30/01/2015

Pangeia playlit: Um só continente

Yey gente! Hoje tem mais uma playlist, dessa vez uma bem diverficada. Na segunda playlist do ano resolvemos buscar músicas pelo mundo todo. Pangea é, do inglês, o continente que, descrito pela deriva continental, existiu há 200 milhões de anos, durante a era Paleozoica, porém, há relatos também de 540 milhões de anos. A palavra origina-se do fato de todos os continentes estarem juntos (pan do grego = todo, inteiro) e exprime a noção de totalidade, universalidade, formando um único bloco de terra (gea) ou Geia, Gaia (mitologia) ou Ge como a Titã grega que personificava a terra com todos os seus elementos. (fonte)

Essa semana teve uma postagem bem legal sobre a Fiarte, uma "exposição" de arte, cultura e decoração que permite você tirar fotos bacanas e, se tiver dinheiro, decorar sua casa. Já saiu aqui no blog a primeira parte, cujo mostrei as fotos de uma loja especifica de móveis e a segunda foi de uma outra loja específica, a do Peru. Ah, no clima de África tivemos uma resenha bem legal de O Grande Ivan.

Ah, você chegou a escutar uma playlist para sair da zona de conforto?

28/01/2015

Fiarte, parte 2: Peru

Como prometido na primeira parte do post sobre meu passeio na FIARTE, trouxe a segunda e quase-última parte, pois decidi dar continuidade a sessão de fotos e vou prolongar ainda por mais uma ou duas postagens - todas cheias de fotos, claro! 

Para quem não conhece, a FIARTE (Feira Internacional de Artesanato) é um projeto que acontece anualmente no Brasil recadando arte de vários lugares do mundo e juntando tudo isso em um só lugar, fazendo um tour por todo o Brasil durante alguns meses - e ano passado foi a primeira vez aqui em Brasília. 


Essa loja foi uma das mais legais de visitar, a vendedora,  foi muito simpática comigo e super amiga do Brunno, uma coisa que chama bastante atenção são as cores: tudo muito colorido e animado, além de objetos detalhados e fofinhos. Veja algumas fotos abaixo!!! 


O Brunno chegou a ir mais quatro vezes na barraca da Fanny, a vendedora, ela foi muito atenciosa tanto com ele quanto comigo, explicou como funcionava os brinquedos peruanos e como manuseá-los, além da própria tenta estar cheia de cultura e detalhes que dão vontade de querer conhecer o país. Segundo a própria Fanny, vale a pena conhecer os andes peruanos, principalmente pela gigantesca diferença cultural. Quem sabe eu não tiro umas fotos de lá do Peru? 

oi amigos! 
Então é isso pessoal, ainda tem mais uma ou duas partes da exposição da Fiarte de 2014 que aconteceu aqui em Brasília. Gostaram das fotos? Não perca as próximas postagens, garanto que serão tão boas quanto essa, apesar de a loja do Peru ter sido a melhor, na minha opinião.

26/01/2015

Resenha: "O Grande Ivan", de Katherine Applegate

Katherine Applegate
Editora Novo Conceito
256 páginas
Meu nome é Ivan. Eu sou um gorila. Não é tão fácil quanto parece...
Ivan mora dentro de um shopping e nunca tinha pensado em voltar para a natureza até o dia em que a pequena Ruby, um filhote de elefante, foi comprado pelo dono do circo.
Baseado em fatos reais, “O Grande Ivan” é uma história deliciosa, cheia de humor, ao mesmo tempo doce e inteligente, sobre os direitos dos animais e sobre a força da amizade.
Não importa quantos anos você tem... Você deveria ler este livro hoje, agora mesmo. Aliás, o que você está esperando para começar?
“O Grande Ivan” é um livro voltado para um público infantil, mas com um caráter que atinge tanto o público de oito anos quanto os de 80, de linguagem fácil e divertida e que remete o leitor a uma reflexão até o fim. Através deste livro, Katherine Applegate, expõe sua opinião: como se algum animal pudesse falar, se ele pudesse se expressar... Katherine se baseia em uma história verídica, a do famoso “Gorila do Shopping”, Ivan, que viveu cerca de 27 anos dentro de uma jaula apertada.

