29/04/2014

Ah como eu queria estar junto com você...

... sussurrando no seu ouvido os demais sonhos com você. Eu queria que tua essência estivesse junto com a minha tornando-se em somente uma. Quero beijar o seu sorriso e abraçar as tuas lágrimas, eu te quero só para mim. Fico imaginando seu corpo sobre o meu, o gosto dos seus lábios, o sabor do teu amor. 


Eu quero me entregar para você e ser só seu, quero me habitar em você e nunca mais te soltar, quero olhar nos seus olhos e acariciar seu rosto. Eu fico te desejando mais que ontem e amanhã vou desejar mais ainda. Já não basta ter ver pela "web" e conversar com você pelo celular. Quero te tocar, te beliscar, te morder. Fazer todas as coisas simples que eu puder. 

Quero tornar tudo o que é virtual em algo palpável e único. A probabilidade de atravessar 1 milha para te ver é pouca, mas o sentimento que bate aqui dentro é muito. 

Carta escrita em 19 de novembro de 2009. Um amor platônico. 

27/04/2014

Resenha: Uma prova de Amor

Autora: Emily Giffin
Editora: Novo Conceito
Páginas: 432
Avaliação:  ★★★★★

"A princípio, foi uma mudança sutil, como costumam ser as mudanças nos relacionam "
Prepara-se para um livro incrível, uma leitura para mulheres com certeza, mas principalmente se elas forem mãe. Mas não é um livro para quem já tem prole, indico para quem também quer ser mãe um dia. Até mesmo para homens é uma leitura agradável e deliciosa.

Claúdia Parr não é uma mulher congênere, ela nunca quis ter filhos - o que é bem contrário a realidade, pois muitas mulheres querem ter filhos. Não ter esse desejo por carregar uma barriga durante nove meses e "doar" o resto da sua vida, levou Claúdia a vários namoros fracassados, até que ela encontra uma pessoa que pensa a mesma coisa que ela. Ben no primeiro encontro já compartilhou o mesmo pensamento que tinha por crianças, não deu outra. Logo os dois se virão juntos e encontraram bastante coisas que eles tinham em comum.

O casal de amigos - muito importante para C&B - resolvem ter filhos, porque essa é a intenção "Primeiro vem o amor, depois vem o casamento e depois… os filhos?". Ben fica extasiado quando acompanha o crescimento da barriga do casal, Claúdia se sente traída por sua amiga. De pouco em pouco Ben vai mudando o conceito e cultivando a ideia de ter um bebê. Uma coisa é bem clara desde o início do livro: Claúdia nunca vai ter bebê, ela não quer, essa decisão tomada desde jovem faz Ben escolher entre ela e o bebê, a proposta foi dada pela própria Claúdia: fazer o marido escolher entre ela ou a criança. 

Pensei que não poderia gostar de um romance da autora como Laços Inseparáveis, mas Uma prova de amor é muito mais gostoso de se ler. Com seus personagens escritos de dentro para fora, de forma tão incompleta e imperfeita, que isso os tornam tão... humanos. E bom, algumas pessoas podem não gostar do livro por achar um personagem chato demais ou manipulador demais, porém é isso que vemos no dia a dia.



"Uma prova de amor" é um livro excelente e que nos preenche de uma forma incrível, nos deixa feliz e também muito triste. Emily Giffin sabe domar o leitor, fazendo com que 430 páginas passe feito um relâmpago, que você nem perceba que as páginas passaram voando - mais um livro enorme que leio em menos de dois dias.

Além de seus personagens, a trama foi bem desenvolvida. Giffin trabalha com família, envolvendo sempre questões simples e que encontramos bastante por aí. Uma leitura recomenda para todas as amantes de um romance (fofinho) e também de questões que só podem ser resolvidas pelo coração

25/04/2014

Resenha de lançamento: Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo

Autor: Benjamin Alire Sáenz
Editora: Seguinte
Páginas: 392 (versão de leitura prova, sujeito a alteração de páginas)
Avaliação: ★★★★★ 
"Apenas dirigi. Poderia ter dirigido para sempre. Não sei como consegui encontrar meu lugar no deserto, mas encontrei. Era como se eu tivesse uma bússola em algum lugar dentro de mim. Um dos segredos do Universo era que, às vezes, nossos instintos eram mais fortes que o nosso raciocínio."
De uma coisa é certa: quando você ver uma resenha com o marcador "recomendo" e na avaliação um coraçãozinho, já saiba que esse livro você deve ler, porque 1. eu simplesmente amei, 2. é bem possível que eu tenha chorado 3. você DEVE ler. 

