Resenha: "Scott Pilgrim Contra o Mundo, vol.2", de Bryan Lee O'Malley

Scott Pilgrim Contra o Mundo, vol.2
Bryan Lee O'Malley
Série: Scott Pilgrim Contra o Mundo, vol.2
Quadrinhos da Cia.
408 páginas
Neste segundo volume das aventuras de Scott Pilgrim: ninjas, rock’n’roll canadense, vegetarianismo radical e lojas de departamento satânicas. A vida de Scott Pilgrim parece estar se acertando. De saída, ele já mandou para a lona dois dos ex-namorados do mal de Ramona Flowers (faltam cinco). Além disso, o namoro com a misteriosa americana parece estar engrenando, e até mesmo sua banda, a Sex Bob-Omb, tem conseguido acertar um ou dois acordes. Claro que, num país tão tumultuado quanto o Canadá, as coisas nunca são fáceis, e o período de relativa tranquilidade é interrompido pela chegada da turnê do Clash at the Demon's Head, a banda de rock mais incrivelmente poderosa de que se tem notícia. Não bastasse, o grupo é liderado por Envy Adams, ex-namorada de Scott, que o colocou numa espécie de coma emocional ao largá-lo, um ano e meio atrás. E o embate com o passado traz consigo um conflito - o atual namorado de Envy Adams é ninguém menos que Todd Ingram, o vegan com poderes místicos que Scott precisa derrotar no seu caminho para o coração de Ramona. Dotado de poderes incríveis, Todd será o maior desafio de Pilgrim. Ou pelo menos é o que se imagina. Scott irá descobrir outra faceta de sua enigmática namorada, será perseguido por ninjas e samurais e terá de lidar com os grandes dilemas da vida adulta - dividir ou não um apartamento com seu melhor amigo gay e, principalmente, arrumar um emprego ou continuar jogando videogame.
Desde quando assisti o filme de "Scott Pilgrim contra o Mundo", uma compilação de todos os livros em um só filme, nunca mais esqueci essa série de quadrinhos maravilhosa e engraçada. Se você é como eu, e não tem tanta prática ou não lê quadrinhos, afirmo: comece pelos livros de Bryan Lee O'Malley.


Scott sabia que sua vida ia começar a desmoronar assim que o primeiro ex-namorado de (a glamuroa, linda e fofa) Ramona apareceu, ao aceitar que lutaria para sua (glamuroa, linda e fofa) amada, ele provou que estava ciente do que estava por vir: mas, digamos, que ele não sabia o que estava por vir. Ao embarcar na luta no ofício de um namorado jovem, Scott, mostra sua trágica história e um parte do seu passado com muito humor e comédia, dando realces de sentimentalismo.

Nesse volume temos um personagem altamente apavorado, além de estar começando seu primeiro emprego, está correndo o risco de ser despejado da casa que seu amigo gay, Wallace, compartilhava com ele. E já não basta coisas normais estar acontecendo: ele também tem que enfrentar o vegano-telecinético Todd. Ainda neste volume o autor aborda dos temas da juventude e toda a contradição existente dentro dessa época, os pensamentos incompletos ou os problemas e crises existenciais dos vinte anos, claro, tudo contado com muito ironismo e comédia.


O que me faz gostar mais de Scott Pilgrim contra o Mundo é como ele mistura tantas coisas e torna isso tudo uma obra só: video-games, super-poderes, sentimentalismo e muita, mas muita música. Os traços de Lee são intensos, em algumas horas ele deixa bem leve, mas em horas de ação os traços ficam incríveis, vibrando de acordo com a cena. Em suma, é uma história nada normal que retratada a normalidade de ser um garoto com seus diversos problemas buscando uma forma de resolver todos esses problemas, mas fatos divinisticos atrapalham todo seu planejamento: lutar contra ex-namorados da sua namorada com super-poderes! 

Post a Comment