29/05/2015

Você faz boas ações?

Sempre que estou no ônibus e me deparo com situações de pessoas egoístas, o que me levou a escrever este texto foi exatamente um desses fatos.


Todos os dias pego ônibus, para ir e voltar do trabalho, quase sempre faço minhas viagens sentado, a viagem é curta, 40 minutos no máximo, e na véspera de pascoa muitas pessoas estavam com sacolas cheias de chocolate, e ovos de pascoa fazem muito volume, assim que tive a oportunidade ajudei uma mulher que carregava muitas sacolas e uma mochila, coloquei as sacolas dela no colo, percebi que não cabia, coloquei minha mochila no chão, e peguei a mochila dela, a mesma ficou extremamente agradecida pela gentileza, me ofereceu chocolate e sorrisos, eu me senti bem por ela se mostrar tão agradecida, mas o foco do assunto não é mostrar que fui um bom menino, como disse anteriormente, muitas pessoas estavam com sacolas e sacolas de chocolate, e uma outra mulher entrou no ônibus e mal conseguia equilibrar-se, duas pessoas na minha frente não estavam carregando mochilas, um dormindo e a outra estava com fones de ouvido, na mesma hora eu pensei: As pessoas esperam tanto dos outros, mas se esquecem que elas também fazem parte dessa comunidade, famosos farinha do mesmo saco. Mal pensei que se as farinhas fossem de boa qualidade esse termo seria ótimo de se empregar.

Quem me conhece sabe que tenho desejo de sair do país, e quem me conhece sabe que raramente reclamo do transporte e saúde precária, que esse não é o motivo principal, o motivo é por não existir união mutua entre as pessoas, esquecem na agitação do dia a dia que sem um ao outro não somos ninguém, e sem ninguém, nada muda.

Não precisa responder essa questão nos comentários aqui embaixo, seja sincero com você mesmo, fale em voz alta; Eu faço boas ações? Se não conseguiu responder de imediato, pergunte-se mais uma vez, eu faço boas ações? Se a resposta for sim, pergunte pra sua mãe, ou seu pai, talvez pro seu irmão, e deixe claro que você não precisa saber da resposta, pergunta, Você faz boas ações? E se a resposta for não, se questione, porque eu não faço boas ações? Porque os outros também não fazem? Porque eu me esqueço? Porque eu sou tímido? Tente achar uma resposta.

Não é todo dia que você vai consegui fazer isso, mas o esforço é valido, fazer boas ações não depende só de quem quer ir para o céu, ou sabe-se lá pro inferno, mas porque facilita a vida da gente, sempre é bem vinda a ajuda de voluntários em instituições que necessitam, mas o simples ato de segurar a mochila de alguém que está em pé vai facilitar muito, sem falar da gratificação, pois muitas vezes doar é melhor que receber.

Se vocês quiseram um texto sobre minhas experiencias como voluntario, ou dicas de como ser um voluntario, só deixar nos comentários.

28/05/2015

Resenha de filme: Operação Big Hero 6


Operação Big Hero 6, 2015
Don Hall
1h 42min
Cidade de San Fransokyo, Estados Unidos. Hiro Hamada (voz de Ryan Potter) é um garoto prodígio que, aos 13 anos, criou um poderoso robô para participar de lutas clandestinas, onde tenta ganhar um bom dinheiro. Seu irmão, Tadashi (voz de Daniel Henney), deseja atraí-lo para algo mais útil e resolve levá-lo até o laboratório onde trabalha, que está repleto de invenções. Hiro conhece os amigos de Tadashi e logo se interessa em estudar ali. Para tanto ele precisa fazer a apresentação de uma grande invenção, de forma a convencer o professor Callahan (James Cromwell) a matriculá-lo. Entretanto, as coisas não saem como ele imaginava e Hiro, deprimido, encontra auxílio inesperado através do robô inflável Baymax (voz Scott Adsit), criado pelo irmão.
Sempre fui muito fã de animações e após a repercussão de Big Hero, resolvi assistir junto com meu irmãozinho, não deu outra: estou apaixonado por esse filme, assim como o Lucas já sabe todas as cenas. Já assistimos tantas vezes que sei que estou preparado para escrever a resenha desse filme mais fofo. 


