Resenha: Veneno

Autora: Sarah Pinborough
Editora: Única, 2013
Páginas: 224
Avaliação:  ★★★★
Série: Encantadas, volume 1.

Veneno é o primeiro livro da trilogia Encantadas, abordando os contos infantis de uma forma não recomendada para crianças. Sempre familiarizado com as histórias fofinhas da Disney onde as princesas cantam, falam com animais e até mesmo arrumam a casa. 

Branca de Neve é uma personagem parecida com a que estamos situados: angelical, bondosa, linda, amada por todos, mas também tem um lado rebelde, sarcástico, valente e que adora usar roupas masculinas, montar cavalos feito homem - coisas típicas de qualquer princesa, sabe né? 

Existe uma vasta gama de livros situados, inspirados ou distorcidos dos contos de fadas. As aversões de Branca de Neve são das mais variadas e também da Rainha de beleza etérea que fica sempre desfavorecida por sua maldita (digo isso nas palavras da Lilith, a Rainha do Gelo) afilhada. Em Veneno, a madrasta de Branca de Neve ganha um papel fundamental no livro, sua história tomará grande cunho durante todo o livro. "Será que ela é má porque quer?" Você chega até a ter pena da Madrasta, mas como já está padronizado no cerne de toda criança que a Madrasta Lilith é má, não tem como mudar o conceito por mais que Pinborough encontre formas eficazes e até mesmo críveis para acreditarmos.
"Todos a amam, não é? E é tão fácil ver o porquê. É boa, bela e, além disso, livre e selvagem. Ela terá vários príncipes por quem se apaixonar. Sim, sem dúvida é a mais bela na terra. Não é? Ela não é bonita?"
Sarah está buscando envolver o mundo de todas as princesas, não só delas, mas de vários contos. Logo vemos os sapatinhos de cristal ganharem rumo na história; o príncipe tão esperado pelos sete anões e pela indefesa e astuta Branca de Neve, que está em seu leito de vidro, se mostra um verdeiro brutamontes e mostra que nem todo garanhão montado num cavalo possa ser chamado de príncipe. 

Não tem como falar de todo o projeto gráfico que envolve este romance, a Única, trabalho especialmente em deixar tudo mais mágico, dando um toque ainda mais delicioso e rústico (?) ao livro. O romance termina com um gostinho de quero mais, a autora se programou para deixar um final sem solução, sem um feliz para sempre (sim, sempre queremos um final feliz). Somando a mais dois livros a história de Branca deve continuar juntamente com a de Bela e Cinderela. A autora busca inserir pequenos contos dentro  da história, como a de Aladim - aquele da lâmpada, princesa Jasmine...  -, um jovem rebelde e ganancioso. A bruxo caquética de João e Maria também se entrega ao enredo de forma rápida e com importância. 

Repense seus vilões...

Post a Comment