A história se desenvolve de uma forma bem maluca, passado e presente se alternam entre os capítulos de uma folha – enquanto isso, somos apresentados ao pequeno mundo de Ivan, o gorila das costas cinza-prateadas, conhecemos seus amigos, seu dono, sua amiga humana. Também desfrutamos dos seus pensamentos, dúvidas, dores e felicidades – vemos o quanto o mundo é injusto com alguns.

Em alguns momentos senti vontade de chorar, Ivan e seus amigos mostram o valor da verdadeira amizade e de amor. “O grande Ivan” é, sem dúvidas, uma crítica aos descuidos com os animais, mas também é demonstrar o direito que estes têm – o de ser livre. Apesar de ser um livro engraçado, ele é um pouco triste, afinal os animais nunca conseguem se defender do verdadeiro bicho – o homem –, e ver o quanto Ivan, Ruby e Stella sofriam diariamente foi bastante desconfortável, porque isso acontece mesmo, o livro, apesar de ser uma ficção, acaba abordando a realidade.

Há alguns dias li um livro que contava uma história parecida com a de Ivan, a do Fernão Capelo Gaivota, ambos buscam uma forma de ser feliz e se libertar. Enquanto Fernão tinha que lidar com toda a contradição que o seu Bando empunhava, Ivan teria que encontrar uma maneira de sair das grades apertadas e conseguir salvar seus amigos – a única maneira que tinha como fazer isso era através da arte e assim ele faz.

Katherine Applegate dá a Ivan e a qualquer outro animal uma voz, uma forma de ele expressar tudo aquilo que está sentindo e vem aquele ditado que “bicho também é gente”, eles não podem ser “racionais”, mas sentimento eles têm. É um livro simples, mas que tem o poder de muitas coisas, pois este é construído de uma forma incrível e inteligente. Recomendadíssimo.

24/01/2015

Saia da sua zona de conforto, playlist

Ao começar esse ano e anunciar o novo layout, falei que começariam algumas mudanças no blog e o conteúdo iria ficar mais diverficado. O Brunno resolveu me ajudar nessa nova fase e aventura do blog, uma vez por semana teremos uma playlist (e posso dizer que os temas são bastante legais) e mensalmente (eu espero) resenha musical.

Como ainda estamos no início de ano, nada mais justo do que uma playlist que vá nos impulsionar a querer mais, buscar nossos objetivos e sonhos. Um bom modo de conseguir alcançar nossas expectativas é saindo da nossa própria zona de conforto, após isso vamos descobrir que não é tão ruim e quanto parece: mudar e "sentir" coisas diferentes podem ser muito gostosas.

Essa semana falei sobre isso, sobre expectativas e como não se machucar com elas, na semana passada eu também publiquei uma resenha com uma tema muito parecido, Por lúgares Incríveis é um livro delicioso, triste e emocionante. Para descontrair e quebrar um pouco com o tema também tirei algumas fotos para a tag "qual livro?" e um fototexto fofinho.


23/01/2015

Largue tudo, com amor

21/01/2015

Como não se machucar com grandes expectativas

Estamos cansados de ver a quantidade de pessoas que se frustam todos os dias por não terem almejado o que desejou ou por simplesmente ter criado expectativas que não foram alcançadas, muitas vezes isso leva a pessoa para o submundo da infelicidade e depressão. Uma boa solução para não se machucar quando se cria grande expectativas, seria não criar grandes expectativas. Mas quem seríamos se não tivéssemos grandes expectativas? Grandes expectativas e grandes planos movem o mundo, movem o homem e dão reais motivos para viver.



Não existe maneira de não se machucar, o mundo impõe imprevistos e provações todos os dias: criamos expectativas e desistimos de sonhos. Costumo relacionar expectativas em todos os momentos da vida: namoro, casamento, vida profissional, vida pessoal, amigos... Criamos expectativas para tudo, até para os dias. Quando não cumpridas ou não alcançadas, vem uma tristeza ou abre no peito um espaço de insatisfação.