Faz algum tempo que as animações tentam passar algo além da diversão: seja provocar um sentimento, deixar um ensinamento ou passar alguma lição.  Operação Big Hero é um  filme delicado, que conta a história de Hiro Hamada, um menino prodígio, que aos 13 anos de idade constrói um robô simples, mas imbatível, para ganhar um dinheiro extra nas lutas robóticas clandestinas. Mas, ao conhecer a escola de seu irmão mais velho, ele percebe que era tudo o que sempre sonhou - trabalhar com tecnologia, ciência e tudo que parece ser impossível.  Quando acontece um acidente, ele percebe que muitas coisas dependem dele. E aí Baymax entra, um  robô inflável  e fofinho preparado para dar qualidade de vida para quem o tem. Após a perda do irmão mais velho, Hiro terá que salvar o mundo do temível vilão que causou a morte do seu irmão. Será que Baymax poderia ajudá-lo? 


A história é emocionante, fofa e muito engraçada. A cada dia a Disney investe ainda mais em animações diferentes das quais estamos acostumados - essa me chama atenção, por ter super heróis e por este filme trabalhar também com o sentimento (vemos isso durante todo o livro). Os personagens secundários, apesar de não terem ganhando tanta cena, aparecem e deixam sua marca de primeira. Mas sem dúvida, a melhor dupla é Baymax e Hiro, uma amizade se inicia de modo muito lento, mas logo fica tão forte que somos capazes de sentimos o amor dessa amizade.

Sem dúvidas, eu mais que recomendo esse filme. Até o Brunno, que não é muito fã de animações gostou do filme. Apostem nesse, eu realmente recomendo! 

27/05/2015

Um pequeno teste fotográfico

Faz algum tempo que quero deixar de fotografar somente coisas (livros, ruas, flores, roupas...) e me aventurar em tirar foto do corpo, do rosto e dos olhos de alguém. E esse mês decide que iria, finalmente, fotografar alguém. Como isca, o namorado fofo e mais lindo do mundo decidiu se render e tirar algumas fotos - não digo que foi fácil, porque era 90%  dele brigando comigo por não saber tirar foto. Mas no final, até que cheguei a gostar dos resultados.... E como é a primeira vez, bem, nas outras tenho certeza que vou melhorar.  



E aí? O que acharam das fotos? Tenho certeza que vou melhorar na fotografia! 

26/05/2015

Resenha: "A Garota das Laranjas", de Jostein Gaarder

Jostein Gaarder
Editora Seguinte, 2014
136 páginas
Neste novo livro de Jostein Gaarder - o autor que conquistou milhões de leitores de diversas idades com O mundo de Sofia e outros sucessos internacionais -, uma carta que ficou guardada por muito tempo revela ao adolescente Georg Roed uma história extraordinária. O autor da carta é o pai do menino, morto há onze anos - ele escreveu esta longa mensagem de despedida para que o garoto pudesse lê-la depois, quando estivesse mais maduro.

A história que o pai conta é do tempo em que ainda era um jovem estudante de medicina: a sua busca por uma moça desconhecida, que ele vê por acaso nas ruas de Oslo, sempre carregando um saco cheio de laranjas. Apaixonado, o rapaz persegue os diversos mistérios que cercam os seus encontros fugidios com a garota das laranjas, numa aventura que culmina numa grande revelação. Alternando entre a voz de Georg e a do pai, Jostein Gaarder constrói uma narrativa pontuada com perguntas filosóficas, que tratam de temas como o amor, a morte e a grandeza do universo.
Faz algum (muito) tempo que estou querendo ler O Mundo de Sofia, mas por ser um livro altamente filosófico acho que ainda não estou preparado para a carga emocional que o livro possa me dar, com isso decidi que iria começar por outros livros do mesmo autor: "O dia de Curinga" e "A Garota das Laranjas", este último, o das laranjas, foi o que escolhi para ler primeiro, por ser mais curto e a capa, por sinal, ser altamente linda. Após a leitura deste exemplar, não deu outra: estou louco para ler mais livros do Gaarder.


Ao perceber que estava com uma doença terminal o pai de Georg decide deixar uma carta para o filho quanto ele estiver mais velho, para que ele não torne mais um somente mais um filho qualquer sem pai no mundo, nessa carta seu pai explica a grande paixão que viveu durante sua juventude e de como o amor lhe ajudou e salvou a sua vida da existência medíocre que levava. Com isso, Georg começa a absorver coisas que o seu pai lhe fala na carta, fazendo que acarrete em suas atitudes: ele também está começando a viver as emoções do primeiro amor, enfrentas os medos, lutar por sonhos, vencer barreiras e outras coisas que provam o homem.

