Resenha: "A Herdeira", de Kiera Cass

3 Jul 2015

A Herdeira
A Seleção, volume 04.
Kiera Cass
Editora Seguinte, 2015
390 páginas
Vinte anos atrás, America Singer participou da Seleção e conquistou o coração do príncipe Maxon. Agora chegou a vez da princesa Eadlyn, filha do casal. Prestes a conhecer os trinta e cinco pretendentes que irão disputar sua mão numa nova Seleção, ela não tem esperanças de viver um conto de fadas como o de seus pais… Mas assim que a competição começa, ela percebe que encontrar seu príncipe encantado talvez não seja tão impossível quanto parecia.
A Seleção a trilogia, que virou série - claro, não desconcordo em momento algum, uma escrita boa realmente deve ser reconhecida e porquê se não acrescentar mais volumes em um  trio que caiu tão bem na ficha dos leitores? De fato, após A Escolha fiquei com muita vontade de saber o que aconteceu com os cidadãos de Ilhéa e com nossos protagonistas. Mas o fato de acontecer uma nova seleção me intrigou bastante: Kiera Cass estaria repetindo a mesma história de modo inverso?



Para quem não conhece essa trilogia série que fez tanto sucesso, ela inicialmente foi publicada como uma trilogia (já com alguns volumes extras) e depois ganhou uma nova continuação, abaixo estão os três primeiros livros da série, um livro de contos (um narrado pelo Maxon e o outro pelo Aspen), um conto escrito pela Rainha e um livro de atividades baseado na série, respectivamente: 



Acabou, a história de América Singer acabou em A Escolha, que isso fique bem claro. Mas A Herdeira, como o próprio nome situa: a série continua com a filha de Maxon e America, Eadlyn - a filha primogênita que está prestes a herdar o trono de seu pai. Eadlyn desde pequena foi treinada para comandar o reinado de Ilhéa, como a seleção já era algo extinto há dezoito anos, esse era o menor dos problemas da princesa. Mas quando a população ilheana volta novamente a ficar descontente e fazer protestos, eis que a única forma para o Rei Maxon é trazer o circo para entreter a população enquanto eles planejam algo para melhorar o país - além é claro, da princesa e futura rainha precisar de alguém do seu lado para aguentar o trampo.



A insuportável e mimada Eadlyn  odeia a ideia de ser manipulada para entreter, afinal, ela não quer se submeter a escolha de alguém para casa, ela nunca pensou nisso, para ela é capaz sozinha de comandar o país. Mas ela acaba aceitando a ideia, devido ser a estratégia mais rápida para distrair a população e com o plano de mandar todos os garotos embora em torno de três meses. Mas quando a princesinha sai do seu mundinho e começa conhecer a realidade de outras pessoas e dos homens que estão ali querendo conquistar seu coração, ela percebe que está mais afetiva e começa a repensar seus modos perante a si e aos garotos. 

Apesar de a história de America e Maxon já ter acabado, ainda encontramos esses personagens durante a continuação de série: America é uma rainha amada por seus súditos e Maxon é, se não, um rei muito bom, mas que carrega um peso muito grande da coroa. Ainda aqui, lindamos com diversos personagens que mudaram com o passar do tempo, por exemplo, as antigas criadas de America. Somos apresentados, também, a diversos novos personagens: os irmãos de Eadlyn e os filhos de Marlee. 


De fato, sentia um pouco de ansiedade para ler a continuação de uma trilogia que gostei tanto... Mas, digamos, o meu contentamento foi ficando cada vez mais fraco a medida que a história continuava, senti a falta de sentimento por parte da protagonista - e  creio que ela mude isso nos próximos livros - assim como também encontrei um pouco de mesmice dos primeiros livros. De fato, está um pouco óbvio por quem Eadlyn vai se apaixonar e casar, mas a autora pode resolver mudar isso de uma hora para outra - bom, estou falando isso pois a autora deu maior foco em um certo rapaz... 


Se eu gostei? Sinceramente não sei. Não acho que estou pronto para mais um triângulo amoroso ou uma história repetida, mas como novos personagens. Nesse novo livro temos mais destaque na população de Ilhéa e espero que autora não coloque o foco somente na escolha de Eadlyn por algum rapaz, espero que ela não torne tudo corrido como foi em A Escolha

Estou animado para os próximos volumes, apesar da própria protagonista não ter me encantado tanto assim. Eadlyn é bastante fria a calculista, mas sabemos que o coração de gelo vai desmanchar no decorrer da série. Vou ler somente para saber onde essa história vai dar, o que será que acontecerá com o povo de Ilhéa, será que essa princesa mimada tem capacidade de reinar um país se ela não conhece nada além do seu mundo encantado e perfeito dentro do palácio? 

"Então ele me contou várias histórias vagas sobre uma garota tão dócil que ele mal podia suportá-la e também sobre outra que tentava manipular cada etapa do processo. Eu não conhecia muitos nomes ou detalhes, e nem fazia questão. Nunca gostei de imaginar que meu pai poderia ter se apaixonado por outra garota que não a minha mãe"

1 comments:

  1. Fiquei com vontade de ler!
    PS: você é incrível Igorzão. <3

    ReplyDelete