Resenha: "Noah foge de casa", de John Boyne


John Boyne
Editora Cia. das Letras
197 páginas
★★★★
Noah tem oito anos e acha que a maneira mais fácil de lidar com seus problemas é não pensar neles. Quando se vê cara a cara com uma situação muito maior do que ele próprio, o menino simplesmente foge de casa, aventurando-se sozinho pela floresta desconhecida. Logo, Noah chega a uma loja mágica de brinquedos, com um dono bastante peculiar. Ele tem uma história para contar, uma história cheia de aventuras que termina com uma promessa quebrada, uma história que vai levar o fabricante de brinquedos a pensar sobre o seu passado e Noah a pensar sobre aquilo que deixou para trás. Em seu primeiro livro juvenil desde o best-seller O menino do pijama listrado, o escritor irlandês John Boyne cria um mundo que mistura contos de fadas com os problemas mais cotidianos de um garoto comum. Esta fábula leve e inteligente prende os leitores presos até o final com dois grandes mistérios: por que Noah fugiu de casa e quem é o fabricante de brinquedos?

Sem mais venturas, Noah foge de casa é um livro surpreendente; talvez por julgar a sua espessura ou por ser um livro com uma temática um tanto infantil, não percebemos o quando o livro é enriquecedor ou gratificantes antes de terminá-lo. A história, que você pensa ser destinada a uma criança, revela por trás de uma aventura (deliciosa), vários momentos para refletir, ensinando certos valores que vale a pena entender e sentir.

John Boyne gosta de envolver o seu leitor com uma boa história, além de bem desenvolvida propõe um mistério a ser resolvido: Noah foge de casa. Simplesmente um garoto de apenas oito anos de idade resolve fugir de casa, sem mais sem menos, sem brigar com os pais, sem ter problemas, sem ter motivo para sair da sua casa, muito pelo contrário, Noah é um menino de sorte, tem os melhores pais que qualquer criança desejaria ter, tem uma casa e amigos... O que fará Noah sair de casa assim tão abruptamente? Ou melhor, o que Noah encontrará em sua fuga? 
"- Antes que ele morresse? - perguntou o velho - Como é, garoto? Você não consegue dizer essa palavra? É só uma palavra, sabe? Só um grupo de letras reunidas numa ordem qualquer. A palavra não é nada comparada com o que significa."
Ficar encantado com as palavras de Boyne é inevitável, mas são seus poucos personagens que realmente ganham e divertem o leitor, de uma forma sincera e sem floreios, assim como em qualquer outro romance do autor lidamos com personagens cheios de falhas, convicções, medos e coisas que os fazem realmente seres humanos imperfeitos. Através dos olhos da criança Noah observamos tudo de uma forma mais singela e mágica: enfrentar os nossos próprios medos com a imaginação. 
"Mas todos nós envelhecemos - disse o coelho. - Você mesmo está ficando mais velho. É assim a vida. Os meninos viram homens. E os homens viram velhos." 
Esse autor tem a capacidade de em cada um dos seus livros encantar o leitor de uma forma diferente, despertando sensações cada vez diferentes, enquanto em O menino do pijama listrado morremos de chorar, em Noah foge de casa rimos e viajamos em um aventura totalmente mágica e divertida, com um  finalmente espetacular e que realmente surpreende o leitor. E afirmo, sem dúvida alguma, eu vou ler todos os livros do Boyne, nada a reclamar, somente recomendar.  

_DEIXE UM COMENTÁRIO

  1. Iai cara, beleza?

    Do autor li apenas OMDPL e O Pacifista e gostei muito de ambos. Estou louco para ler esse livro. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ReplyDelete