A Garota das Laranjas é um livro simples, mas de tão simples ele consegue ser algo além da simplicidade. É fofo. É apaixonante. O livro de 138 páginas foi republicado pela Editora Seguinte, com uma nova capa, trazendo ainda mais fofura pra história, mas o que realmente chama atenção é: que são 136 páginas em uma carta, aliás, é uma carta em 136 páginas, temos aqui diversas reflexões durante as páginas, nosso protagonista, até então apenas uma criança, começa a lidar com a filosofia de seu pai antes dele falecer; começa a entender os pensamentos do pai e como o seu pai o amava. 



Quando terminei de ler esse livro, me bateu uma vontade de sorrir e não ler mais nada. E definitivamente me senti necessitado a ler outros livros deste autor; sem falar que o Brunno mais que me recomendou ler O Dia de Curinga, logo ele vai começar O Mundo de Sofia e estou tão animado quanto ele para ler todos os livros do autor, ele escreve de uma maneira diferente: que diverte, mas que também nos faz pensar. Recomendo!  

21/05/2015

Resenha: "A Teoria de Tudo: A Extraordinária História de Jane e Stephen Hawkin", de Jane Hawkin

A Teoria de Tudo
Jane Hawkin
Editora Única, 2015
448 páginas
A história de Stephen Hawking é contada pela luz da genialidade e do amor que não vê obstáculos. Quando Jane conhece Stephen, percebe que está entrando para uma família que é pelo menos diferente. Com grande sede de conhecimento, os Hawking possuíam o hábito de levar material de leitura para o jantar, ir a óperas e concertos e estimular o brilhantismo em seus filhos entre eles aquele que seria conhecido como um dos maiores gênios da humanidade, Stephen. Descubra a história por trás de Stephen Hawking, cientista e autor de sucessos como Uma breve história do tempo, que já vendeu mais de 25 milhões de exemplares. Diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica aos 21 anos, enquanto conhecia a jovem tímida Jane, Hawking superou todas as expectativas dos médicos sobre suas chances de sobrevivência a partir da perseverança de sua mulher. Mesmo ao descobrir que a condição de Stephen apenas pioraria, Jane seguiu firme na decisão de compartilhar a vida com aquele que havia lhe encantado. Ao contar uma trajetória de 25 anos de casamento e três filhos, ela mostra uma história universal e tocante, narrada sob um ponto de vista único. Stephen Hawking chega o mais próximo que alguém já conseguiu de explicar o sentido da vida, enquanto Jane nos mostra que já o conhecia desde sempre: ele está na nossa capacidade de amar e de superar limites em nome daqueles que escolhemos para compartilhar a vida. O livro que inspirou o emocionante filme A Teoria de Tudo.
"A teoria de tudo" é um livro denso, forte e completo, que busca contar sobre o relacionamento do famoso Stephen Kawking e de sua ex-esposa Jane Hawking, e de como eles, juntos, enfrentaram a temível doença de Stephen. O livro se trata de uma biografia, vivida pela própria autora, explorando dificuldades, tristezas e momentos de felicidade em que o casal passou junto - logo você percebe que não é tão difícil entrar na história e se apegar com os personagens, Jane, se esforça em contar uma história pura, contagiante, íntima e sincera. O livro em si, é somente parte da vida de Jane, não teria como ela transpor tudo o que passou ou tudo o que sentiu, então, em parte, temos um resumo dos 25 anos que o casal passou juntos antes da separação.


Stephen foi diagnosticado cedo com uma doença degenerativa, e sua vida começará a mudar radicalmente após a descoberta. Ele e Jane, estão cientes de como será a nova vida. Apesar de já saberem do que poderiam passar, eles não imaginam o quanto será fácil: afinal, eles vão realmente viver àquilo - a vida do casal começa a se modificar juntamente com o avanço da doença de Stephen.

