Resenha: Vidas Trocadas


Autora: Katie Dale
Editora: Benvirá
Páginas: 408
Avaliação: ★★★★★ ❤❤

O romance de Katie Dale tem tudo para ser bom — e ele é. Inimaginável foi como o livro poderia me tocar, me fazer tão bem e feliz. Nem passou por minha cabeça que o livro poderia me oferecer sensações mistas e críveis.  Daí você pode pensar que é somente uma história aparentemente simples, mas eu estava durante a leitura tão conectado ao livro, que se eu largasse, seja por um minutinho, imaginei que nunca mais poderia voltar para dentro da história. Estava mais para um pecado caso eu pausasse a leitura. 
"- Foi você que tornou Nova York tão incrível e me incentivou a viajar. Esse é um sonho nosso: o Vietnã, o Camboja, a Tailândia... não tem significado algum sem você." Página 391
Como encarar o seu futuro quando o seu passado é uma mentira? É o subtítulo do livro, o que leva a imaginar cenas infindáveis. E para começar me deparo com uma estória parecida com Laços Inseparáveis, escrito pela Emily Giffin. Porém Katie (que até então só escrevia livros infantis e se dedicava a ilustrações) aborda uma montanha-russa que sobe muito alto até tirar sorrisos, mas que também despenca numa ladeira de emoções: deixa o leitor com raiva, triste e curioso. Cheia de lições, reviravoltas familiares, mentiras, segredos e drama.

Rosie Kenning largou cerca de 18 meses da sua vida para cuidar da mãe, que estava chegando na sua fase terminal devido a decadência da  doença de Huntington (DHQ— cujo o portador da mutação genética sofre de uma degeneração progressiva nas células cerebrais —; além de sua vida, largou o namorado, Andy, e uma viagem que ela tanto desejava. Após sua mãe falecer, surge a vontade de saber se ela é portadora da doença ou não. Com isso fica duas opções: (a)se der positivo, irá praticamente se isolar do mundo ou (b) caso der negativo, vai viver a vida. Nem mesmo foi capaz de fazer o teste e sua "Tia Sarah" revelou um segredo que ficou enterrado durante 17 anos: não existe possibilidades de Rosie ter a doença, já que está não é filha da recém-falecida. Além do impacto da notícia, Rosie estará determinada a encontrar sua verdadeira família e saber como ela foi está na vida de outra pessoa. Será força do destino Andy (seu ex-namorado) aparecer e se juntar com a ela?  O que você faria caso descobrisse que essa não é sua vida? Que durante 17 anos você praticamente viveu uma "mentira"? Seria chato eu falar: que o livro tem um romance muito fofo entre Andy e Rosie, e que estarão eles contra o mundo em busca de uma verdadeira aventura transatlântica para saber os segredos ocultos de Rosie.

Essa hora da noite eu indicando esse livro maravilhoso ❤️

A photo posted by Tom (@setecoisas) on


Vidas Trocadas é narrado em primeira pessoa e nos fornece uma leitura estritamente viciante, sagaz e maravilhosa. Um, o livro não trás aquela sensação de que durará horas e horas falando sem chegar há algum lugar, ou seja, que além de uma leitura leve o leitor também é comedido por uma leitura voraz. Dois, os protagonistas principais são de personalidades estritamente divergentes e, quanto aos personagens secundários muito bem fundamentados e de grande importância em toda a trama. 

O livro divide-se em duas partes: a primeira com 12 capítulos; e a segunda os capítulos se alternam entre as protagonistas Rosie e Holly — o que facilita bastante a leitura e o que deixou-me mais envolvido com a história, já que podemos observar tanto o ponto de vista de uma quanto de outra, e a leitura não fica totalmente fadada a somente uma visão. Os primeiros capítulos do livro são mais espessos (maiores) e depois passa a ficar capítulos curtos, que arremete o leitor mais para dentro de enredo. Deixando sempre capítulos seguidos, mesmo sendo personagens diferentes na narrativa uma começa a narrar a partir de onde a outra parou. 


A aposta do mês da Benvirá (julho de 2013) trás uma trama envolta do gênero que ultimamente tem chocado vários leitores: sick-lit — sick do inglês significa doente, então é uma leitura que trás um tema de doenças, seja terminais ou não. A obra não poderia ser diferente: arrebatadora, sem dó e piedade tira noite(s?) afinco do leitor. Esse não é um livro que se espera sofrer ou muito menos chorar, refletir e pensar são os propósitos oferecidos pelo novo romance de Katie. 
 O futuro começa hoje, Rosie  Nana diz com firmeza.  Se Trudie nos ensinou algo, foi que a vida é curta demais para ficar adiando as coisas. Não podemos perder um único momento" Página 55
Vidas Trocadas é uma leitura que não pode faltar para fãs de ficção realista, é como eu estava dizendo para uma amiga: eu não preciso de novela (estava lendo o livro durante a novela Rubi, que é cheia de drama), pois eu tenho  o livro da Dale e está muito melhor que uma novela. Será? Concluo que com todo o drama e com toda a expectativa para o final, fica dica: você não vai conseguir parar de ler e se for como eu ficará com aquela sensação de que tem que levar o livro para todos os lugares e estampar o quanto o livro é gostoso. 