Após aquele conhecido ditado que as pessoas dão sobre não criar expectativas, pois você pode machucar em dobro, vou mostrar que não é bem assim que funciona: 

• Arquitete pequenos (e possíveis) sonhos 
Este tópico não diz que você deve apenas criar pequenos sonhos, até porque não são esses que movem realmente o homem. O que quero dizer é que  você deve criar sonhos e metas que possam ser alcançados em pequena escala, esses devem ser criados dentro dos grandes sonhos. Enquanto o grande sonho está sendo alcançado, você pode criar pequenas metas e objetivos para serem cumpridas rapidamente. Isso é bom por quê? Pequenos sonhos também dão força para continuar a viver, a cada item riscado da lista é mais uma conquista, seja grande ou pequenina. Assim, quando você tem várias expectativas pequenas alcançadas elas já servem para amenizar a dor de uma expectativa grande não alcançada. 

• Saiba que você também corre riscos e elimine-os
É óbvio que tudo pode estar propício ao fracasso e devemos estar preparado para isso. Não quer dizer que todas as coisas que vamos fazer vão dar errado, longe disso. Mas todas as coisas que criamos e bolamos podem dar errado e até mesmo mudarem com o tempo  – por gosto ou por vontade. Como já dito, devemos estar preparado para toda situação e hipótese de não dar certo. Logo quando se cria expectativas ou planos também deve-se listar as possíveis causas que poderão atrapalhar este, desse modo, podemos eliminar um a um. 

• Respire bem fundo e coma um doce 
Fato é que muitas expectativas não serão realizadas, e você já sabe disso. Outro fato é que talvez não chegue de imediato, algumas coisas podem demorar anos, meses e dias e outras podem ser solucionadas e almejadas em questão de segundos. Aprenda a esperar e ter paciência, meter os pés pelas mãos é uma das muitas causas que atrapalham o alcance dos nossos objetivos. Em alguns momentos o mais importante é esperar

• Saia do monotismo* 
Mas esperar pra sempre não adianta, nada cai do céu  e nenhuma expectativa será alcançada da noite pro dia. Então correr atrás depois de esperar é uma boa pedida, mas procure encontrar modos alternativos para alcançar suas metas para que suas expectativas não acabem. Por que buscar alternativas? Imagine, você que já tentou várias e várias vezes de um jeito e até algum momento deu certo, mas a partir de um momento passa a dar errado, afinal, nada é igual. É como um quebra-cabeça, existem diversos formatos e tamanhos, cabe você encontrar a solução de cada problema para  que as expectativa não te machuque. 

• Crie mais expectativas 
Nunca vamos parar de criar expectativas, isso é um fato. Mas quando as expectativas não são alcanças costumamos desistir e desiludir "será que nunca vou conseguir nada nessa vida?". A melhor resposta para essa pergunta e a solução é criar mais e mais expectativas, não importa se algumas não foram alcançadas, o que importa é lutar para alcançar mais e mais. Criando expectativas após perder outras é o melhor remédio, não somente para a autoestima, mas também para o coração e mente.

Espero que eu tenha conseguido ajudar com as minhas poucas dicas, claro que não depende somente das citas acima. Como você costuma lidar com as expectativas não alcançadas?

*palavra criada a partir da palavra monótono, monotismo: estar dento do sistema monótono. 

19/01/2015

Tag: Qual livro?


Há alguns dias encontrei uma tag na blogosfera e resolvi tirar algumas fotos dos livros que se encaixaram para cada uma das perguntas, muitos livros apareceram na hora de escolher, mas credito que fiz uma boa escolha em mostrar estes. Então vamos conferir:

Perguntas 

  1. Qual livro você teria aproveitado melhor se tivesse lido hoje?
  2. Qual livro fez você passar por emoções diferentes?
  3. Qual livro você leu por indicação de outra pessoa e não gostou?
  4. Qual o livro que você não entendeu nada?
  5. Qual livro acabou sem ter um final?
  6. Qual livro foi uma leitura obrigatória? 
  7. Qual livro de série você recomenda? 
• Um livro que sem dúvidas aproveitei muito quando li e sei que se relesse hoje, iria aproveitar muito mais. Com uma história de amor verdadeiro, amizade e impossibilidades. Uma leve simetria  é um livro intenso e delicado, recomendado. 