Uma das coisas que mais pode mudar alguém é: quebrar a rotina. E a doença de Stephen faz isso, bem no meio de bons momentos. Para Stephen não foi fácil, afinal, sua carreira já era bastante difícil quando ele já era "normal" e quando a doença começou a atacar, muitas pessoas da sua área passaram a "desconsiderá-lo", porém ele sempre teve Jane, desde os primeiros dias de namoro até alguns anos atrás. A doença muda a vida tanto de Stephen quando de Jane de uma maneira absurda: ele não poderá mais fazer suas necessidades básica, sendo assim Jane tem que ficar sempre em cima e fazendo adaptações na casa para deixar o marido mais confortável.

O amor e a esperança é o que realmente movem o livro: dá para sentir de longe o amor que os dois sentem um pelo outro, é alto tão forte e intenso que chega a ser emocionante durante as páginas. Em contrapartida temos o sonho de Stephen em mostrar suas teorias sobre o universo.

Eu, particularmente, gostei bastante desse livro. Gosto de ler livros que contam histórias verdadeiras e emocionantes, estou louca para assistir o filme que saiu faz algum tempo, creio que vou gostar bastante já que gostei tanto da escrita e história de Jane e seu marido.

19/05/2015

Resenha: "Caninos em Família" de Kevin Wilson

Caninos em Família
Kevin Wilson
Editora Companhia das Letras, 2014
392 páginas
Faz anos que Annie e Buster Caninus saíram da casa dos pais, mas nem por isso a influência familiar deixou de pesar sobre eles. Criados em um ambiente confuso, no qual o projeto artístico de “vanguarda radical” dos pais funcionava como epicentro da vida em família, eles se tornaram adultos sem capacidade de tomar as próprias decisões.

Annie é atriz de cinema, mas depois que fotos suas de torso nu vazaram na internet, ela decide se esconder dos holofotes na antiga casa dos pais. Buster acaba de levar um tiro no rosto e, ainda que o projétil responsável pelo acidente tenha sido uma batata, o estrago causado é enorme, levando-o a pedir refúgio na sede dos Caninus.

Caleb e Camille recebem os filhos com a expectativa de reviver os antigos tempos de glória, quando podiam contar com a participação das crianças nos happenings que planejavam. Mas dessa vez Annie e Buster não parecem muito dispostos a se expor a mais uma situação bizarra.
A partir dessa tensão, pais e filhos vão testar a validade do modelo familiar que os tornou inseparáveis. Para uns, o que importa é descobrir se o que deu errado em suas vidas tem mesmo origem no projeto tresloucado dos pais, enquanto para outros trata-se de optar entre seguir em frente sem os filhos ou alterar radicalmente seu propósito de vida.

O aparente absurdo das situações descritas ao longo da narrativa ganha sentido com a construção de uma trama potente e emocionante, no qual os limites entre arte e vida serão postos à prova. Não por acaso os direitos de filmagem do livro foram comprados pela atriz Nicole Kidman.

O primeiro capítulo de Caninos em Família me deixou confuso, Kevin Wilson escreveu uma obra que eu não dava nada, logo depois do terceiro capitulo eu comecei a imaginar um filme na minha cabeça, e o autor conseguiu fazer com que eu assistisse a um filme lendo um livro, eu espero que uma adaptação cinematográfica seja feita, com direito a roteiros de Kevin Wilson, e pitacos na direção.


Ser artista não é fácil, para muitos que pensam que o reconhecimento monetário possa ser o suficiente, para outros a verdadeira arte é o que importa, Caleb e Camille Caninus são um casal que tem dois filhos, você pode chamá-los de Criança A e B ou Annie e Buster, o tipo de arte dessa família é de intervenção, eles criam situações onde deixam as pessoas intrigadas, situações onde ninguém desconfiaria que tudo foi um simples esquema de uma amostra da arte experimental dos Caninus. Annie e Buster crescem e acabam desapontando seus pais, buscam caminhos na arte que seus pais não acreditam ser arte genuína, Annie uma atriz indicada ao Oscar, e Buster um escritor de dois livros que não venderam muito.



O livro é feito para entreter o leitor do inicio até o fim, talvez você consiga encontrar algum ápice, e apesar do autor tentar realizar um final mais surpreendente que todo o livro, o final não é necessário para fazer com que se sinta satisfeito antes mesmo de chegar nele.

Louco, curioso e confortável seriam as palavras que usaria para descrever este livro, eu indicaria para quem é curioso e para quem tem uma vida dentro dos padrões normais, e realmente é um livro que não precisa de um grande final.



