30/07/2013

Resenha: Simplesmente Ana


Autora: Marina Carvalho
Editora: Novo Conceito
Páginas: 304
Avaliação: ★★★★

Simplesmente Ana foi um dos livros que li mais rápido em toda a minha vida, cerca de 3 horas e 30 minutos, para devorar o livro. O que me fez ler tão rápido é algo inexplicável, pois quando percebi, o livro já havia acabado. O primeiro romance da Marina Carvalho, contém um forte drama clichê, o que me faz lembrar dos livros da Meg Cabot, O Diário da Princesa. A escrita da Marina é infalível, leve, rápida e gostosa, por esse motivo a livro acabou tão rápido.

Um livro bastante deduzível acompanhado de humor, drama e muito romance. Encapado numa capa muito bonita e numa sinopse que deixa bem explicado que esse é um livro para meninas. Não é exagero, nem preconceito. Simplesmente Ana, foi escrito simplesmente para mulheres. Com um romance infindável, confuso e lógico (ilógico?). Mas mesmo sendo um livro voltado para o público feminino, fui pego de surpresa e não nego que adorei a trama, mesmo que já tenha visto algo parecido.

28/07/2013

Resenha: Vidas Trocadas


Autora: Katie Dale
Editora: Benvirá
Páginas: 408
Avaliação: ★★★★★ ❤❤

O romance de Katie Dale tem tudo para ser bom — e ele é. Inimaginável foi como o livro poderia me tocar, me fazer tão bem e feliz. Nem passou por minha cabeça que o livro poderia me oferecer sensações mistas e críveis.  Daí você pode pensar que é somente uma história aparentemente simples, mas eu estava durante a leitura tão conectado ao livro, que se eu largasse, seja por um minutinho, imaginei que nunca mais poderia voltar para dentro da história. Estava mais para um pecado caso eu pausasse a leitura. 
"- Foi você que tornou Nova York tão incrível e me incentivou a viajar. Esse é um sonho nosso: o Vietnã, o Camboja, a Tailândia... não tem significado algum sem você." Página 391

26/07/2013

Resenha: Cisne

Autora: Eleonor Hertzog
Editora: Dracaena
Páginas: 832
Avaliação: ★★★★
Série: Uma geração. Todas as decisões, volume 01.

Eleonor Hertzog escreveu a vida inteira, mas somente agora acordou para publicar seu livro, mas como ela disse: "demora um pouco para aceitar que está pronto". E agora (o livro foi lançado em 2012) que o livro está concluído venha ler, porque o sequência de Cisne já está para sair. Subam a bordo marujos que o primeiro livro de Hertzog, é uma história recheada de personagens verossímeis e agradáveis; além de ser totalmente original. Uma ideia diferente, engraçada e que deixa vontades para um próximo. 
...Um mundo lá no cantinho da galáxia.

24/07/2013

Tag: Minha esposa dos livros

22/07/2013

Resenha: "Bruxos & Bruxas" de, Gabrielle Charbonnet e James Patterson


Autores: James Patterson e Gabrielle Charbonnet
Editora: Novo Conceito
Páginas: 288
Avaliação: ★★★★★
Série: Bruxos e Bruxas, volume 01. 

O livro é escrito sob os olhos do casal de irmãos Allgood, Whit e Wisty, que do nada acordam com a casa sendo invadida pelo novo governo, a Nova Ordem. O motivo é simples, são acusados de praticar atividades wiccas ou certamente bruxaria. Enquanto aguardam o julgamento por tais atos os jovens de 15 e o outro de 17 terão que ficar numa prisão - que está mais para hospício - até serem executados. Voltamos para 1700, cujo praticantes de bruxarias são seres terríveis e devem ser mortos e queimados.   Só que não voltamos, as eleições no decorrer dos anos foram regredindo e a Nova Ordem - será que estamos do lado certo? -foi ganhando mais e mais poder político até se tornar um governo autoritário.

Os jovens terão que correr para salvarem a própria pele e salvar a pele de seus pais. Durante a busca frenética por uma saída da ''prisão-hospício'' os Allgoods saberão o que está acontecendo com o país e como terão que se proteger dele. 
“Bem-vindo ao seu pior pesadelo, ou talvez um que você não consegue nem imaginar. Um mundo onde tudo mudou. Sem livros, sem filmes, sem música, sem liberdade de expressão. Todos com menos de dezoito anos não são confiáveis. Você e sua família podem ser levados e aprisionados a qualquer momento. Sua existência é dispensável, até indesejada. Que mundo é este? Onde alguma coisa desse tipo poderia ter acontecido? Essa é a questão. A Questão é que realmente aconteceu. Está acontecendo agora conosco. E se você não parar e prestar atenção, seu mundo poderá ser o próximo."
Será uma Nova Ordem Mundial? Eu lembro quando o folheto dos fugitivos chegaram aqui na minha casa. Foi quase um holocausto: "meu deus é a nova ordem mundial" "eu sabia, vamos morrer" até que consegui acalmar o povo e falar que era sobre um livro... Mas é bem essa temática que o livro toma, um governo centralizado e que reprimi todos os tipos de liberdade pessoal e pública, livros, músicas, filmes... 