Vidas Trocadas é um dos meus livros favoritos: me fez chorar e rir ao mesmo tempo, me deu boas doses sentimentais. A autora retrata com uma escrita simples e incrível como a vida de uma garota pode ser uma mentira e como ela pode fazer tudo para descobrir o seu passado.


• Gosto muito de pegar livros por indicações, na maioria das vezes que pego um livro indicado eu gosto. Nesse costume de sempre pedir dicas de livros, minha tia me recomendou ler O Segredo. Para minha infelicidade o livro não era como eu esperava, o livro fala muito de dinheiro (como se só quiséssemos isso) e se torna monótono nas 50 primeiras páginas.


• Raramente acontece de eu me perder em livros, sempre leio e tento entender o que está se passando. Mas em A Corte do Ar foi impossível não se perder tantas vezes na história: além de ser uma história longa, existe grande infinidade de personagens - muitos nomes e lugares. Difícil decorar tudo.


• Atualmente muitos livros acabam sem finais gostosos, um desses finais estranho aconteceu em Enders: um livro que foi corrido e um final mal planejado. Não gostei, porém o primeiro livro da série é adorável. 


• Quando eu estava no ano de prestar o vestibular minha escola fez uma lista de possíveis obras que cairiam na prova, com isso a própria escola, com incentivo de ajudar os alunos, fez provas com o conteúdo dos livros, sendo que as notas alcanças iriam para o boletim no final do bimestre. Cartas Chilenas foi um desses livros obrigatórios, não entendi nadica do livro (e ele poderia entrar na categoria acima) e, claro, não tirei boa nota na prova. 


• Ano passado uma das minhas trilogias prediletas chegou ao fim. Estilhaça-me é uma trilogia deliciosa, que prende o leitor nos seus três livros, sendo que cada um é melhor que o outro. Além de um final cabível e adorável. Amo. 


Não costumo colocar links de blogs, justamente por que quero que qualquer um posa participar da tag. A única regra é: se você fez a tag, deixa o link nos comentários para eu também ver as escolhas de vocês. 

16/01/2015

Resenha: "O Jeito que me olha", de Bella Andre

Bella Andre
Série: Os Sullivans, volume 09
Editora Novo Conceito
270 páginas
Depois de construir uma sólida carreira como detetive particular - especializado em casos de infidelidade -, Rafe Sullivan perdeu a fé nas relações humanas. As únicas histórias de amor verdadeiro que conhece são a dos seus pais e as dos seus primos, que Vivem na Califórnia. Quando Rafe precisa sair de Seattle para descansar e esfriar a cabeça, sua irmã, Mia, sugere uma temporada na cidadezinha onde a família costumava passar as férias de verão. No cenário de sua infância, Rafe reencontra Brooke Jansen, que, de garotinha doce e inocente, transformou-se em uma mulher de beleza incomum. Nenhum dos dois consegue ignorar o clima de sedução, e é Brooke quem toma a iniciativa: ela propõe a Rafe um caso de verão, sem amarras nem cobranças. Rafe luta para convencê-la de que eles devem continuar sendo apenas amigos... embora ele mesmo não esteja 100% convencido disso.