Porém ao final do livro fiquei em dúvida se amei ou só gostei, não é um livro que leria duas vezes, por ter fatos tão concluídos, mas talvez fosse um filme que assistiria varias, Kevin foi feliz na publicação de Caninos, é perceptível que o livro foi feito para que você leia de uma só vez, ou o mais rápido que conseguir.

Queria um livro só de happenings, intervenções da família Caninus.


15/05/2015

Playlist: Enfrentar problemas e ser corajoso

Coragem, o cão covarde, é mais ou menos isso que acontece as vezes, nosso nome é coragem, mas ter medo é o que somos, então hoje vamos mudar, pare, pense e reaja! Vamos começar com um estimulo, presta atenção na letra e não precisa sair correndo, a coragem pode ser gradual, mesmo eu preferindo a coragem súbita que me da estimulo pra viver.

Isso me lembra da resenha que saiu de As Férias da Minha Vida, e isso me lembra de como especial tudo isso é, o tanto de emoção que podemos sentir, de poder atravessar no sinal livre para pedestres ou quase morrer atropelado por um ônibus, um caminhão e uma moto. Calma, calma, a semana foi um pouco agitada aqui desse lado, aproveito a deixa da playlist, e quero que me digam alguns momentos que sentiu a adrenalina circular no seu corpo!

Sem mais, agora play play play.

14/05/2015

Porque "As Férias da Minha Vida" é o filme da minha vida


AS FÉRIAS DA MINHA VIDA, 2006
Wayne Wung
1h52min Duração
Georgia Byrd (Queen Latifah) é atendente do setor de cozinha de uma grande loja de departamentos. Ela não anda animada com sua vida, nem mesmo quando canta no coral da igreja, coisa que adora. Porém, a vida guarda algumas reviravoltas para Georgia, que apesar de terríveis, ainda podem trazer algo de bom para ela. É o que acontece quando ela descobre que tem uma doença terminal e poucas semanas de vida. Georgia se manda para os Alpes suíços disposta a passar seus últimos momentos da melhor maneira possível. Ela perceberá que, em meio a ótimas tiradas, a vida pode ser mágica, ainda que breve.

Pra quem me conhece sabe que eu tenho um filme preferido, mas não é um filme preferido, é o filme da minha vida, perdi as contas de quantas vezes assisti, seja legendado, dublado, em inglês, não me canso de assistir, e sempre que tenho a oportunidade, vejo com um amigo, com a desculpa de apresentar, mas na verdade estou me deliciando com uma nova chance de poder ver o filme que me passa uma mensagem diferente sempre.

As férias da minha vida é a tradução pra o Ultimo Feriado e estrela a Queen Latifa, muito críticos dizem que se o filme fosse melhor produzido $$$ ela teria tantas chances de ganhar um Oscar, quanto teve no musical Chicago, mas eu acredito no trabalho minucioso deste filme.


Sempre ter uma vida regrada e fazer as coisas certas, ser uma pessoa boa, ir á igreja aos domingos e trabalhar com amor, esse era o dilema de Georgia Byrd, secretamente apaixonada por um colega de trabalho, e adora cozinhar, quando as coisas parecem começar a dar certo, ela descobre que vai morrer, uma bancada de conflitos atinge, Porque ela? Porque Deus? Ela sempre fez tudo de maneira certa! Quando ela se deu conta de onde estava ela resolveu colocar em prática o livro das possibilidades, um livro onde ela guardava seus sonhos, sonhos que se realizaram com o grande pontapé (chute na bunda) que a vida deu.
 

Se eu morrer, eu sei que fiz muitas coisas que me deram na telha, me arrisquei muito, e tentei colocar tudo em prática, e tudo isso graças a esse filme, talvez escolher pegar um caminho longo com meu namorado, chegar tarde e não dar tempo de fazer comida não possa ser comparado a ir para a República Tcheca, mas ter coragem de fazer o que eu posso sem medo do julgamento dos outros, confiar em quem sou, e me esforçar ao máximo pelo que possa ser, e querer me aventurar seja um reflexo que assisti á 9 anos atrás, as férias da minha vida vai te mudar, então assista, ria e mude!

Vou começar a contar quantas vezes já assisti a esse filme, porque relembra todas as vezes nesses últimos 9 anos será difícil.

