Resenha: Solitária

Autor: Alexander Gordon Smith
Editora: Benvirá
Páginas: 264 páginas
Avaliação: ★★★★★
Série: Fuga de Furnace, volume 2.

Quando acabei de ler Encarcerados fiquei intrigado com o que poderia acontecer com o personagem, parecia que tudo tinha dado certo no fim do livro, mas Solitária, o segundo livro dá série Fuga de Furnace, continua a história exatamente onde tinha parado e logo vemos que a fuga do jovem Alex e seus amigos não passaram de um desejo infantil e ignorado. Fuga de Furnace é uma série que contém uma escrita muito flexível e deliciosa. Smith sabe conduzir o leitor para um buraco que ele não consegue sair e nem deseja. 

Após sirenes, mortes, sangue e seres modificados. Alex, Toby, Zê e Gary tentam fugir das entranhas de Furnace. Por mais que seja impossível, acreditei que os jovens teriam uma liberdade, que denunciariam o que acontece dentro da Penitência — nome que é só fachada, porque aquilo está 1000x pior do que os campos de Hitler. Mas não adianta você fazer planos para que os personagens vivam felizes para sempre. Alexander Gordon Smith não tem dó e muito menos piedade do seu protagonista. Se o autor perceber que dá para extrair mais uma gota de terror do leitor e de seus personagens ele não hesitará em fazer. 
"É como se uma água escura tão fria quanto o gelo se infiltrasse em seu corpo. Onde antes costumavam estar seu sangue e sua essência, extraindo todos os outros sentimentos de você, enquanto o consome dos pés à cabeça. Você fica oco por dentro.”
Adentramos ainda mais na 'Hospedaria' Furnace, mas o que fica evidente é a cabeça de Alex. Todos os seus pensamentos, sua loucura e sua falta de opção em como sair de lá, deixa expectativas de que a única forma para se libertar de dentro do inferno é se matando — a Furnace sempre está preparada, você não morre se eles não desejarem que você morra, você sofrerá até deixar de ser você. 

Em Encarcerados já dava para sentir o sofrimento, mas em Solitária a dor e o medo são tão palpáveis quanto os mistérios que continuam aparecendo dentro da Furnace. A esperança, a luta, a frustração é o que motiva o leitor a continuar com a leitura e faz ele desejar pelos próximos livros. Alexander também contribui pelo feito do  livro, com sua escrita super envolvente e rude. Que sabe intercalar as dosagens de medo, pânico e deposita gotas de salvação no meios das páginas. 

O que tinha no primeiro volume da série, terá duas vezes mais no segundo. O aspecto introdutório é largado um pouco de lado, para dar enfase na porrada, ação, planos e sacrifícios.  É uma leitura rápida, instigante e que não pode deixar de ser recomendada para aqueles que amam um cenário distópico e que não tem dó de um garoto como Alex. 
"Morreríamos ali, da maneira mais lenta e angustiante possível. Isso não poderia acontecer; o mundo lá fora precisava saber… Só que eu nem sequer fazia ideia de que o mundo lá fora continuava a existir. Para ser honesto, já não tinha certeza se algum dia existira. Havia apenas Furnace. Ela era nosso mundo, nosso túmulo, nosso inferno." Página 56
 ...leia a resenha dos outros volumes: 

➌ ➍ ➎

  1. Oie :)

    Essa série está me chamando muito a atenção ultimamente. Darei uma chance!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Dê uma chance, você não irá se arrepender.

      Delete
  2. HELLLOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!
    Olha, eu me senti como se eu já tivesse lido esse livro inteiro só pela resenha que você escreveu, muito bem escrita, uau!
    Eu amo livros de ação, é muito empolgante, e sua resenha me despertou muito a curiosidade nesse livro, MAS como a minha mãe é muito legal e não me dá mais livros, vai ser difícil eu conseguir lê-lo :(

    Beijão da Lari <3333
    http://pseudobailarina.blogspot.com

    ReplyDelete