O primeiro livro da série Bruxos e Bruxas, escrita pelo Senhor Suspense, não é bom e nem ruim, é mediano. É um livro que fico em dúvida, por ele se demonstrar tão vago e simples, mas com uma história que parece que vai ser boa (porque vai melhorar nos próximos livros). Eu fiquei chateado com os autores, pois o livro demonstrou grandes brechas, sendo que tanto Patterson como Charbonnet poderiam ter acrescentado bastante coisa no enredo. Talvez eu devia olhar o geral, mas o trabalho de um autor (eu acho) é fazer a ligação da obra com o leitor, o que deixou muito a desejar. 

Os personagens se demonstraram simples, sem querer entreter o leitor e infantis. Poxa, Whit tem praticamente dezoito anos, mas age com mentalidade de quê... 14? Foram personagens mal programados e sem contexto. Os autores terão de aprofundar e trabalhar mais na personalidade dos irmãos AllGood para firmar um sistema de leitor-personagem.  

Com um marketing muito bem feito e exagerado da Editora Novo Conceito, foi impossível não ficar ansioso com o livro. Além de toda a produção da editora o contexto prometeu bastante, o livro veio bem embalado numa sinopse e a capa "original" com diagramação bonita e grande <3. Por todo não é um livro ruim, de leitura rápida e dinâmica - já que se alternam entre os protagonistas. Uma premissa bem bolada, já que quando falamos de bruxos e magia é um assunto que dá para falar horas e horas. Mas aí eu me pergunto "porque os autores não quiseram aprofundar mais", "falar um pouco mais sobre a nova ordem", "enrolar mais um pouquinho".

Espero que no próximo livro, The Gift  (James Patterson e Ned Rust), traga uma sintonia e também impulso para os leitores continuarem com a saga, pois chega até ser mesquinho falar que 'duas cabeças pensam melhor que uma'.  O engraçado é que o livro não é cansativo, nem massantesr. Patterson sabe exatamente como conduzir a história sem fazer o leitor desistir do livro no meio do caminho. Que o segundo livro da série traga um suspense e uma premissa que amarre mais o leitor.

Não vou deixar de recomendar o livro, pois sei que tem aqueles leitores que adoram um leitura fantástica e com uma ideia diferente. Bruxos e Bruxas tem a ideia, mas não é bem explorada, se você não gosta de uma história bem aprofundada o livro é recomendado. Ah, quase esqueci, o livro traz não somente uma história legal, traz também críticas governais 

21/07/2013

Um amor e tal,


Eu quero ter a sensação de estar num livro clichê. Quero ser a pessoa que larga tudo para ficar com quem quer. Quero poder arquitetar todos os meus sonhos e deixar aquela sensação de alegria dentro do meu peito. Sei que nunca vou me cansar de fazer e refazer essas ideias, esses planos, esses momentos na minha mente. Eu quero permanecer do seu lado, sorrir e chorar do seu lado. E daí eu quero perceber que é muito mais que uma amizade, perceber que é amor de homem e mulher que sinto por você. Do seu lado eu queria nascer, do seu lado quero falecer. Do seu lado. De todos os lados. É amor, é alegria, é felicidade em um laço, fincado em nossos braços.

fotografia por Lari Biscaia

20/07/2013

Evento literário: Semana do Livro Nacional



Fui com as mãos abanando e voltei com as mãos abanando, mentira. Eu me sinto tão feliz por ter ido ao evento. E mesmo que eu não tenha ganhado os mimos (lindos), fico contente por ter feito vários amigos, será que foi coincidência? Hoje é dia dos amigos, então: Feliz dia dos amigos com semana do livro nacional.

Hoje aprendi muita coisa: Você precisa de técnicas para escrever, precisa de vontade, não é só sentar no computador e falar "vou escrever um livro". As vezes publicar um livro não é fácil, tem autores muitos tímidos (não é Karen?), tem autores que falam de tudo (como a Clara, personagem do livro da Jana Rico). Tem escritores que são amadores, tem escritores que são aprendizes. Tem autores que nem lê seus livros depois, pois "se eu ler, vou querer mudar a história toda". Mas nunca, se você não quer ter um bonequinho de vodu, nunca, jamais, em hipótese alguma fale mal de um filho de autor (no caso o livro). Aprendi que ser autor não é fácil, tem que ter disposição, ter tempo e as vezes ter a própria editora (como o Maurício Gomyde). A gente tem que ter Amor no ninho e fora do ninho. A gente tem que amar o que é da nossa terra, amar nossos autores, nossos livros. Se você pensa que ser autor é fácil, tem que pesquisar, 'despesquisar', pesquisar novamente só para produzir um trechinho não é Camila Dornas? Como A caçadora você deve ser.  Mas além de tudo você tem que ter orgulho de ser um autor, tem que ter fé, tem que querer.