13/05/2015

Resenha Musical: Taylor Swift - 1989

Taylor Swift
1989
13 Faixas, Outubro 2014
Essa resenha tem somente uma ligação com a anterior para Stay Gold da dupla First Aid Kit, letras bem compostas e tom pessoal (Sim gosto de artistas que dizem sobre si mesmo, psicologia antropológica sempre!) Saindo do Folk vamos para um Pop tipicamente americano.

Eu odeio a Taylor Swift, calma isso foi em 2008 quando conheci ela com You Belong With Me, confesso que eu estava tão ligado ao Rock, era pré adolescente e odiava algumas coisas de graça, esse gosto limitado desapareceu com o tempo (Obrigado Deuses da musica), mas só me rendi á Taylor com We Are Never Ever Getting Back Together, a musica mais Pop até então, com o lançamento de 1989, e eu com meus 20 anos, me entreguei (e quem não?). Como um digno homem romântico, tenho licença poética para usar dos conselhos cantados, os meus conselhos também!

Taylor Alison Swift, loira, alta, olhos azuis e americana, os requisitos ela já tem, e completou tudo isso inciando sua carreira na musica Country, não foi difícil atingir os topos da Billboard no seu primeiro lançamento, e repetições inacabáveis de seus clipes na MTV. Mundialmente a época era carente de uma cantora jovem com letras tão inclusivas para outras adolescentes americanas, uma carreira de modelo não cairia mal, ainda mais depois que vocês verem as participações dela no Victoria's Secret Fashion Show (Duas vezes seguidas ok?), e uma leve demanda como atriz. Ela é uma superstar então dispensa falar de parcerias e números, porque é tudo muito alto.


1989 é obviamente o álbum mais Pop já lançado, como um ritual, os álbuns são lançados de dois em dois anos, esse é o quinto de estúdio, não são composições em solo, porém Taylor é a compositora principal do Disco, a pegada de descontração e humor são o ponto chave do sucesso, ela joga no ventilador tudo que falam dela na mídia e faz questão de deixar tudo tão exagerado e distorcido com eles mesmo fazem, é simplesmente uma critica aberta, sobre criticas abertas, está declarada a Guerra de 1989!


A Guerra foi declarada em agosto com a frase "At least that's what people say". Shake  It Off foi o Lead-Single e permaneceu fortemente no topo do Hot 100 da Billboard, com um clipe engraçado e compatível com a letra, a unica musica que tomaria o lugar de Shake It Off nos charts seria Blank Space, fazendo que com Taylor continuasse no topo só com uma substituição de musica, pra quem enjoa de Shake It Off, Blank Space é insana e tem um clipe perfeito, (Não posso deixar de sitar que eu escuto Blank Space todos os dias, as pessoas quando escutam a musica lembram de mim, e eu tenho uma dancinha toda especial que o Igor esta de saco cheio de ver, ele tá ai pra dizer que eu e Blank Space nascemos um para o outro). Depois do lançamento das duas músicas mais fortes do álbum, recorremos á Style, que conta sobre seu romance com Harry Styles, e ela não deixou dúvidas no clipe que era sobre ele, porém o clipe ficou sem contexto, artisticamente é lindo, ninguém pode contestar, porém não combinou com a música que diz "Nos nunca saímos de estilo", ficou triste demais pra uma música esperançosa.


As composições mais fortes do disco são Bad Blood que vai sair clipe dia 17 de maio, Wildest Dreams, New RomanticsI Know Places, além das já lançadas, as músicas que costumo pular são, Clean e How You Get the Girl, não tenho nada contra a letra, mas a sonoridade me soa chata, e parece que foram postas só pra completar as 13 faixas do álbum standard, já que a deluxe tem faixas muito boas, tudo jogada de marketing, assim como a proibição da sua discografia em música Streaming (é Taylor, por essa critica você não esperava!)

Solido, popular e pessoal, é assim que vejo esse disco, é uma evolução gigante para a Taylor como música, pois como compositora ela sempre foi detalhista e difícil achar algo mal escrito. O disco é vendido no Brasil na versão deluxe, e as fotos estão ai mostrando que vale a pena comprar, porque é diferente de MUITOS deluxes por aí, esse sim é bem feito, está de parabéns!


E você, é fã de Taylor? Ou resolveu dar uma chance agora? Deixe seu cometario!

Latest Instagrams

© setecoisas.com | Lifestyle, cultura e fotografia,. Design by FCD.