Sim eu amei o livro, sim eu chorei - não foi qualquer choro, foi um choro feliz, choro boboca, choro que você sorri e chora ao mesmo tempo (vai entender). Se não fosse a escrita excepcional de Benjamin Alire Sáenz e seus personagens magníficos, se não fosse pelo intrínseco momento ou sentimento que esse livro ofereceu, eu não estaria aqui, sem saber o que falar - o que é bastante contraditório, pois acho que quando a gente gosta de algo é mais fácil para falar.

"Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo", que me conquistou desde a capa à última letra, conta a história de um garoto, Aristóteles, que se junta com outro garoto, Dante, para curtir o verão. Mas antes de tudo isso: Ari, como gosta de ser chamado, tem os seus próprios problemas, além de não saber nadar, está sempre em conflito com seu próprio eu, talvez por esse motivo não tenha amigos e não gosta de ser questionado pelos pais; Ari é assombrado pelas memórias de seu irmão mais velho, que é ignorado por todos em sua casa, após à viagem a guerra de seu pai, o relacionamento entre Ari e o velho nunca mais foi o mesmo. Não bastam os conflitos internos do menino. Para com tudo, existe sempre algo bom para balancear o ruim ou o errado. Dante, é um menino completo - enfatiza no completo. Sabe nadar, se conhece e sabe o que quer. Dante tem tudo, tem amor, tem uma família que o ama e o acolhe. Dante, talvez seja o inverso de Ari. Talvez não. Talvez. Talvez.
"Sentei na cama e passei o dedo nas cicatrizes da minha perna. Cicatrizes. Sinal de que você se machucou. Sinal de que você sarou."
Lidamos com tantas assuntos nesse livro: amor, amizade, confiança, crescimento, auto-conhecimento. A compreensão dos segredos do Universo, nessa busca, entramos para uma história de segredos, de cumplicidade e descobertas. Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo é livro que impacta bastante na atualidade apesar de ser abordado na época de 1988, com o tema-foco: amores entre o mesmo sexo, descobrir que esse era o assunto do livro, foi algo de extrema surpresa para mim (por mais que estivesse louco para ler o livro eu não sabia do que se tratava - não ler sinopses ou reviews, dá nisso) e, será uma surpresa/interpretação diferente para todo mundo que ler: para que aceita ou não aceita o homossexualismo.



Esse é um livro lindo (acho que já deixei bem claro), o motivo para toda essa lindísse é me encontrar nas páginas, é poder sentir de algum modo como eu me sinto ou como eu sou. Com isso percebo que o livro entra para a ala de favoritos: porque ele faz eu refletir sobre o meu próprio eu, sobre o mundo, sobre o mundo ou sobre como o universo é tão misterioso. Não consigo acreditar que Dante e Aristóteles não existem, sabe, eles são tão reais e volúveis, dá para sentir suas palavras ou seus pensamentos. Meu Deus, tire esses personagens dos livros e ponha-os na vida real. 


Benjamin Alire Sáenz é um poeta, é um escritor fantástico. Já me apaixonei por sua escrita, por sua trama logo de cara. Benjamin fala de amor, fala da vida, fala do universo, fala de tantas coisas. Fala de como a gente encontra a gente. Em "Aristóteles e Dante descobrem os segredos do Universo" são escritos muito mais que palavras ou muito mais que cenas, são atitudes ou são sentimentos? Chega a ser algo tocável, delicioso, divertido e por fim feliz. Recheado de um sabor diferente, de um romance adulto, engraçado, mas filosófico e inteligente, afinal, estamos falando de Aristóteles e Dante. 



Não basta um enredo e personagens incríveis, os diálogos fortes e a fluidez rápida, só favorecem e favoritam ainda mais o lançamento da Editora Seguinte.  A aposta do mês de Abril veio para contemplar essa época de transição, a época do de um mundo moderno - em que deve ser normal gostar de alguém do mesmo sexo, assim como gostar do sexo oposto -, mostrando o quão simples é. 
"Fiquei pensando que poemas são como pessoas. Algumas pessoas você entende de primeira. Outras você simplesmente não entende... e nunca entenderá."
Aristóteles e Dante são personagens incríveis, suas personalidades tão únicas e ao mesmo tempo tão iguais a de todo mundo os tornam reais, imperfeitos (e meus?). A história, contada pelos olhos de Ari, não deixa de lado o universo de Dante e sua magnitude; e também em nenhum momento se torna cansativa ou massante, muito pelo contrário, é um livro que você lê e não consegue mais parar de ler até terminar (e eu reli os últimos cinco capítulos só para chorar novamente). 

