Resenha: "O Dia do Curinga", de Jostein Gaarder

5 May 2015

O Dia do Curinga
Jostein Gaarden
Editora Seguinte.
384 páginas
"Você já pensou que num baralho existem muitas cartas de copas e de ouros, outras tantas de espadas e de paus, mas que existe apenas um curinga?", pergunta à sua mãe certa vez a jovem protagonista de O mundo de Sofia. Esse é o ponto de partida deste outro livro de Jostein Gaarder, a história de um garoto chamado Hans-Thomas e seu pai, que cruzam a Europa, da Noruega à Grécia, à procura da mulher que os deixou oito anos antes. No meio da viagem, um livro misterioso desencadeia uma narrativa paralela, em que mitos gregos, maldições de família, náufragos e cartas de baralho que ganham vida transformam a viagem de Hans-Thomas numa autêntica iniciação à busca do conhecimento - ou à filosofia. O dia do curinga é a história de muitas viagens fantásticas que se entrelaçam numa viagem única e ainda mais fantástica - e que só pode ser feita por um grande aventureiro: o leitor.

Antes de começar essa resenha eu me questionei: Como fazer a resenha de um livro que mudou algo dentro de mim? Fica difícil organizar tudo que gostaria de falar, sem estragar as varias surpresas que essa historia trás, confesso que meu coração palpitou varias vezes durante a obra, mas as ultimas 30 Paginas me fizeram tremer de ansiedade e tristeza por essa historia acabar.


Hans-Thomas é muito mais que um menino, ele é um curinga, sim uma carta especial do baralho, aquela carta que raramente faz parte do jogo, e também está em uma maldição de família, que o atinge à pelo menos três ou quatro gerações, não estou falando de uma maldição rogada, mas do próprio destino, onde nem o templo de Delfos pode explicar, além disso ele e seu pai estão procurando a mãe, que foi “Se encontrar” e à oito anos não deu noticias.


Uma viagem por toda Europa, da Noruega à Grécia começa com esse desejo de encontrar a mulher que não se encontrou, mas durante todo caminho questões no minimo curiosas são levantadas, e o destino de Hans-Thomas é lançado em um livrinho que conta a historia da bebida purpura, logo existe um livro dentro do livro, isso só faz nosso coração bater mais forte, porque fica difícil saber qual livro é o melhor.


A genialidade do autor é discrepante de qualquer outro romance, tudo que acontece é uma dica do que pode acontecer, e mesmo assim você sera incapaz de saber a verdade sobre o desfecho do livro que é sinuosamente um paralelo entre a vida real e o livrinho (ele é realmente o livrinho na estrutura).

Se você for mais longe, vai entrar em um pequeno conflito, vai associar o que vivemos, sobre o Deus que você possivelmente acredita (ou não), e se perguntar: Eu sou o Curinga do baralho? E é isso que eu me pergunto. Outra coisa é a capacidade de você começar a entender que somos incrivelmente incríveis em um incrível mundo de coisas incríveis.

É aquele livro que você vai fazer varias marcações, de pequenas frases, até um capitulo inteiro, minha próxima leitura com certeza é O Mundo de Sofia, e sinto que facilmente vou ler todas as obras deste autor.

6 comments:

  1. Ah que demais encontrar uma resenha do Gaarder! Sou apaixonada pela escrita dele desde O Mundo de Sofia que li pela primeira vez aos 16 anos (quase uma Sofia... rs) O Dia do Curinga ainda não li. Mas vou considerar depois da sua resenha. Recentemente li Maya, e há algo de "curinga" presente no livro dele. Além de declarar amor pelos livros do Gaarder, digamos que eu gosto muito de como ele conclui a trama. São muitas questões ao longo da leitura, é extremamente reflexivo.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Eu estou quase virando um fã do Gaarder, e estou doidinho pra ler tudo que puder enquanto viver hahaha, já estou correndo atrás das obras dele! Fico feliz em saber que minha resenha aguçou a leitura para O Dia do Curinga!

      Beijos

      Delete
  2. Sinto uma vontade enorme em ler os livros desse cara, desde quando eu li "A garota laranja" (como você diz), é um tipo de leitura que eu gosto bastante: cheia de reflexão e história que nos mudam, digo que "a garota das laranjas" não é um livro que vai mudar você, mas é um livro fofo, e sinto vontade enorme em ler outros livros dele, como já disse, e acho que agora sinto mais vontade ainda, não somente ao ler essa resenha, mas também pelo tanto que você falou.

    Muito boa a resenha, por sinal. Parabéns!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Eu realmente estou empolgado né? hahaha Sim sim sim, vamos ler muitos livros deles, quero livros assim, que mudem o mundo aos poucos, mas pra valer!!

      Muito obrigado!! Fico feliz pelo reconhecimento.

      Delete
  3. Eu tive uma época da escola que minha matéria favorita era filosofia e eu fiquei com a ideia de cursar filosofia por muito tempo na cabeça. Isso não rolou mas eu ainda tenho muita vontade. Nessa época eu fiquei louca querendo ler o mundo de Sofia, ganhei ele já faz uns três anos mas ainda não li. Sabe quando você quer tanto uma coisa que quando tem perde a graça? Então...

    Mas eu tenho visto muitas resenhas dos livros do autor e eu to começando a ter aquela vontade de pegar para ler. Como eu gosto muito dessa coisa de reflexão acho que vou gostar bastante. Pelo visto todos os livros dele seguem essa linha então depois do primeiro deve ser impossível não querer ler o resto.

    Gostei demais da resenha e fiquei muito a fim de ler. As fotos ficaram lindas e gente que trecho é esse? <3333333 Acho que me animei para ler os livros do Jostein. hehe

    Beijos!
    http://www.prateleiracolorida.com.br/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Agora estou lendo Dias Perfeitos, mas O Mundo de Sofia já chegou, e é minha próxima leitura, estou muito empolgado para ler todos os livros, e acho que você deve ler agora, para tudo e leia Jostein Gaarder Bea!!!

      Obrigado pelo elogio, e sobre as fotos: Também amei, foi muito divertido tirar todas!

      Beijos <3

      Delete