E vou falar para vocês, eu nunca vou deixar de ler livros nacionais. Porque é isso tem somos, é isso que "tá na nossa língua", no sangue. É amor mesmo, esse sabor carioca, paulista, brasilense... esse sabor brasileiro. Ainda melhor que ler livros nacionais é conhecer autores nacionais, são engraçados, brincalhões, legais. São muito mais que o livro, aí você pensa: "tá explicado o porque do livro ser bom". 



Obrigado aos meus novos amigos que puderão tornar o evento possível e também a Larissa Sposito que organizou tudinho com a Leninha!  




18/07/2013

Resenha: A Pousada Rose Harbor de Debbie Macomber


Autor: Debbie Macomber
Editora: Novo Conceito, 2013
Páginas: 350
Avaliação: ★★★★★
Série: Rose Harbor, volume 01. 

Não existia expectativas para o livro. E uau! Debbie Macomber mostrou sua escrita brilhante, suave e simples. Com o poder de envolver o leitor e deixar ele ali, fixado até quando o livro acabar e pedindo bis. Para minha sorte que gostei um tanto do livro, ele terá continuação. Sabe quando o autor provoca emoções, nos levando da felicidade a tristeza e nos enchendo de amor e esperança?

Sorrisos, lágrimas, sentimentos dentro de três histórias. Três histórias cativantes. Jô Marie perdeu seu marido, recentemente e com um coração bastante ferido está tentando reerguer-se  e continuar a vida. Amigos e familiares sempre tem aquela coisa de apoiar e fazer de tudo para ajudar. Jô Marie está disposta a mudar sua vida, ter uma nova vida. E assim faz, deixa toda sua vida construída e decide comprar uma pequena pousada para superar a morte de seu marido. Apesar dos conselhos para ela não fazer. Mas ela sente. Que aquela pousada veio para si pelo destino, a Pousada a chamava. Ela sabia.

16/07/2013

Eu nasci na época errada


Oi leitor, ultimamente estou meio triste. Tenho brigado muito com meus pais, com meus amigos, com minha namorada. Estou desacostumado com essa vida de momentos. Eu gosto é de simplicidade. Eu gosto de ficar ali no cantinho e ficar olhando. Sabe querido leitor, não gosto de ficar por aí me amostrando o que não sou. Acredito que ninguém me entenda, nem minha namorada. Acho que menti sobre isso, eu não tenho uma namorada. Mas para um texto ficaria legal, ter uma namorada não é? Eu não sei o que falar, nem sei o que estou escrevendo. Acredita em mim? O objetivo é só falar abobrinha, mentira, eu quero ser sincero. Eu quero largar essa bandidagem de ser um acenador, de ter um sorriso que nunca sai. 

Eu quero escutar o tum tum tum do meu coração, quero sentir o ar limpo de um campo nos meus pulmões. Quero tirar a roupa e ficar até tarde num córrego sem ter vergonha, quero ser um Adam e andar por aí como se a floresta fosse minha, como se eu fosse dono do meu próprio nariz. Quero levar um ou dois panos forrar o chão e deitar sobre eles, e ficar lá "de boa" olhando as nuvens, os formatos dela, quero rir do céu que anda de lá para cá todos os dias. Quero ouvir os passarinhos gritarem bem baixinho em seus ninhos. Quero me esconder entre as árvores como um esquilo faz. Estou mesmo é querendo fugir das motosserras, do concreto, da tecnologia, do sol quente, do estresse, da raiva, do compromisso. 

Por favor, querido leitor, não me deixe levar para aquele centro metropolitano. É muito barulho. É muita briga, é muitas drogas, muito vício. É muito irracional. Por favor, não deixe que me peguem e me levem para o centro do asfalto, não permita que me coloquem em escolas que não quero, não deixe eu respirar o gás carbônico. Por favor, eu não quero comer coisas enlatadas, industrializadas.  Eu nasci em uma época errada, eu nasci para ser simples, não nasci para essa cidade grande, para esse consumismo, para esse capitalismo. Eu, querido leitor, não nasci para ver as pessoas sofrerem só porque não tem isso, só porque não tem aquilo. 

Tudo me atormenta: essa responsabilidade, essas regras, esse conceito padrão. Quero fujir, quero ser um passarinho e voar, percorrer o mundo, gritar e pular quando bem entender. Quero andar de bicicleta e deixar o velho furgão em casa. Eu quero viver, por favor...