Preciso escrever um paragrafo explicando por quê recomendar o livro? Não né? Foi isso que pensei. 

"O verão não era feito para garotos como eu. Garotos como eu pertenciam à chuva."

obs1: isso é uma resenha? Eu só falei que amei o livro não é? E ainda assim acho que não sei o que ele realmente significa para mim.
obs2: livro-prova, algumas coisinhas podem mudar, mas a diagramação e capas estão de arrasar.  

23/04/2014

Resenha: "Extraordinário", de R. J. Palacio

Autora: R. J. Palacio
Editora: Intrínseca
Páginas: 320
Avaliação: ★★★★★

O extraordinário livro “Extraordinário” conquista o leitor logo de cara – pelo menos foi assim que aconteceu comigo, cara o menino é super fã de SW e além de ser carismático. Mas é a sua história que emociona e me deixa tão feliz por ter terminado a leitura. 

Algust Pullman é um garoto que sempre estudo em casa e foi alfabetizado pela mãe, mas quando essa já não dá mais conta de ensinar o garoto – cá entre nós, ela não é tão boa em matemática – decide matriculá-lo em uma escola. Os pais de Algust são super protetores, tomar essa decisão em deixar o filho ir para escola é a mesma coisa de levar um cordeiro para o abate, mas mesmo assim eles permitem que o garoto faça a escolha. E não estou dando spoiler, mas Algust que ser um garoto normal, ir para escola como todos fazem e sim, ele aceita ir para escola. 

Somos apresentados a várias perspectivas: dos amigos de Algust, da irmã, do cunhado. Uma margem eficaz, dando um efeito de realidade, de que algo dentro da história é real. E lá mesmo junto com a história de Algust Pullman encontramos muitos outros conflitos, alguns fora de conceito, mas a maioria relacionada a deformação de Algust – um garoto que deve o azar de ser um de quatro milhões em ter a deficiência (que nem ele e nem eu sabe pronunciar).

Extraordinário, para mim, seria um livro muito triste. Mas não, é um livro que extrai de cada olhar incrédulo um sorriso ou de cada sofrimento uma felicidade. É um livro feliz por si só; por seus personagens, que com suas imperfeições se tornam perfeitos, essenciais e o melhor de tudo, únicos. São crianças – como a gente – que julgam sem conhecer e podem perder um grande amigo ou um amor por puro desleixo em considerar o aspecto “beleza” – afinal o que é belo nesse mundo? 


Algust é um menino lindo, a imperfeição do seu rosto não é nada comparada a sua essência e ao seu ser. Esse fã de Star Wars ensina muito mais do que a aparência pode demonstrar. Ensina a viver – não importa se você é feio ou bonito. Você está aqui para fazer a diferença, para você ser sua própria diferença, mesmo que o universo trabalhe e faça forças para ir contra você. 

O exemplar de R. J Palácio foi o primeiro livro que escolhi ler em 2014 – desculpe estar postando só agora – e me sinto mais que feliz por ter apostado que esse livro me ensinaria algo: ver o mundo com outros olhos, ver tudo de um jeito diferente e não ligar para o fisionomia antes de conhecer. 

Acho que é clichê recomendar, porque eu só falei bem do livro, então fica mais uma dica de um livro com uma história triste que vai te deixar feliz e completo – seja por alguns instantes (para mim, um conselho para toda vida).

“A grandeza não está em ser forte, mas no uso correto da força... Grande é aquele cuja força conquista mais corações... Grande é aquele cuja força conquista mais corações pela atração do próprio coração.”


21/04/2014

18 anos de vida, dois anos de Sete Coisas

Então eu atingi a maioridade? Simples assim? Não tem evolução? Pensei que me tornaria um megazorde ou ficasse totalmente independente, mas a verdade é que nada mudou. Eu continuo sendo o mesmo menino dos meus 17 anos e acho que devo continuar sendo esse mesmo menino daqui uns três anos. Bem, eu acho que algumas coisas mudaram, sim. Muitas coisas mudaram durante meus 17 anos vividos, eu não sei falar sobre essas mudanças, eu me adaptei a elas, eu aprendi com elas, eu me aperfeiçoei com elas. Existe mudanças enormes como ser adotado, mas existem pequenas mudanças do dia a dia (as melhores) - mudanças singelas e simples.  

