonista. 

A história é narrada pelo ponto de vista da protagonista e somos capazes de conhecer quem ela realmente é e ter uma imagem mais sólida dela, contudo, temos outros personagens bem desenvolvidos como a melhor amiga, Laila, e o carinha fofo-Normal, Trevor. Contudo, senti falta no foque do enredo em si, creio que a temática de West seja os acontecimentos e ações dos nossos personagens, mas escrever um pouquinho os lugares não seria nada chato. Talvez esse seja o único ponto negativo do livro, pois ele é dosado, nada de muito romance ou lenga-lenga, curto, direto e prático. Até me contradiz, mas apelar para um lado mais descritivo não seria tão ruim, acredite. 


West escreve muito bem, minhas palmas para sua narrativa instigante, com toques clichês e final surpresa. A história acaba aqui, se você quiser. Apesar de ser uma duologia, não há tanta necessidade ou aquele suspense para um próximo livro, pelo menos eu não senti todo esse alvoroço - mas quem não quer saber o que acontecerá com Addie em seu futuro incerto!? 


Sinceramente? Gostei do romance de Katie, personagens com superpoderes são sempre bem-vindos, quem não ama superpoderes? Pela primeira vez, o foco não é em salvar o mundo muito menos ficar usando poderes toda hora, mas sim na vida de uma adolescente que adora ler livros, sair com suas amigas e ter um gosto estranho para meninos. Coisas acontecem porquê tem que acontecer. Uma leitura, como já dito, curta, rápida e direta - com sentimentos e personagens desenvolvidos! 


24/09/2015

Resenha: "Zac & Mia", de A. J. Betts

Zac & Mia
A. J. Betts
Editora Novo Conceito, 2015
288 páginas
Zac e Mia - A última pessoa que Zac esperava encontrar em seu quarto de hospital era uma garota como Mia - bonita, irritante, mal-humorada e com um gosto musical duvidoso. No mundo real, ele nunca poderia ser amigo de uma pessoa como ela. Mas no hospital as regras são diferentes. Uma batida na parede do seu quarto se transforma em uma amizade surpreendente. Será que Mia precisa de Zac? Será que Zac precisa de Mia? Será que eles precisam tanto um do outro? Contada sob a perspectiva de ambos, Zac e Mia é a história tocante de dois adolescentes comuns em circunstâncias extraordinárias.
Apesar se já ter falado que não estou numa temporada para ler romances, resolvi apostar em Zac & Mia, um livro que me conquistou pela capa e sinopse. Um livro curto, mas cheio de humor, sentimento, amor e beleza. 


Zac é um jovem rapaz com leucemia - podemos ser diretos aqui, não é? Que está negligenciado à um quarto e somente a ele durante 40 dias, tudo isso após a nova aplicação de (esqueci o nome da peste), com isso ele precisa de um período para se recuperar e ficar isolado evita que ele pegue qualquer contaminação vinda do mundo externo. O seu único refúgio além do apetrechos tecnológicos é a sua mãe, que insiste em  jogar jogos bobocas e ser superprotetora. Mas quando, finalmente, uma nova paciente chega ao quarto ao lado de Zac, ele encontra a diversão: bater na parede. Comunição via tapas na parede. Estranho? Não, Mia, a recém chegada, que é estranha. Podemos dizer que Mia é aquela garota insuportável e clichê, bonita, popular, cheia de amigos... Com exceção do câncer em sua perna. O câncer mudou a sua vida, enquanto para Zac, o câncer nasceu com sua vida.  Voltando de onde parei, Mia não aceita estar doente, assim como não aceita perder o famoso e esperado baile da escola, ela é estranha, acredite, você precisa ler pra conhecê-la. 

Nesse romance somos acomeditos a um amor platônico e sem fim, por parte do nosso fofo e galã Zac. Mia é uma vaca mimada, desculpe as palavras. Mas ela simplesmente não aceita nada que vá contra suas vontades, com isso ela decide fugir, para longe, mas nessa história toda ela e Zac, nosso galã, acabam se encontrando. Não poderia ser de forma diferente: muitas reflexões nesse momento e não somente nele, vale lembrar, Zac é muito filosófico e ínteligente. Mia é mimada. 

Mas eu gosto da Mia também. 


