Resenha: Mago Aprendiz

Autor: Raymond E. Feist
Editora: Saída de Emergência 
Páginas: 432
Avaliação: ★★★★★
Série: Saga do mago, volume 01

A Saída de Emergência estreia no Brasil, com uma magnífica história, Mago Aprendiz, preenchendo de vez o espaço vazio de literatura fantástica. Um clássico escrito há mais de trinta anos, publicado em 1982 apunhado pelo título Magician, faz referência a um romance jovem, sagaz e aventureiro. 

O primeiro livro de A saga do mago nos seus primeiros capítulos não importa se traz uma tempestade de nomes e lugares. A teoria proposital do autor deixa o leitor atordoado somente no começo do livro, caso esse tenha prestado atenção. Midkemia é um mundo, não muito diferente dos quais estamos acostumados - seja através das leituras de livros da mesma ala como, O senhor dos anéis e Game of Thrones ou de filmes-fantasia. A vida em Midkemia se resume em servir o Rei, tendo os camponeses a vida árdua de sempre, os nobres estão a colapso de se engalfinharem para adquirir monetários políticos e magos estão nas torres monstruosas da ala norte ou sul do castelo. Elfos se encontram as escondidas no interior das florestas do norte, anões extraindo metais preciosos das minas. Os habitantes do mundo raymondiano vivem numa constante "paz" até a chegada de uma nova espécie, os tsuranis.



Logo de cara caímos em um mundo totalmente desconhecido, mas que parece ser muito familiar. A história passa a ser contada por alguém que não está na espreita do enredo, a voz da terceira pessoa não deixa nenhum detalhe do lado de fora. Por essa narração deliciosa conhecemos Pug, um órfão magricela que sonha em ser um dos guerreiros destemidos do Rei. Mas o destino muda a vida do garoto, e quando este percebe, já é um aprendiz de feiticeiro. Pug é um menino que morre de encantos pela princesa e fará de tudo para conquistá-la mesmo pondo-se em risco, quando consegue conquistar a princesa e um lugar na corte um estranho naufrágio põe o seu mundo de cabeça para baixo. Pug acaba sendo pego de surpresa junto com seu amigo e todo o reino quando misteriosos inimigos passam a invadí-los através de portais dimensionais.


Embarque no mundo de Raymond E. Feist, sua trama é atroz, rica em detalhes; é construída de lugares espetacularmente destacáveis e exóticos - Crydee, Coração Verde, Krondor, Ilha do Feiticeiro. A complexidade e engenhosidade, me deixa boquiaberto e estabanado, é incrível a capacidade que o autor tem de aglomerar tantos lugares e nomes; pegar pontas, soltar e traçar uma linha de pensamento e uma história tão boa quanto a de Pug e seus amigos. Midkmeia desperta interesse no leitor, seja por se sentir necessitado em conhecer mais esse reino ou pelas novidades e surpresas que a obra oferece. 
"Eram uma fantasia de garoto estilhaçada na dura rocha da realidade" Página 272
Mas acho que todo esse alvoroço e créditos de uma obra tão grandiosa quanto Mago Aprendiz se deve aos seus personagens. Pois são eles com o seu jeito humano, cheios de falhas e qualidades, que fazem a história se tornar palpável: demonstrando suas emoções diante dos problemas ou de triunfos. Se não for a dupla de irmãos, Pug e Tomas, a te conquistarem, serão os problemas pessoais da Princesa Carline ou o espiríto aventureiro de Lyam, Arutha, Martin e Kulgan. Cada um desses protagonistas produz seu jeito e sua personalidade sob a leitura. (personagens citados neste parágrafo são os que mais gosto, faltou somente o dragonete Fantus).

O trabalho que a Saída de Emergência teve para lançar Mago Aprendiz, agora em setembro de 2013, me deixa extasiado e feliz. A capa que está perfeita, vem acompanhada de folhas amarelas com uma diagramação também bastante intrigante e simples:

  

Além da sua construção detalhista e seus personagens bombásticos, as obras de Feist são muito amplas e representam a liberdade fantástica hodiernamente - o que permite essa obra não envelhecer nunca. Por trás de todo o engajamento e a criatividade o autor promove reflexão sobre tudo o que vem acompanhado da idade: o verdadeiro valor da amizade, os conflitos pessoais... É uma obra espetacular e que merece ser lida por todos os amantes desse ramo literário, que só tenho a dizer: é fantástica.

  1. Olá!!

    Essa resenha me deixou com muita vontade de ler. E a revista Bang! só aumenta essa vontade.

    Parece que finalmente teremos uma editora para trabalhar com a literatura fantástico do jeito que deve ser. Fantástico!

    J.R.R.Tolkien quando criou a Terra Média, provou que muitos outros escritores poderiam fazer o mesmo. Criar suas terras e os personagens que lá habitam.

    Até mais

    ReplyDelete