O Jeito Que Me Olha é o nono livro da série Os Sullivans, publicado ano passado pela Novo Conceito. O livro possui o que todos os livros da série possuem: um personagem da família Sullivan, meramente rico, charmosos e a procura de um parceiro. Rafe Sullivan trabalha como detetive particular, no campo de casos de infidelidade - por causa do seu trabalho, perdeu as esperanças sobre o sentimento chamado amor, não acreditando que as pessoas possam amar verdadeiramente ou confiar uma nas outras.
“Se as pessoas choram assim quando terminam casamento ruins, então tenho certeza que nunca vou querer ver como é quando o verdadeiro amor da errado.”
 Quando o jovem decide passar umas férias na antiga casa de praia da família, ele não esperava encontrar uma moça, amiga antiga da família, que trabalha com chocolates, chamada Broke Jasen. Broke da infância para cá mudou bastante, ficou realmente linda, logo Rafe ficou encantado ao ver a beleza da mulher, lembrando dos momentos de quando pequeno. Broke decide se jogar aos braços de Rafe de badeja, mas será que o nosso galã irá querer se envolver?

Os livros de Bella Andre possuem alguma química que permite ler todos em modo muito rápido, por exemplo, em um dia, como este. A leitura de O jeito que me olha é bastante fácil e flexível, mas não é uma leitura enriquecedora ou recomendada, é um livro de ler só por ler, numa tarde ou numa manhã. O que me incomoda no livro é o fato da autora não inovar, sempre com uma história parecida com as anteriores. As cenas mais sensuais continuam - afinal, esse é um dos propósitos da série -, porém nesse volume tivemos ainda mais cenas de sexo, mesmo o livro sendo minúsculo.

Os personagens desse volume são desenvolvidos de uma forma bem ingênua e simplista, percebemos que a autora não quis entrar muito numa história profunda, apenas esquentar nossas partes íntimas. Não temos mais aquela coisa que tivemos com os personagens principais da série, para quem não sabe Rafe é primo da família principal - a autora vai continuar a série envolvendo outros personagens da grande e rica família Sullivan. 

"O Jeito que Me Olha" é um livro breve e raso, sem muitas nuances ou profundidade no histórico dos personagens, não recomendo se você espera uma história cheias de sentimentos ou um vínculo com algum personagem, pode acontecer, claro, mas não aconteceu comigo.

14/01/2015

Resenha de lançamento: "Por Lugares Incríveis", de Jennifer Niven

Jennifer Niven
Editora Seguinte
336 páginas
Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, a garota se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.

Enquanto Violet conta os dias para o fim das aulas, quando poderá ir embora da cidadezinha onde mora, Finch pesquisa diferentes métodos de suicídio e imagina se conseguiria levar algum deles adiante. Em uma dessas tentativas, ele vai parar no alto da torre da escola e, para sua surpresa, encontra Violet, também prestes a pular. Um ajuda o outro a sair dali, e essa dupla improvável se une para fazer um trabalho de geografia: visitar os lugares incríveis do estado onde moram. Nessas andanças, Finch encontra em Violet alguém com quem finalmente pode ser ele mesmo, e a garota para de contar os dias e passa a vivê-los.

Por lugares incríveis é um deliciosamente delicado e intenso, este está sendo lançado hoje pela Editora Seguinte. O livro é o conjunto de duas narrativas trágicas e tristes, uma delas com a busca insensata da melhor forma de morrer e a outra se encontra totalmente despeçada e perdida, ambas histórias trágicas se entrelaçam e dão, finalmente, uma história incrível quando os personagens aprendem um com o outro a real existência. 
"Ainda estou aqui, e sou grato por isso, porque senão perderia este momento. Às vezes é bom estar desperto.
- Então não foi hoje - canto -, porque ela sorriu para mim."
A ansiedade é um dos sintomas que faz o leitor criar mais expectativas, o mesmo aconteceu comigo. De uma maneira própria, Niven procura abordar um tema revelante e até mesmo sofre certos preconceitos em ser falado: a morte.  De um lado, mostra um jovem frustado com a vida e fascinado com a morte, não se contenta com nada - vemos uma vida rigorosamente triste e sofrida; do outro lado vemos a dor de perder alguém, a lástima e a culpa. nos ombros de uma menina levemente mimada. Com esses fardos sendo carregados em braços tão jovens, como os de nossos protagonistas. 


