O amor (?) por Nelson Rodrigues

Faz um tempo que fui apresentado às obras de Nelson Rodrigues e, o resultado não poderia ser outro: conquistou-me com suas peças insanas, ingênuas e profanas. Decidi fazer uma apresentação do autor por dois motivos: 1. Por ter adorado seus livros e 2. por ter que fazer um seminário sobre o autor. 

Nelson Falcão Rodrigues nasceu dia 23 de agosto de 1912, em Pernambuco, Recife. Logo quando a coisa ficou preta para o seu pai, que era Deputado e jornalista, procurado e perseguido politicamente, Nelson e família foi morar na antiga capital do país, Rio de Janeiro, onde começa trabalhar como redator parlamentar do jornal Correio da Manhã.

Nelson foi criado dentro da época em que as vizinhas gordas ficavam na janela, fiscalizando e fofocando sobre os outros moradores, solteironas ressentidas e mal amadas. Naquela época os nascimentos eram assistidos e eram feitos em casa assim como os velórios. Assim como muitas outras coisas casuais da época  impregnaram as peças teatrais e contos de Nelson, daí surgiu os personagens de suas tramas.


Nelson desde muito novo escreveu sobre as histórias ruins e pitorescas brasileiras, como o adultério, aos mais ou menos oito anos de idade escreveu um romance com adultério, cujo após a traição o marido liquida a esposa e depois se arrepende e logo ganhou prêmio na escola que estudava. 

Outro fator que "colaborou" para seus escritos foi às tantas discussões de seus pais por ciúmes e com isso seu passa-tempo passou a ser leitura, seu gênero favorito sempre foi: a morte punindo o sexo ou o sexo punindo a morte (e é isso que ele vai relatar em suas obras). Com as perseguições de Mario Rodrigues, pai de Nelson, o jovem cada vez mais entrava em uma melancolia profunda e ato de rebeldia o identificava. Pode se perceber que finais felizes e Nelson Rodrigues nunca se combinaram e entrelaçaram um caminho. 

Com a criação do jornal A manhã, pelo próprio Mario Rodrigues, Nelson acaba entrando para o ramo jornalístico por volta de 1925, impressionando todos com sua dramatização em pequenos fatos do cotidiano. Após uma série de acontecimentos e perdas o autor passa a escrever para O globo, ficou adoentado de tuberculose e se apaixonou por Elza, que foi um aspecto a mais para render seus textos. 

Seu primeiro conto foi A mulher sem pecado, mas somente com Vestido de noiva, o jornalista passou a ser reconhecido ou conhecimento como escritor. Suas obras tomavam primeiras páginas em jornais e foram de grande sucesso. Escreveu grandes novelas como: "A morte sem espelho" e "Sonho de amor".
Sou um menino que vê o amor pelo buraco da fechadura. Nunca fui outra coisa. Nasci menino, hei de morrer menino. E o buraco da fechadura é, realmente, a minha ótica de ficcionista. Sou (e sempre fui) um anjo pornográfico(desde menino).
Nelson Falção veio falecer aos 68 anos de idade, em 1980 de complicações cardíacas e respiratórias. Mas até hoje suas obrgas permanecem vivas como nunca retratando as coisas pessimistas de vida.


Nelson no teatro brasileiro 

Peças psicológicas
A mulher sem pecado (1941)
Vestido de noiva (1943)
Valsa nº 6 (1951)
Viúva, porém honesta (1957)
Anti-Nélson Rodrigues (1974)

Peças míticas
Álbum de família (1946)
Anjo negro (1947)
Senhora dos Afogados (1947)
Doroteia (1947)
Tragédias Cariocas I
A falecida (1953)
Perdoa-me por me traíres (1957)
Os Sete Gatinhos (1958)
Boca de ouro (1959)

Tragédias Cariocas II
O beijo no asfalto (1960)
Bonitinha, mas ordinária (1962)
Toda Nudez Será Castigada (1965)
A serpente (1978)


Nelson entrou para a história no teatro no período Modernista, terceiro período para ser exato, seu início na carreira não foi nada planejada, já que ele queria somente tirar uns trocados para se sustentar. Como A mulher sem pecado lhe rendeu bons retornos passou a escrever mais sobre seu gênero literário predileto: o romance, seguindo a mesma ênfase. Nelson é feito de características realista e originais. Nelson Rodrigues criticou a sociedade e suas manias, conceitos, focando no casamento. Com ele surgiu a tragédia carioca envolvendo um personagem com um conflito entre a lei, deus, o destino ou a sociedade; tendo o erotismo muito presente em suas obras.
“Falam de tudo. Da moral, do comportamento, dos sentimentos, das reações, dos medos, das imperfeições, dos erros, das criancices, ranzinzisses, chatices, mesmices, grandezas, feitos, espantos. Sobretudo falam do comportamento e falam porque supõem saber. Mas não sabem, porque jamais foram capazes de sentir como o outro sente. Se sentissem não falariam.”


Não deixem de ler Nelson Rodrigues, graças a Ni meu amor por ele só tende a crescer. Quem aí também quer um mega volume com todos os livros do Nelson? 

Fontes: @ @ @ @

  1. ei Igor :)
    Adorei a postagem, muito bem desenvolvida e o Nelson é fera mesmo, ja havia lido algumas coisas dele hahaha!

    Abraços,
    www.ps-carpediem.blogspot.com/

    ReplyDelete