17.9.14

Resenha: "Bom de Briga" de Paul Pope

Autor: Paul Pope
Editora: Quadrinho da Cia
Páginas: 208
Série: Bom de briga, volume 1
Avaliação: ★★★★
Em Bom de Briga, os monstros tomaram Arcopolis, sequestrando as crianças para seu submundo nefasto e instaurando um reinado de terror. Apenas um homem pode salvar a cidade: o vigilante Haggard West, um misto de cientista e super-herói que patrulha as ruas. Após a morte de seu herói, Arcopolis acorda em pânico. A cidade está desesperada, mas os deuses reagem à altura, enviando o garoto Bom de Briga para salvar o dia e derrotar os monstros. O semideus, que tem apenas 12 anos e está tão surpreso quanto a população, precisará se aliar à filha de Haggard West enquanto descobre seus próprios poderes e se prepara para a batalha final.

Criando uma nova perspectiva sobre heróis que estão, ainda, se consolidando, o autor introduz um panteão de heróis e deuses para o público em seu romance. Com seu personagem estritamente jovem, Pope usa uma linguagem que se coloca totalmente para o público que pretende alcançar, para quem está ali entre os 13 e 17 anos, cujo estão na fase de descobrir o mundo (aka eu). O livro também trás lições, onde nem sempre o mais fácil é o correto, sendo ser sábio e não esperto. 



O autor interage com a aventura um delicioso drama e uma arrojada mitologia,  trabalho com diversos personagens. A leitura muitas vezes é engraçada, esse modo cômico distrai o leitor enquanto muitas outras coisas "sérias" estão acontecendo, além de ser muito fácil para manusear e ler. 



Estou ansiosíssimo para a continuação, porque Pope deixa o leitor no meio de uma grande adrenalina, e eu não conseguia acreditar que ele estava fazendo isso. Ainda sempre previsão de lançamento aqui no Brasil, me resta esperar e recomendar para aqueles que gostam de quadrinhos dar uma chance ao novo herói, visto que terá uma aventura por parte desse personagem e também de outro personagem (não posso falar disso). 



Uma das coisas que mais ressalta na obra de Paul é a sua arte, a forma e a composição das cenas. Fazendo um quadrinho meio bagunçando, sem muito trabalho em detalhes e uma bagunça nostálgica que lembra os velho desenhos, remetendo ao publico novo e jovem, as cores usadas também se destacam bastante são bem bonitas e chamam atenção, deixando sempre a merca o uso das cores em momentos mais sensíveis ou mais tensos. Os traços (ainda não posso falar porque não sou acostumo a ler quadrinhos) são bem diferentes do que estou acostumado, é simples, mas ao mesmo tempo dá uma enfase na história de um modo único e agradável. 

Um comentário

  1. Oi Igoor, gosto muito de quadrinhos mas faz tempo que não leio um. Esse é bem diferente dos que já vi por aí, gostei da forma que o autor transmite a história, fiquei curiosa para ler ;)

    ~sdds~ n.n

    http://nerdicesdeumagarota.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

© setecoisas.com.