A narrativa é dividida entre Mia e Zac, capítulos curtos, rápidos e cativantes. Gosto desse tipo de leitura: onde temos personagens sinceros e bem explorados;  lidamos com a história trágica de dois adolescentes e como elas são encaradas de formas diferentes. Eles não escolheram estar doentes. Mas aconteceu, acontece todos os dias. Apesar de ser um romance! Não há aquele romance, é algo mais platônico, mas filosófico, estava com saudade disso. De calmaria em um relacionamento. Adorável cada segundo em que Zac descrevia o que sentia por Mia. E o quanto Mia aprendeu após sua doença, como passou a valorizar coisas que realmente são importantes para a vida. 


Um livro com direito a lágriminhas no final, algo fofo, coisa de sick-lit, mas nada dramático, de arrancar o peito e gritar "que vida mais injusta, meu Deus". Leve, simples e impossível de largar - acredite, peguei para ler somente pela capa diferente, acho que já disse isso. Qualquer um irá amar esse livro, delicado e cheio de expectativas, algo para projetar e tirar alguns ensinamentos. O que realmente vale a pena? Recomendado, mas é claro, sick-lits são sempre bem-vindos para uma pós temporada de ação! 

21/09/2015

Algumas músicas aleatórias

Faz um bom tempo que não falo sobre música aqui no blog - o motivo é: eu não conheço sobre música. Sempre coloco uma playlist aleatória para tocar e começo a gostar de algumas músicas pelo feeling que estou passando. Essas músicas me tocaram bastante no final de semana e simplesmente decidi que minha semana começaria com elas também. Aperte o play!



O que você achou? O que está sentindo? Até a próxima.

19/09/2015

CuponKit: Gastando pouco e ganhando por isso!

Essa semana liberei um formulário referente à uma pesquisa que estou fazendo aqui no blog e fazendo o acompanhamento das respostas, percebi que muito leitores compram as coisas que indico aqui no blog. Com isso resolvi falar de um site muito bom para conseguir cupons de descontos e ainda por cima lucrar com isso, o CuponKit.


Gosto de comprar algumas coisas na internet e o que me faz comprar na internet é o fato de sempre estar mais barato que nas lojas físicas, com a CuponKit fica melhor ainda, pois além de ganhar um bom desconto em lojas conhecidas ainda ganhando um cashback por cada compra feita. Antes de mais nada, para aproveitar é necessário fazer o cadastro no site (pode ser por aqui).

O site é muito fácil de navegar, na página principal os cupons estão divididos em categorias, top lojas, top cupons e top produtos (podendo, assim, aproveitar o melhor cupon de acordo com sua necessidade.) "Mas eu não quero fazer cadastro Igor!", tudo bem, esse não é o problema poque o CuponKit também oferece cupons para quem não é cadastrado, porém a vantagem do cashback não será ativada .
Cashback é o termo utilizado para receber uma porcentagem do dinheiro de volta ao fazer uma compra online. Os cashbacks são uma parte do valor da compra, e este é reembolsado além do usuário receber os descontos anunciados. A porcentagem de dinheiro de volta varia entre os parceiros do CuponKit e é calculado a partir do preço final, ou seja depois de ter descontado o valor do frete e o valor dos descontos.
ATENÇÃO! Para aproveitar o desconto oferecido pela CuponKit é necessário fazer a compra através do link oferecido pela própria CuponKit, asim você será redirecionado para a página da loja e o cupon será ativado, por exemplo, quero comprar alguns tênis na Kanui, clico na página refente a Kanui e aparecem diversos cupons, ao clica em Pegar Cupon, copio o código que aparece na nova página e acesso o site da Kanui através do link abaixo do código. Entendido? Se não deixa um comentário que ajudo! Vale lembrar que a CuponKit tem parcerias com muitas outras lojas conhecidas além de Kanui, como Submarino, Ponto Frio, Casas Bahia, Extra...



Acho que essa é a dica que tenho que deixar para hoje e espero que facilite fazer nossas compras agora, está tudo ficando tão caro que a CuponKit caiu em boa hora não é? Você já conhecia? Conhece outros jeitos de economizar?

Esse é um post patrocinado, para saber como funciona a política de publicidade, clique aqui.

15/09/2015

Quem é você leitor?