Com a concepção de criar uma história sob a perspectiva de um menino, Jennifer constrói um personagem forte e cheio de si, mas ao mesmo tempo fraco e desistente. Theodore Finch é um garoto fascinado pela morte, ele pensa em todos os dias em como morrer e chega até mesmo formas de como se poder tirar a vida, o modo tráfico e consternado de Finch é sobreposto pelo dissabor e delicadeza de Violet Markey provocados pela perda da sua irmã mais velha. Encontramos um vasto contraste nos personagens de Niven: o menino excluído e taxado como aberração por todos da escola e uma das meninas mais populares da escola, até certo ponto clichê, porém não devemos nos preocupar com a iguaria, pois, posso afirmar, que esta é uma história diferente.

Cheia de ensinamentos e que pode ser lido numa velocidade surpreendente, é um livro que se destaca na estante, não por sua capa azul e bonita, mas por sua singularidade em tirar da tristeza finitos sorrisos. Além disso, o leitor depara-se com diversas  situações diárias: auto-aceitação, bullying, responsabilidade, dor e entre muitos outros fatos que nos acompanham durante todo o crescimento - claro que a autora não conseguiu abordar muitos assuntos, mas assuntos bem importantes que vão desde dentro de casa para a escola, de família à colegas de classe e de um coração para outro. 

"Aprendi que existem coisas boas no mundo, se você procurar por elas. Aprendi que nem todo mundo é uma decepção, incluindo eu mesmo, e que um salto a 383 metros de altura pode parecer mais alto que uma torre do sino se você estivar ao lado da pessoa certa."

A leitura de Por Lugares Incríveis me deixou animado, pois é um livro que busca falar da vida, de amor e amizade através de dois jovens em crescimento. Com sua escrita envolvente e história simples, Jennifer Niven, prende o leitor em seu contexto, nas mágoas, dores, felicidades e sorrisos de seus personagens; a trama não decepciona o leitor, muito pelo contrário, surpreende muito, ainda mais no final brusco e imediato, mas que com certeza, eu não mudaria nem em mil anos. É sem dúvida uma leitura indispensável para fãs do gênero.
"O que percebo agora é que o que importa não é o que a gente leva, mas o que a gente deixa."

11/01/2015

2015: o que eu espero de agora pra frente

Ano novo, vida nova. É o que geralmente diz todas pessoas. Crer que no ano que vem tudo mudará, para melhor, é claro. Eu nunca fui afoito em fazer planejamentos para o ano seguinte, mas no finalzinho de 2013 eu tinha pedido para que meu 2014 me surpreendesse. E sim, fui surpreendido em várias aspectos da minha vida: amadureci, conheci pessoas e descobri mais sobre mim e sobre o que eu realmente quero. 


Claro que tomei a liberdade de sonhar e criar expectativas para esse ano. Fiz uma listinha das coisas que quero para esse ano, vou tentar cumprir muitas das que listei, não vou obrigar a seguir corretamente e sim ficar atento. As coisas listadas abaixo eu decidi que seriam para a vida toda, não somente no ano de 2015. Decidi que esse ano que está começando será o meu ano de mudanças de agora pra frente.

Profissional & estudos 

Há algum tempo, aliás, desde que terminei o ensino médio percebi o verdadeiro valor de estudar. Com isso, desde o início da faculdade tenho me policiado bastante para estudar cada vez mais e tirar notas boas, além de tirar notas boas, claro, absorver o máximo de conhecimento possível. Porém isso não é o bastante para o ano de 2015, além de estudar muito também quero começar a trabalhar, abaixo listei algumas das coisas que desejo para esse ano que começou: 
• Ler mais livros técnicos e praticar sempre o que foi adquirido.
Encontrar um emprego ou estágio na minha área de atuação.
• Iniciar algum trabalho cientifico para a faculdade.
• Investir no estudo de novas técnicas para fotografia.
• Continuar no curso de inglês e iniciar o de francês.
• Investir em estudo de web design e praticar isso.
Conseguir tempo e coragem para voltar a fazer freelances.