Hoje é dia de festa (?), hoje é dia de quê? De ficar velho? De ganhar um ano ou de perder um ano? Hoje é dia do meu aniversário e talvez de mais mil pessoas, hoje é um dia bem legal, juro. Mesmo se eu ficar em casa, mesmo que não tenha festa, eu sei: ano que vem faço dezenove e tem festa surpresa. Brincadeira, bom, eu gostaria que todos os meus amigos lessem aqui, que todas as pessoas que nem lembro mais o nome lessem essa postagem, porque eu sou eternamente grato por todo mundo que fez/faz/fará parte da minha vida, porque vocês constroem os meus momentos, porque vocês são o meu presente. 

E uma dessas mudanças foi o Sete Coisas: 

Que vontade de chorar. Simplesmente por hoje fazer dois anos que criei o Sete Coisas. Por hoje (dia 12) fazer dois anos que conheci pessoas tão legais, por entrar no mundo literário, por receber comentários maravilhosos e ler/ouvir experiências magnificas. 

Blogar não é simplesmente escrever uma postagem qualquer e jogar em qualquer blog, é  algo que você tem que gostar, que você tem que amar e fazer diariamente. Blogar não é tão simples, exige tempo, exige vontade, exige um monte de coisas que vocês acham que não fazem sentindo, como um pote de sorvete ou uma música bem linda. Eu digo: eu amo me sacrificar e postar no Sete Coisas, porque o retorno que trás para mim é muito grande, é gostoso, é sensual e me faz sentir importante. O Sete Coisas é sim, um dois lugares não-físicos que passo o maior tempo da minha vida (desde os últimos dois anos), é um lugar que me trouxe muitos frutos e muitos amigos, sou grato por isso, muito grato. 

Eu tinha 16 anos quando criei o Sete Coisas, que se chamava O Universo em um Clique, eu nem sabia escrever (escrevia tudo errado, pode até ver nos meus primeiros posts), e basicamente após a criação do blogue aprendi tanta coisa, aprecio o mundo com outros olhos e muitas outras coisas. Obrigado à vocês que fazem do Sete Cosias O Sete Coisas, e obrigado ao Sete Coisas que me faz feliz. 

Obrigado pessoal, por tornar o meu show realidade. 

19/04/2014

Sete livros passados nos meus lugares favoritos

Eis que escolho sete livros dos meus lugares favoritos, apesar de não ter ido a lugar nenhum. E isso é engraçado, a capacidade que os livros oferecem: nos fazer amar coisas, lugares, pessoas que nem conhecemos ou que talvez nunca vamos conhecer. 


 Londres é um dos lugares que mais quero visitar e não me importo com os ataques terroristas. Conheci através de Bob, um lugar mais fechado e mais no "interior" de Londres, lugares onde os turistas não estão tão acostumados a ir. Mas também captei outros pontos de vistas com esse livro, quer saber quais? Leia a resenha.


Ainda em Londres em 1720, XVII: moças comportadas, vestidos longos, reis, princesas, bruxas, caçadores, fogueiras. A Linhagem veio trazendo uma época muito legal de Londres, ainda quando tinha a caça as bruxas, com um romance gostoso e do jeitinho nacional. 


Charlotte Street é um dos livros que menos gostei e que se passa em um dos lugares que mais quero visitar. É óbvio - pela capa - que eu quero ir para Londres (Inglaterra em geral) e conhecer esse monumentos maravilhosos e as enormes bibliotecas! Quanto ao livro, bom conheci vários lugares comerciais na Charlotte - mas não lembro mais de nenhum. É um livro cansativo, por isso não lembro. 


Só comecei a criar um amor por Chicago com Divergente e Insurgente. Além de conhecer Chicago e viajar de trem, quero principalmente ir na Roda de Ferris (roda-gigante). Mas outras coisas me chama atenção também como os edifícios ou o foz do Rio de Chicago. Insurgente é uma distopia muito boa, não perca tempo e leia. 


Conheço muito pouco sobre Veneza. Mas "A Cidade dos Segredos" me trouxe um amor pela cidade pelo simples fato de todos ali terem um segredo, e ainda por cima uma segredo histórico. É como se todos tivesse enraizados ali. O livro é ótimo, contém um drama bem legal e tem uma capa lindíssima.  


Foi com "O Soprador de Vidro" que conheci Veneza, com o mesmo tema de segredos, porém com um pé na arte e na amor. Considerada uma cidade mega romântica. Não vou negar que quero conhecer. Além de ser um livro muito muito bom. Venha conhecer através de "O Soprador de Vidro" uma história fantástica, mas também um dos lugares mais bonitos que já ouvi falar. 


