28.5.15

Resenha de filme: Operação Big Hero 6


Operação Big Hero 6, 2015
Don Hall
1h 42min
Cidade de San Fransokyo, Estados Unidos. Hiro Hamada (voz de Ryan Potter) é um garoto prodígio que, aos 13 anos, criou um poderoso robô para participar de lutas clandestinas, onde tenta ganhar um bom dinheiro. Seu irmão, Tadashi (voz de Daniel Henney), deseja atraí-lo para algo mais útil e resolve levá-lo até o laboratório onde trabalha, que está repleto de invenções. Hiro conhece os amigos de Tadashi e logo se interessa em estudar ali. Para tanto ele precisa fazer a apresentação de uma grande invenção, de forma a convencer o professor Callahan (James Cromwell) a matriculá-lo. Entretanto, as coisas não saem como ele imaginava e Hiro, deprimido, encontra auxílio inesperado através do robô inflável Baymax (voz Scott Adsit), criado pelo irmão.
Sempre fui muito fã de animações e após a repercussão de Big Hero, resolvi assistir junto com meu irmãozinho, não deu outra: estou apaixonado por esse filme, assim como o Lucas já sabe todas as cenas. Já assistimos tantas vezes que sei que estou preparado para escrever a resenha desse filme mais fofo. 


Faz algum tempo que as animações tentam passar algo além da diversão: seja provocar um sentimento, deixar um ensinamento ou passar alguma lição.  Operação Big Hero é um  filme delicado, que conta a história de Hiro Hamada, um menino prodígio, que aos 13 anos de idade constrói um robô simples, mas imbatível, para ganhar um dinheiro extra nas lutas robóticas clandestinas. Mas, ao conhecer a escola de seu irmão mais velho, ele percebe que era tudo o que sempre sonhou - trabalhar com tecnologia, ciência e tudo que parece ser impossível.  Quando acontece um acidente, ele percebe que muitas coisas dependem dele. E aí Baymax entra, um  robô inflável  e fofinho preparado para dar qualidade de vida para quem o tem. Após a perda do irmão mais velho, Hiro terá que salvar o mundo do temível vilão que causou a morte do seu irmão. Será que Baymax poderia ajudá-lo? 


A história é emocionante, fofa e muito engraçada. A cada dia a Disney investe ainda mais em animações diferentes das quais estamos acostumados - essa me chama atenção, por ter super heróis e por este filme trabalhar também com o sentimento (vemos isso durante todo o livro). Os personagens secundários, apesar de não terem ganhando tanta cena, aparecem e deixam sua marca de primeira. Mas sem dúvida, a melhor dupla é Baymax e Hiro, uma amizade se inicia de modo muito lento, mas logo fica tão forte que somos capazes de sentimos o amor dessa amizade.

Sem dúvidas, eu mais que recomendo esse filme. Até o Brunno, que não é muito fã de animações gostou do filme. Apostem nesse, eu realmente recomendo! 

2 comentários

  1. Adorei o filme, e a participação pra lá de especial de um "senhorzinho" chamado Stan Lee.
    Gamei no seu blog Igor *----*

    http://naestantedeumgaroto.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu ameeeeeeei big hero. Lembro que fui assistir sozinha no começo do ano e tava lá no cinema boba igual as criancinhas. Dei muita risada e no final tive que segurar as lágrimas. Como você disse, essa foi uma animação bem diferente daquelas tradicionais que a disney está acostumada a fazer e eu super curti isso. Os personagens secundários também deixaram sua marca. Eu amei o Fred (acho que é esse nome) doido que parecia um pobretão mas no final tinha uma super mansão. hahahaha.

    Beijos!
    http://www.prateleiracolorida.com.br/

    ResponderExcluir

© setecoisas.com.