  1. Estou LOUCA LOUCA para ler esse livro!!! <3 Acabei não aguentando e comprei ele na quarta feira, e é uma das minhas próximas leituras. <3

    Curti muito vc falar que tem um quê de Emily Giffin, pq eu adoro a autora, que sabe mesclar emoções muito bem em suas tramas, e constrói excelentes personagens!

    Obrigada pela resenha. Agora estou mais ansiosa ainda!

    Beijos!
    Lygia - Brincando com Livros

    ReplyDelete
  2. Interessante! Não entendi muito bem o papel do Andy, explica mais sobre ele! pls

    ReplyDelete
  3. Anonymous28 July, 2013

    *COMENTARIO COM SPOILER* Edu. O Andy é o ex-namorado (atual?) da Rosie, o papel dele é que ele leva Rosie para fora do país e tal...

    ReplyDelete
  4. Oi Igor, apesar de não gostar muito de drama, gostei da resenha! Gostei muito da capa o que ajudou a querer o livro. Depois de perder a mãe deve ter sido horrível, descobrir que ela não é sua mãe biológica, adorei sua resenha! Fiquei com vontade de ler...

    Beijos

    ReplyDelete
  5. Com essa resenha deu vontade de comprar o livro agr mesmo Igor.A história é muito interessante,e como vc disse,não fica numa coisa só,no passar das folhas sem nada acontecer.Já coloquei na minha lista ~hueheuhe~

    Bju-bju :** ^-^

    otakadakawaii.blogspot

    ReplyDelete
  6. Que delícia de livro! Esse é o tipo de livro que a gente vai carregar pra sempre conosco, certo? Sick-list está vindo com tudo. Primeiro A Culpa é das Estrelas... Agora esse... Não curto livros assim pq normalmente o final é trágico e não gosto de chorar u_u UASASYAYUSGYUSGUAYS
    Adorei a sua resenha, de verdade. *-*

    Foda é que ela ficou 18 meses cuidando da suposta mãe e largou tudo e todos por causa dela e depois descobre que ela não é a sua verdadeira mãe, nossa... eu ficaria muito grilada hein. ¬¬
    "Vidas trocadas"... É um nome um tanto sugestivo. Será que os pais do namorado dela, não são os verdadeiros pais dela? ~pensando~ hmmmmmmmmmmmm... Se for, não me conte, ok? Eu quero ler! Já até coloquei na minha lista de desejados e comentei na resenha qe vc postou no skoob também IUASHIUASHIAUSHIUS *u*

    Besitos ♥
    www.november92.com

    ReplyDelete
  7. Na hora que li a sinopse eu pensei que esse é um livro que te faz pensar.
    Amei a premissa da história e fiquei bem curiosa pra saber como ela encontrará a família e como será desenvolvida a história. Parece ser um bom livro, vou colocá-lo na lista da bienal. Ah...amei essa capa.
    Beijos
    :D
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ReplyDelete
  8. Esse livro parece ser muito bom!

    ReplyDelete
  9. Beatrice, é muito bom, por isso está na minha lista de favoritos! <3

    ReplyDelete
  10. Olá!Tem um selinho literário para você lá no meu blog.
    http://balsamodoslivros.blogspot.com.br/
    Abraços, Isabela.
    P.S. gostaria de fazer parceria conosco?

    ReplyDelete
  11. Oi Igor!
    Ai, essa sensação de estar tão conectado à história é tão boa, de que você praticamente faz parte de tudo, que está acompanhando uma realidade. Adoro livros assim!
    Vidas trocadas é um daqueles livros que a gente se apaixona pela capa e, quando vai procurar saber da história, se apaixona mais ainda!
    Sick lits estão em voga (mas eu não gosto desse termo, acho meio pejorativo) mas o que mais me atrai no gênero é que ele é muito crível, muito real, uma história que poderia acontecer a nossa volta mesmo. Huntington é uma doença bem triste, dessas que a morte certa vem lentamente e faz a pessoa e a família sofrerem bastante.
    E como você disse, esse tipo de livro não é para se chorar e sim para que algum ensinamento seja retirado dele, que alguma coisa dentro de nós se transforme e passemos a ver uma situação parecida com olhos mais experientes.
    Sua resenha está suprema e nem preciso falar que estou saindo de casa agora para comprar esse livro né?

    Beijão comparsa do crime!
    endless-poem.blogspot.com.br

    ReplyDelete
  12. Ahhh.. A resenha do novo queridinho do Igor (me trocou no twitter pela leitura, hunff! hahaha)..
    Adorei e já está anotado e desejado <3

    Beijos, Lu ♥
    http://luizando.blogspot.com.br

    ReplyDelete
  13. Ah, entendi! Thanks! \o/

    ReplyDelete
  14. Esse livro parece ser muito legal, hehhehe e falando em livro, venho avisar que te indiquei na tag literária: http://aprendendocuriosamente.blogspot.com.br/2013/07/5-perguntas-que-ninguem-nunca-fez-sobre.html#comment-form
    Espero que goste e responda! Fico aguardando suas visitas!
    Beijos
    Ivia - Brasília

    ReplyDelete
  15. Eu já estav com vontade de ler o livro, doida para comprar, achei a sinopse bem interessante. Agora estou desesperada para ler! Kkkk \o/
    Boa resenha, parabéns! ^^
    Bjs

    ReplyDelete