Resenha: A Maldição da Pedra


Autora: Cornelia Funke
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 248
Avaliação: ★★★★
Série: Reckless, volume 01.
"Tudo o que realmente lhe dá medo ficou atrás do espelho. Mas Will veio pra cá e trouxe tudo com ele". Página 135.
Jacob Reckless descobriu a existência de um mundo fantástico, no escritório do pai, para chegar nesse mundo é necessário atravessar um espelho, mas não é qualquer espelho, somente o espelho do escritório dos Reckless. O Mundo do Espelho é habitado por diversos seres das nossas historinhas infantis: fadas, bruxas, maldições, unicórnios, monstros... O mundo descoberto atrás do espelho fornece o lado mais negro e sombrio dos contos de fadas. Mesmo sendo um lugar considerado "ruim" é lá que Jacob passa a maior parte do tempo, o que fez esquecer-se da realidade: cuidar do irmão mais novo, Will. Seguindo os passos do irmão mais velho, Will descobre a passagem e ao passar pelos portões espelhados é atingido por uma maldição, aos poucos se transformará em uma criatura sólida e terrível, com pele de jade. Nesse mundo desconhecido e cheio de perigos, Jacob fará de tudo para reverter o que aconteceu ao irmão mais novo, colocando em risco sua própria vida, mostrando seus valores, coragem, esperteza, espírito de aventura e principalmente o amor pelo irmão.

A vontade de ler A maldição da Pedra foi nutrida já há muito tempo. Antes mesmo de ser lançada aqui no Brasil, isso se deve a outra série da autora, Mundo de Tinta. Quando foi lançado o reboliço para ler o primeiro livro da série Reckless foi enorme, porém por motivos desconhecidos e aleatórios vim ler somente dois anos após o lançamento. 

Se for comparar A maldição da Pedra com Coração de tinta, dá para perceber a diferença das duas obras: em Reckless a escrita é mais madura, poética e encantadora. Não é qualquer infanto-juvenil de leitura fácil e abobalhada. A proposta de Cornelia Funke, a autora, veio embalada em emoção e embutida de uma história leve e sem muitas contradições. 

A história é totalmente contada por terceira pessoa, mas por motivos óbvios a autora desejou manter os olhos tantos nos mocinhos da história, como nos malvados. Com isso, devo dizer que a autora aguça a curiosidade do seu leitor. A leitura é sustentada por personagens bem escritos e poucos designáveis, mestiços de qualidade e de defeitos o que os tornam únicos de si e divergentes no aspecto personalidade. Personagens conflituosos e desiguais fornecem espetáculos deliciosos para o leitor, comprometendo este até a última página. 

A diagramação produzida pela Companhia das Letras está espetacular, focando principalmente no seu publico alvo: com ilustrações assustadoras e pouco casuais, o que fornece atenção para ver o que realmente se enxerga - por exemplo: em uma das imagens, em um momento vi uma árvore, mais ainda na mesma imagem vi um monstro que não vi dá primeira vez. Entende. A capa metalizada e o castelo envolvido de espinho facilitam e chamam mais atenção ainda, por sua magnitude. 

Completo dizendo que, A maldição de pedra, foi totalmente diferente do que estava esperando. Essa mudança foi bastante positiva e benéfica, para ser mais exato: eficaz. A linguagem mais rebuscada era pouco esperada na obra, me assustou e me confundiu um pouco no começo, mas não debilitou a vontade de ler e a imaginação viver.

  1. Confesso que não conhecia o livro, mas achei a proposta bem interessante.

    Beijinhos,
    www.procurei-em-sonhos.com

    ReplyDelete