Não tem como eu não colocar Belo Horizonte na postagem. Bom, eu quero conhecer vários lugares do país brasileiro e um dele é BH. A cidade é linda e cheia de prédios e lugares históricos. Em ''Simplesmente Ana'', Belo Horizonte é a cidade que em mora a princesa Ana. As descrições do lugar são poucas, mas são bem palpáveis, como o bairro que ela mora e as pessoas que ela conhece. 

O que vocês acharam das minhas escolhas? Quais os lugares que vocês querem conhecer? Convido vocês a fazerem essa "tag" que eu mesmo inventei, se sintam a vontade. Se fazerem, deixem o link para eu ler.  

17/04/2014

olá pôr do sol.

Se existe algo que gosto de fotografar é o sol. Uma grande "massa" de luz. Mas não existe algo melhor do que tirar fotos da natureza, das árvores, e do maravilho céu. Ah, como é bom...


Não sou um expert em tirar fotos - até porque não tenho câmera fotográfica, tirando fotos do celular -, mas no final eu gosto do resultado. 


O que vocês acharam? 

16/04/2014

Tag: Conhecendo o blogueiro

Foi no dia 21 de abril, feriado nacional desde a morte de Tiradentes, mas somente dois séculos depois, em 1996 vim nascer no dia da morte de uma pessoa importante. Nesse mesmo dia meu pai e a minha mãe decidiram o meu nome: Igor Thiago sem H, meu nome é sem H, mas eu uso H (pois me lembro de hambúrguer). Após esse marco importantíssimo na história, meu nascimento, muitas coisas boas aconteceram: minha mãe arrancando os cabelos por eu ser um pouquinho atentado, eu queimando a perna aos 3 anos de idade, três tevelizonzadas* na cabeça, brigas com o irmão mais novo, coisa típica de uma fase aborrecente.

*televizonzadas: 1. ato de bater com a cabeça na televisão; 2. sequência gravitacional por estar embaixo de uma televisão e ela cair diretamente no crânio; 3. por favor, não aplique frontalmente televisões na sua cara.

O fato é que mesmo aos quase 18 anos, permaneço como uma criançona e sou alvo de bastante idiotice. Gosto de ficar só, gosto de bandas desconhecidas e prefiro covers invés dos próprios cantores. Amo ler, nem sempre gostei de ler livros, aos meus 11 anos de idade fui apresentado a este universo, mas somente aos 14 passei a ser um leitor assíduo. Apesar de gostar de filmes e séries, quase nunca assisto. Fã de pipoca, bacon e macarrão, não sou literalmente gordo, mas tenho pensamento e fome de um.

Você pode (mas não precisa) saber coisas aleatórias de mim (mais coisas aleatórias): moro em Brasília e não gosto de morar aqui, gosto de interiorrr, de pouca gente e de simplicidade. Tenho sonho de escrever um livro (já tenho três histórias na minha cabeça, só falta criar coragem e colocá-las no papel). Eu vivo a base do desconhecido e sempre procurando algum lugar para me encaixar; e eu sempre estou mudando, sabe, mudando o meu jeito de ser (sou uma metamorfose ambulante?). Mas mas mas o que eu mais quero é levar um sorriso para os que estão próximo de mim, assim como quero que eles arranquem sorrisos de mim.

Eu já disse que gosto de tirar fotos? Que eu gosto de coisas estranhas? E que eu tenho cheiro nostálgico? Quer me conhecer mais? Não perca nunca mais na sua vida uma postagem daqui!!!!!

15/04/2014

Dias em fotos?

Oi oi. Então, decidi começar um projeto agora no Sete Coisas, para quem me acompanha no Instagram sabe o quanto eu adoro tirar fotos (apesar de não saber tirar fotos). Resolvi postar fotos do mês passado e a partir de hoje postar fotos que eu tirei durante o mês. As fotos são tiradas através do meu celular e por isso não tem uma boa qualidade, prometo que vou guardar dinheiro e comprar uma câmera decente para tirar fotos e registrar esses momentos. Mas por enquanto é isso! 

quer mais fotos? Não deixe de seguir-me!  

http://instagram.com/igormedeiroz

E aí vocês gostaram? Devo continuar nesse "sonho" de ser fotógrafo? (é só um hobbie gente) 


2012 - 2018 © Sete Coisas.