Faz alguns bons séculos que estou querendo fazer uma pesquisa de opinião, público e satisfação por aqui. Acho que agora com a nova temática e nova fase do blog, está na hora de finalmente fazer uma pesquisa sobre os leitores linduxos daqui e o que eles acham dos meus mais de três anos escrevendo para esse bloglito. Nem preciso falar que isso é de suma importância para mim e para o blog, né? Bom, eu realmente gosto de postar aqui e quero saber como esse conteúdo produzido aqui está sendo aceito por vocês. É um questionário muito rápido, prático e sem respostas obrigatórias. Menos que 3 minutos para responder, lhe garanto! 

Ah, se o formulário abaixo não abrir (por algum motivo alienígena), você pode conferir nesse link aqui.  


Um muito obrigado a você que respondeu ! Sua opinião fará o blog ficar mil vezes melhor de agora para frente! UP!

13/09/2015

Mudança 4091238

Nem sei como começar essa postagem, faz nem um mês que troquei de layout e cá estou eu com um novo layout, não um layout qualquer, mas um que mudou drasticamente, todos os conceitos abordados nos anteriores: finalmente consegui chegar ao m i n i m a l i s m o! Estou tão mais feliz com esse novo tema, acho que estou assim: tão simples, tão limpo e livre! Agora sim, eu me encontrei e não pretendo mudar durante um bom tempo - prometo!


Layout versão 7!
Finalmente consegui encontrar fontes! Antes os layouts do blog eram uma bagunça com fontes, mais de doze (não dois, DOZE!), a primeira coisa que fiz foi deletar tudo e encontrar fontes bem simples. Agora creio que as minhas fotos vão realçar mais dentro do novo tema e agora eu sinto que me livrei de todo peso de culpa e qualquer outra coisa que me prendia ao passado.

Essa mudança aconteceu de um modo muito repentino (que mudanças não são?) - estava eu querendo apenas mudar algumas coisinhas, coisas bobas, mas acabou que fui modificando e modificando (isso com o blog público para todo mundo ver, então algumas pessoas virão as mudanças acontecendo) e no final do domingo eu tirei o blog do ar: estava decidido a mudar tudo! E mudei. Não mudei? Estou feliz. Fim

06/09/2015

6 on 6: Beleza

Para quem me conhece, sabe que eu adoro um projeto, com isso, quando descobri que um grupo de six on six seria fechado, logo tentei entrar para o grupo. Bom, acho que todo mundo conhece esse projeto, mas se não conhece: ele consiste em seis pessoas, publicarem seis fotos, todo o dia seis do mês, durante seis meses. Resvolvi entrar para começar a manusear mais minha câmera e postar mais sobre fotos aqui, pois é uma coisa que gosto muito (já me acompanha no instagram?).

O tema para esse mês foi um tanto quanto difícil para mim, o grupo consistem em 90% mulheres e 10% homem, no caso, eu sou os dez porcento. Beleza, para as mulheres é muito fácil falar de beleza, diversos produtos aí para mostrar ou maneiras de se cuidar, agora para os homens isso já é mais difícil, existem produtos também, mas não tenho muita prática de uso, com isso resolvi mostrar algumas coisas do meu cotidiano que me deixam "bonitinho".





Perfumes, melhor presente, faço coleção...