Pessoal

Sei que não consigo listar todas as coisas a quais queria abaixo, mas em 2014 eu melhorei bastante o meu ritmo de estudo e não só ele, mas como também consegui organizar meu tempo faculdade/casa/amigos/namorado/blog, porém esse ano, como disse no tópico acima, quero trabalhar - sei que vou me cansar mais, mas não vou desanimar por eu vou: 
• Organizar meu tempo para conseguir ter horas livres.
• Quando tiver horas livres, ser ágio e aproveitar esse tempo.
Fazer invés de comprar.
Saber lidar com imaturidades alheias.
• Estudar mais.
Correr atrás dos objetivos com mais afinco.
Encarar problemas sem medo, como já estou aprendendo a fazer.
• Praticar mais e mais técnicas de fotografia e fotografar.
Viajar com o Brunno para lugares do Brasil (não possível).
• Acampar e conhecer mais Brasília.
• Andar aos finais de semana de patins (após comprá-los).
• Criar coragem para decorar o quarto (afinal, é meu home office!)
• Visitar orfanatos, lares de idoso e doar coisas.
Comer menos besteiras.
Auxilar os horários do cotidiano com uma alimentação saudável e correta.
Fazer mais exercícios físicos.
Dormir mais cedo e acordar mais cedo, isso melhora a disposição.

Compras & gastos 

Umas das características que mais admiro em mim mesmo é saber economizar. Sei diferenciar bastante das coisas que preciso e as coisas que são para luxar, não dessas pessoas que compram para luxar, apesar de gastar um dinheirinho com uma câmera ano passado (mas foi um investimento e tanto, além de uma grande distração, posso fazer postagens blog...). Costumo comprar coisas somente quando necessário e quando me auxiliam no meu cotidiano. 
Comprar um kindle para estudar e ler.
Comprar um novo notebook, se o atual estragar.
• Adquirir um kit de fotografia (lente 50mm, tripé e iluminação)
Cortar possíveis gastos e economizar o máximo que conseguir.
Aproveitar promoções, saldões  e descontos.

Blog

Há muito tempo queria mudar um pouco o foco do blog e torná-lo ainda mais pessoal, mas isso não é fácil, blogar também é um trabalho e o pior de tudo é que não é remunerado. Desejo me empenhar ainda mais no blog e 
Desejo aumentar o público do blog
Criar organização própria para publicar postagens.
Criar um horário por semana para escrever posts e não ultrapassar esse tempo.
Trazer sempre novos conteúdos para o Sete Coisas.
Aprender mais sobre a arte blogar.

E aí, o que acharam da minha lista? Tem algumas coisas parecidas comigo? Me conte o que pretende mudar e fazer nesse 2015! 

08/01/2015

Fiarte - Feira Internacional de Artesanato 2014, parte 1


Mês passado, Dezembro de 2014, tive o prazer de passar alguns minutinhos na Fiarte - Feira Internacional de Artesanato. A Fiarte é um evento que acontece todos os anos no Brasil e foi a primeira vez em Brasília no ano passado.  O evento juntas várias culturas e coisas exóticas para comprar. A Fiarte conta com artesanato da Indonésia, Índia, Turquia, Paquistão, Equador, Palestina, Japão, Senegal, África do Sul, Síria e muitos outros lugares. E hoje vou mostrar mais fotos de apenas uma das lojas: uma loja de móveis, a Triar Móveis, se não me engano.

Juro que tentei postar poucas fotos, mas não consegui: 


Estou apaixonado pela a maioria dos móveis dessa "barraca", uma pena todos serem tão caros e eu ser tão pobre. Umas das coisas mais bonitas que vi nessa barraca foi os criados-mudos dos vários jeitos e as paredes - todas detalhadas com espelhos. 

Oi Bru

E aí? Vocês gostaram das fotos? Já acabou a passagem da Fiarte por esses dias, mas creio que ainda esse ano, 2015, ela volte cheia de coisas interessantes e com culturas diferentes. No próximo post, e último, teremos fotos do Peru, Egito entre outras - a loja do Peru, sem dúvidas é a mais querida de todas. 

Latest Instagrams

© setecoisas.com | Lifestyle, cultura e fotografia,. Design by FCD.