23.6.14

Resenha: "O Poder da Espada" de Joe Abercrombie

Autor: Joe Abercrombie
Editora: Arqueiro
Páginas: 480
Avaliação: ★★★★★
Série: A primeira lei, volume 01
Sand dan Glokta é um carrasco implacável a serviço da Inquisição de Sua Majestade. Nas mãos dele, os supostos traidores da Coroa admitem crimes, apontam comparsas e assinam confissões – sejam eles culpados ou não. Por ironia, Glokta é um ex-prisioneiro de guerra que passou dois anos sob tortura. Mas isso nunca teria acontecido se dependesse de Logen Nove Dedos. Ele jamais deixaria um inimigo viver tanto tempo. Só que isso foi antes. Agora ele está decidido a mudar. Não quer ser lembrado apenas por seus feitos cruéis e pelos muitos inimigos que se alegrarão com sua morte. Já a felicidade do jovem e mulherengo Jezal dan Luthar seria alcançar fama e glória vencendo o Campeonato de esgrima, para depois ser recompensado com um alto cargo no governo que lhe permitisse jamais ter um dia de trabalho pesado na vida. Mas há uma guerra iminente e ele pode ser convocado a qualquer momento. Luthar sabe que, nos campos do Norte gelado, o embate segue regras muito menos civilizadas que as do esporte. Enquanto a União mobiliza seus exércitos para combater os inimigos externos, internamente se formam conspirações sanguinárias e um homem se apresenta como o lendário Bayaz, o Primeiro dos Magos, retornando do exílio depois de séculos. Quem quer que ele seja, sua presença tornará as vidas de Glokta, Jezal e Logen muito mais difíceis. Agora a linha que separa o herói do vilão pode ficar tênue demais.
Não vou citar o enredo do livro, pois acho que a sinopse já se demonstra bem eficaz com tudo que será abordado na história. 

O Poder da Espada é aquele tipo de livro que parece caminhada, uma hora você corre com a leitura e outra você anda com a leitura. Assim, teve horas que a leitura se demonstrava legal e interativa, mas também houve horas que a leitura se igualava a algo demorado, lento e mesquinho. Seus personagens são bem narrados, divergentes e com personalidades fortes. A criação de vários personagens se faz presente dentro do enredo de Abercrombie, além de personagens bem escritos, temos a sensação de uma história bem detalhada. 

A influência de George R. R. Martin também se fez muito presente no livro, por dizer se um mundo semelhante a Game of Thrones. Com isso, fui cheio de ganância pensando que seria um livro épico, construí ideias antes da leitura e imaginava algo totalmente diferente. Mas ao ler e descobrir que se tratava de algo totalmente contrário como eu tinha construído, fiquei bem triste. 

O poder da espada se destoa de forma lenta e só te conquista lá para o final, não sei se deve por ser o primeiro livro da trilogia, geralmente o primeiro livro de série, sagas e trilogias dá a impressão de introdução do que será abordado nos outros volumes. O primeiro livro da trilogia "A primeira lei" deixou a desejar bastante e a leitura do segundo volume pode ser e espero que seja bem melhor que a do primeiro. Dos três personagens principais, somente um me fez interagir com o livro: Logen. Mas a presença de outros secundários, como Bayaz, me fez ter um privilégio maior com o livro.

Apesar de parecer pela minha resenha que o livro é ruim, não é isso que eu quero falar. O livro é bem escrito, as cenas de lutas, batalhas, torturas e a violência são bem detalhadas e minuciosas. A aventura dos personagens e o alcanço de objetivos são meticulosos e excepcionais. Porém o livro não me conquistou da forma que eu pensei que conquistaria, ainda sim, com a continuação da trilogia que será publicada no primeiro semestre de 2013, fico ansioso.

2 comentários

  1. Olá Igor, eu também me sinto dessa forma. Pensei que o livro era bastante fantástico e ele não foi tudo o que eu pensava.

    Beijos, Garota do blog!

    ResponderExcluir
  2. Você disse tudo o que eu também acho sobre esse livro, sobretudo em relação a leitura: "uma hora você corre com a leitura e outra você anda com a leitura". Isso incomodou bastante, mas nada pior do que a "decepção" de não encontrar algo tão impactante quanto sugeria a opinião do Martin.
    Realmente espero que o próximo seja melhor, e o final de "O Poder da Espada" mostra que isso é possível. Aliás, foi o final, os personagens e as descrições que impediram que eu avaliasse com três estrelas.
    No próximo ano iremos ver se o Abercrombie é capaz de nos surpreender.

    Abraços,
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir

© setecoisas.com.