9.11.13

Náuseas


Acordo cedo, todos na rua que passo ainda estão com luzes desligadas. A névoa deixa todos adormecidos, enroscados em seus cobertores-problemas. Os monstros ameaçam as mentes juvenis, mas as mentes superfalhas adulterianas não ficam longe do medo, da ambição e da ganância. Sinto náuseas da sociedade que julga, que julga sem conhecer, sem saber. Sinto dores quando vejo alguém que odeia a vida, que só fala em problemas ou doenças. Me adoece ver pessoas deixarem de sorrir para chorar, ou sorrirem só por comprar, comprar e comprar. A cada dia a felicidade está sendo injetada por bens materiais, por amores de uma noite só e por ah, nada melhor não é? Dinheiro. 

Os valores ancestrais estão perdidos, estão desgastados. Estão na pele da população idosa e, isso é uma pena: saber que não tem mais solução para algo que já está totalmente perdido. Como diz Karl Marx: É o fetichismo de produtos e reificação de pessoas. Estamos usando pessoas e amando as coisas. Sempre implorando por algum lançamento, por um iphone dá hora, por algo mais avançado, por um tênis que o preço não cabe no bolso. Você parece que quer comprar não é para você, mas para mostrar que tem aquilo. Isso parece te fazer melhor do que as outras pessoas. Muitas vezes não compra porque necessita, mas sim, para aumentar esse seu ego e esse seu desejo de ter tudo. 

Hodiernamente meus dedos estão feridos, meus olhos estrábicos estão ficando cegos. Meus ouvidos estão cada vez mais surdos e minha voz a cada dia fica mais silenciosa. Meus sentidos estão se atrofiando. As redes sociais foram feitas para "socializar", elas vão te socializar com você dentro de casa, dentro do quarto, escondido.

Estou congelado no tempo, me construo tecnologicamente erroneamente incompleto. Sinto medo do que estamos sujeito para um futuro próximo. Minhas mãos estão cansadas, minhas mãos estão cansadas... assim como aquela música Vou deixar que você se vá, amizade, carinho e amor. Mas na música eles dizem: "Não há mais por que lutar." Todos os dias acordo querendo algo melhor para mim, tento me aproximar do calor de um abraço ou sorrisos desvirtuais. 

Estou com dor de cabeça, mas um analgésico qualquer não vai resolver. 

4 comentários

  1. lol Lindo texto :)

    Acredito que o que você disse é nossa infeliz realidade. As pessoas estão trocando os valores morais por coisas matérias.
    Trocam sorrisos verdadeiros por sorrisos comprados.
    É como você disse: "Sinto medo do que estamos sujeito para um futuro próximo." Sinto-me exatamente assim!

    Beijos :*

    http://sonhos-perdiidos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Belo texto, grande realidade que nos envolve não é mesmo? dificil sair disso quando se está na cidade e não no campo
    um forte abraço!
    Pan
    http://pasmind.blogspot.com.br
    http://www.punkystore.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Igor

    Adorei seu texto, realmente o mundo atual se preocupar muito com o "ter" e deixa de lado o "ser", que é muito mais importante.

    Parabéns pelas palavras.

    Abraços Fabi

    www.fabianacardosoescritora.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Eu curti e não foi pouco!
    Nada como saber usar as palavras não é Igor? rs

    Abraços,
    www.ps-carpediem.blogspot.com/

    ResponderExcluir

© setecoisas.com.