6.4.14

Resenha: "Resident Evil – A Conspiração Umbrella" de S. D. Perry

Autora: S. D. Perry
Editora: Benvirá
Páginas: 232
Avaliação: ★★★★
Série: Resident Evil, volume 1.

Não há um jogador viciado que nunca ouviu falar de Resident Evil, um dos maiores investimentos da Capcom. A famosa série já estava ocupando em vários setores de entretenimento: filmes, quadrinhos, jogos e por agora romances. A série começou a ser escrita em 1998 pela escritora S. D. Perry; já com todos os livros da série lançado no exterior - no total são seis, sendo dois deles paralelo aos jogos -, a Editora Benvirá ocupará o papel de trazer de vez a série para o Brasil e conquistar ainda mais os fãs do game. 

O terror se inicia quando eventuais ataques canibais começam a acontecer e a população de Raccon diminuir aos pouquinhos; como a polícia de Raccon é fraca demais para o caso, os S.T.A.R.S são enviados para estudar e investigar o que está acontecendo e acabar de vez com os assassinatos. Quando a primeira equipe, os Bravos, sofre um acidente e acabam caindo na floresta, em uma de suas buscas, uma segunda equipe, os Alphas, é enviada para saber o que aconteceu com os outros S.T.A.R.S e também continuar com a investigação, sendo está equipe a mesma que - nossos personagens favoritos - a de Jill Valentine e Chris Redfild. Ao chegarem para patrulhar os Alphas são atacados por cães descarnados e são obrigados a refugiar-se em uma mansão ali perto, a Mansão Spenser. Onde parecia ser o refúgio pode ser o verdadeiro buraco para a morte, eles precisam sair da floresta, eles precisam sair da mansão, eles vão descobrir coisas, coisas que o mundo tem que saber! 

Eu comecei a jogar Resident Evil com o console PS2, a partir da do quarto jogo, Resident Evil 4. Sendo que zerei tantas vezes sozinho, com meus primos, e em vários módulos até sair Resident Evil 5, para meu amor e minha insanidade em jogar, o quinto jogo foi bem fácil e mais compensador que o anterior, joguei mais dezenas de vezes até dizer chega, não me canso nunca de gritar e matar os zumbis (ui, eu sou matador). Enfim, o fato é que eu gosto realmente dos jogos mesmo não sabendo dar um headshot, logo quando a Benvirá resolveu lançar, eu falei: preciso desse livro. Encontrei muitos aspectos e puzzles que me lembram dos jogos: como os enigmas e as chaves que estão perdidas por todo o cenário; isso pode ser um ponto negativo para quem não aprecia ou não está familiarizado com os games; de quebra para quem joga e gosta, vai ser um livro capaz de entreter com finco e descobrir o que realmente tem por trás dos jogos (eu). 
"Ou então é uma realidade de pesado. Plantas assassinas, cobras gigantes, mortos que andam - só está faltando um disco voador, talvez um dinossauro..."
A Conspiração Umbrella trás bastante informação sobre a equipe Alpha e também sobre a indústria farmacêutica Umblella, sobre os S.T.A.R.S em geral - bastante coisa que os jogos não oferecem de forma tão concisa. S. D. Perry incrementa algumas coisas na história para não ficar algo monótono: de apenas ficar procurando chaves e desvendando mistérios, o leitor, dessa forma, obtêm expectativa bem interessante do começo ao fim do livro, além das perspectivas dos personagens. 

O livro é mais recomendado para aqueles que sofreram jogando e lutando com aquelas criaturas do mal; ao leitor, que nunca jogou, também recomendo como uma leitura descompromissada, que pode até tirar o folego e fazê-lo sentir vontade de continuar lendo a série ou até mesmo jogar! 

2 comentários

  1. Terror não é comigo O.O ~sou medrosa~ rs mas acho muito legal livros baseados em jogos :)

    http://nerdicesdeumagarota.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Very descriptive post, I enjoyed that a lot.
    Will there be a part 2?

    Feel free to visit my web page female clothing

    ResponderExcluir

© setecoisas.com.