Resenha: Branca de Neve e o Caçador


Autores: Lily Blake, Evan Daugherty, John Lee Hancock, Hossein Amini 
Editora: Novo Conceito 
Páginas: 208
Avaliação: ★★★★★

Branca de Neve o Caçador é o primeiro livro que leio que surge de um filme. Como o livro é bem fininho, saquei que não teria aquela história de que "o livro é melhor que o filme". E isso me chateou bastante, eu assisti primeiro ao filme e depois fui ler o livro (fui na ordem). Bom, o livro eu achei um tanto seco e rápido. As batalhas não tiveram tanta ação, os personagens não demonstravam quase nenhum afeto ou sentimento.  

Mas a explicação para o paragrafo acima é: o livro foi escrito pelos roteiristas do filme - passando a ser uma coisa básica e sem efeito especiais. Percebe-se que é um livro introdutório para o filme. E pela primeira vez eu afirmo: o filme foi melhor que o livro. Mesmo sabendo que é um livro de roteiro eu acho que o livro poderia ser muito bom e conquistado bastante leitores já com o esqueleto do livro pronto. Como já tinha um início, meio e fim acho que poderia ser acrescendo mais sentimento, mais ação, mais enrolação e descrição. O livro por todo não é ruim e nem cansativo, é de leitura rápida e dinâmica alternando em cenas como em um filme. 

O martelar da pulsação do rapaz tomava conta dos ouvidos dele, até que seu coração estourou. E ele caiu no chão, morto. Página 38.
O filme e o livro foram estreados no segundo semestre de 2012 com Kristen Stewart no papel de Branca de Neve, Charlize Theron ganhando papel da Bruxa Má e Chris Hemsworth no papel do caçador. A história foi baseada no conto dos Irmãos Grimm, mas a narrativa é bem mais obscura e com pitadas de terror - o que atraiu vários olhos para as telonas e para o livro. 

Todo mundo já conhece a história da Branca de Neve não é? Branca de Neve ao nascer perdeu a mãe. Seu pai, Rei do reino, consequentemente ao ficar viúvo, ao ver o passar do tempo se torna um homem amargurado e na seca. Em uma de suas guerras, encontra uma mulher linda e concebível aos desejos da carne, não teve outra, levou a mulher, Ravenna, consigo para o reino e a tomou como mulher. Mas é aquela velha história, como trazer alguém para casa se nem conheces? Na mesma noite do casamento, Ravenna matou o pobre rei na hora "h". Após o assassinado começa a devastação do Reino, cujo era dominado por forças malignas controladas por Ravenna e por seu irmão (que não tem poder). E o que aconteceu com a pequena Branca de Neve? Não basta perder a mãe, o pai, mas também perde sua liberdade, até que um dia consegue escapar e entrar numa floresta ainda mais sombria que a Rainha Ravenna. 

Ninguém tem coragem de entrar na floresta, somente um entrou e saiu de lá vivo: o caçador Eric e, logicamente Eric é contratado para buscar e arrancar o coração da pobre princesa, e é a aí que a história começa a ficar boa, e é aqui que eu paro de falar. 
“A garota estava em algum lugar fora das muralhas do castelo, com seu coração ainda batendo dentro do peito. Ainda estava viva. Ravenna havia perdido a chance. Tantos anos trancada naquela torre e agora Branca de Neve havia escapado. A rainha se perguntava por que não havia percebido aquilo antes. Aqueles lábios vermelhos, aquela tez clara, impecável. Cabelos negros como a noite. Sua beleza natural sempre esteve ali, esperando para ser consumida”
Tem uma drasta, uma bruxa, um herói, uma heroína, um beijo, sete anões, um espelho, uma bela (literalmente). É sim, a história todinha que você viu lá na Disney, mas mesmo sendo um livro vago é emocionante pegar a história distorcida com uma Branca de Neve guerreira e sem frescuras. 

A capa e a diagramação do livro estão chamativas e bem trabalhadas, fiquei de cara com o trabalho da Novo Conceito em projetar algo tão "sombrio" e aterrorizadamente lindo. Fica a dica então se você quer ler um livro rápido e descontraído, mas sem muito nhê-nhê-nhê.  

Post a Comment