Resenha: "Fim", de Fernanda Torres

Fernanda Torres
Editora Companhia das Letras
208 páginas
público brasileiro acostumou-se a ver Fernanda Torres no cinema, no teatro ou na televisão .Com 'Fim', seu primeiro romance, ela consolida sua transição para o universo das letras. O livro focaliza a história de um grupo de cinco amigos cariocas. Eles rememoram as passagens marcantes de suas vidas - festas, casamentos, separações, manias, inibições, arrependimentos. Álvaro vive sozinho, passa o tempo de médico em médico e não suporta a ex-mulher. Sílvio é um junkie que não larga os excessos de droga e sexo nem na velhice. Ribeiro é um rato de praia atlético que ganhou sobrevida sexual com o Viagra. Neto é o careta da turma, marido fiel até os últimos dias. E Ciro, o Don Juan invejado por todos - mas o primeiro a morrer, abatido por um câncer. São figuras muito diferentes, mas que partilham não apenas o fato de estar no extremo da vida, como também a limitação de horizontes. Sucesso na carreira, realização pessoal e serenidade estão fora de questão - ninguém parece ser capaz de colher, no fim das contas, mais do que um inventário de frustrações. Ao redor deles pairam mulheres neuróticas, amargas, sedutoras, desencanadas, descartadas, conformadas. Paira também um padre em crise com a própria vocação e um séquito de tipos cariocas. Há graça, sexo, sol e praia nas páginas de 'Fim'. Mas elas também são cheias de resignação e cobertas por uma tinta de melancolia.
Após várias exclamações em diversos comentário e elogios, sentia que chegou a hora de me lidar com a leitura da obra brasileira escrita por Fernanda Torres, sim, a atriz e comediante. Fim é uma história descontinuada, perturbada e sadicamente triste, porém traz por de baixo dos seus panos as mazelas do ditado brasileiro, seja nas nuances ou acontecimentos pejorativos.

Fim é uma história incomum que retrata o comum, não é uma leitura fácil e muito menos maravilhosa, o livro é de baixo calão, repleto de machismo, sexo e diversão, claro, tudo isso contado através de olhos cansados e a espera da morte, sem duvidas um livro rico e merecido ser lido. A história se desenvolve através de quatro olhos - quatro personagens. Cada qual com sua mania, ginga ou insatisfação - contrastando a narrativa e alcançando o herdeiro fim.

A linguagem grossa, curta e direta caracteriza uma obra digna e, certamente, indispensável. De início, pelo menos a mim, o livro me deu repulsa e insatisfação - não consegui me contentar com a trágica história que passava por meus olhos e o quanto demorei tanto para entender o que realmente acontecia com estes personagens. Fernanda Torres, jornalista, atriz e agora também escritora de dois livros, incorpora o homem sujo, covarde e machista e narra a história de quatro amigos e como eles usavam o título que não poderiam levar.

Porque um feed com livros é bonito 😍

A photo posted by Tom (@setecoisas) on



Em suma, a temática é tipicamente brasileira, cheia de carioquismo e recomendando para quem realmente gosta desse tipo de leitura - cheio de clichês, palavrão, ironia e ditados populares. Não recomendo a obra para qualquer um, apenas para aquele que não esperava um livro totalmente divertido e simpático; muitas vezes o livro se passa muito longe daquilo que chamamos de agradável, porém não deixa de ser uma boa surpresa. 

_DEIXE UM COMENTÁRIO

  1. Sempre escuto as playlist adorei migo!

    ReplyDelete