01/09/2015

Resenha: "O Pequeno Príncipe", de Antoine de Saint-Exupéry

O Pequeno Príncipe
Ediçao com fotos e estudo sobre a vida e obra do autor.
Antoine de Saint-Exupéry
Editora Geração, 2015
160 páginas
Um piloto cai com seu avião no deserto e ali encontra uma criança loura e frágil. Ela diz ter vindo de um pequeno planeta distante. E ali, na convivência com o piloto perdido, os dois repensam os seus valores e encontram o sentido da vida. Com essa história mágica, sensível, comovente, às vezes triste, e só aparentemente infantil, o escritor francês Antoine de Saint-Exupéry criou há 70 anos um dos maiores clássicos da literatura universal. Não há adulto que não se comova ao se lembrar de quando o leu quando criança. Trata-se da maior obra existencialista do século XX, segundo Martin Heidegger. Livro mais traduzido da história, depois do Alcorão e da Bíblia, ele agora chega ao Brasil em nova edição, completa, com a tradução de Frei Betto e enriquecida com um caderno ilustrado sobre a obra e a curta e trágica vida do autor.
Você conhece esse livro, não e? Se não conhece, já ouviu falar, tenho certeza. Dizem que esse é um livro voltado para o público infantil, concordo, porém esse livro, no meu ponto de vista, é voltado para todo e qualquer tipo de leitor e não leitor: uma narrativa dócil, simples e que provoca muita, mas muita, reflexão. O livro, por fim, foi publicado agora pela Editora Geração, com um cuidado incrível e com extras da vida e obra do autor.
“ É bem mais difícil julgar a si mesmo que julgar os outros. Se conseguir julgar a si mesmo, provará que é um verdadeiro sábio.”
Eu sempre senti uma necessidade em ler esse livro, pelo simples fato dele ter frases perfeitas e por ser o favorito de várias pessoas que eu conheço. Quanto recebi esse presente maravilhoso, não ouve dúvida: eu leria O Pequeno Príncipe e não só isso, mas eu leria numa edição de luxo e super trabalhada - o que só deixou tudo mais mágico. Falar de mágica é falar do personagem de Antoine de Saint-Exupéry, um personagem diferente, nocivo e bom de coração.


O Pequeno Príncipe é um personagem muito inteligente, mas com a inocência de uma criança - que busca o sentindo em ser adulto. Após perambular por diversos mundinhos - o do rei, o vaidoso, o bêbado, o homem de negócios, o acendedor de lampiões e o geógrafo - o principezinho pousa na areia escaldante do deserto aqui na Terra e por pura coincidência encontra um piloto que caiu ali perto. Com isso, logo eles viram amigos e o pequeno príncipe conta sua história e as esquisitices que viveu antes de chegar à Terra.

"– Só se conhece bem o que se cativa – observou a raposa. – As pessoas já não têm tempo de conhecer nada. Preferem comprar tudo pronto nas lojas. Como não existem lojas que vendem amigos, as pessoas não têm mais amigos. Se quer um amigo, trate de me cativar!"
“Nunca deveria tê-la abandonado. Deveria ter captado sua ternura por trás de seu jeito rude. Como as flores são complicadas! Mas eu era ainda muito jovem para saber amá-la!”

O Pequeno Príncipe é um livro incrível, ainda mesmo que escrito de modo muito simples, ele trás mensagens muito grandiosas para nossas vidas. O principizinho é uma criança à procura de seus porquês e pelo sentindo da vida; coisas que atualmente já não procuramos com tanta frequência, é engraçado que quando começamos a crescer deixamos a imaginação à parte e ficamos cada vez mais ligados a logica, prova e materialismo - coisas que não são realmente importantes para nós e que o pequeno príncipe mostra como coisas simples o fazia e faz feliz, por exemplo, olhar o pôr do sol, as estrelas e cultivar uma pequena rosa.

Uma grande crítica. Crescer não é ruim, mas o ruim é esquecer tudo. É esquecer as prioridades da vida e deixar-nos roubar por tão pouco: seja por querer conquistar tudo, ter todas as coisas do mundo, controlar tudo ou simplesmente não aceitar as outras pessoas.Esse é um livro demasiadamente curto para o tanto de coisas que ele ensina, melhor que qualquer outro autoajuda - são tantos assuntos, desde amor à tristeza, sentindo da vida, coisas que nos faz feliz. Acho que precisamos começar a largar nossos mundinhos e começar a se aventurar em tudo isso, fazer valer a pena todo o nosso tempo (engraçado que no momento em que escrevo essa resenha, consigo absorver mais coisas do livro!).


Essa edição recebeu todo o luxo que merecia, tornando essa obra ainda mais mágica, além de contar com um capítulo inteirinho somente com a biografia do autor, que viajou por diversos lugares, inclusive aqui no Brasil e sobre os seus outros livros, sendo que O Pequeno Príncipe foi seu último romance e que fez um grande sucesso (bota grande nisso!), mas que infelizmente ele não pode acompanhar.

Acho que está visível que recomendo esse livro. É indicado para qualquer um que já saiba ler, desde criança de 8 anos à 80! É um livro curto, mas grandioso, apesar de ser um dos livros mais vendidos no mundo, não foi todo mundo que leu, mas é um livro que merece ser lido por qualquer um e por todos.





2012 - 2018 © Sete Coisas.