14/07/2013

Conhece a Editora Benvirá?

Benvirá é o selo de ficção e não ficção da Saraiva, criado em 2010 com o objetivo de contribuir com conteúdo de alta qualidade para a educação, a cultura e o entretenimento. Seu padrão de excelência baseia-se na tradição do Grupo Saraiva, com expressiva liderança no mercado editorial e livreiro desde 1914.

Um dos lançamentos que marcaram a história das publicações da Saraiva foi a Coleção Saraiva, que revolucionou o mercado editorial na década de 1940, reunindo autores como Machado de Assis e José de Alencar, e contava com o trabalho de famosos artistas plásticos, como Tarsila do Amaral, para as ilustrações.

E é com o selo de ficção da Saraiva que acabou de fechar parceria com o blog. Fico muito agradecido em receber o apoio de mais uma editora. E claro que terá várias resenhas e promoções para os leitores!

      

09/07/2013

Resenha: O guia de Campo


Autor: Holly Black e Tony DiTerlizzi
Editora: Rocco
Páginas: 114
Série:  As Crônicas de Spiderwick, volume 01.

Fadas, duendes, gnomos e seres fantásticos, podem estar do seu lado agora mesmo, então fique alerta! Há muito mais nesse mundo do que os olhos podem ver. Para divulgar essa informação, os irmãos Grace pediram que Holly Black e Tony DiTerlizzi transformassem a sua história em uma série de cinco livros. Tudo começa com a mudança para a casa na propriedade de Spiderwick. Desde então, a vida de Jared, Simon e Mallory Grace não têm sido fácil. O pai não mora mais com eles, Jared tem vivido confusões na escola e fatos assustadores estão ocorrendo. Jared decide explorar a velha casa. 

Logo descobre uma biblioteca secreta e um grande tesouro - O Guia de Campo de Artur Spiderwick para o mundo fantástico. O livro é um guia para aprender a lidar com os seres fantásticos, contém todas as informações sobre a vida, a aparência e hábitos dessas perigosas criaturas. A partir desse momento, a vida das crianças toma um rumo inesperado e elas vivem aventuras emocionantes em um mundo paralelo, atiçando a ira de 'goblins', gnomos e duendes.

06/07/2013

Fotodesfocar


Fotografar é algo explícito e excitante. Não é uma coisa de outro universo, pode até ser não é? Eu ainda uso minha câmera compactada para arquivar sorrisos, sentimentos e momentos. Afinal para que serve a fotografia? 

Faça um teste da vida, compre uma câmera descartável suas fotos serão contadas, serão estritamente escolhidas e sim serão especiais. Não! Você não precisa ser um “super” fotógrafo. Você já nasce com o dom, você é capaz, eu também sou. Agora você só precisa de outro cartão de memória. Não tem câmera? Use o celular. Você também vai precisar de luz, confiança e vontade. Acho que não é tão difícil captar as melhores cenas da sua vida! Leu o que eu escrevi? Melhores cenas da sua vida, você tem que se lembrar delas, sempre. Fotografe, mas também pose, faça caretas, faça bobagens em frente a lente, passe perfume, grite para sair numa foto. Lembra que não é preciso somente uma imagem, mas um sentimento. 


Mas por favor, não use photoshop, não há nada melhor do que uma beleza natural e única. Quando você limpa, corta, modifica. Você está matando, algo que é único. Deixe de ser cabeça dura, deixe as coisas ser como são imperfeitas. Aliás, são perfeitas! Talvez seus olhos de fotógrafo da vida ainda não foram capazes de captar o que realmente interessa ou o que realmente vale a pena. 

02/07/2013

Resenha: "O retrato de Dorian Gray", de Oscar Wilde

Autor: Oscar Wilde
Editora: Landmark, 2009.
Páginas: 240
Avaliação: ★★★★★ 

Inicialmente ao pegar o livro você  pensa (eu pensei): "vai ser um livro que vai falar de um quadro, das cores que foi usada, as posições que Dorian Gray ficou para o retrato ser produzido". Sinto muito quebrar sua linha de pensamento, mas não é isso que o livro quer enfatizar.

Narrado em terceira pessoa fica evidente o quanto sr. Gray é um jovem maravilhoso, no qual os temperamentos românticos e científicos sempre estarão se confundido da forma mais estranha possível. Tanto para Dorian Gray quanto para Henry Wotton o único objetivo em viver é: ser belo, jovem e possuir o mundo aos pés. Devido a tal egoísmo o leitor é obrigado a refletir de capítulo à capítulo até mesmo no fim da leitura. É um livro que exige demasiadas reflexões.
"Atrás de toda coisa rara, há sempre algo trágico." Página 41.
Toda a insanidade cometida por Dorian vem de algo bem simples, o retrato.  Diga-se que o retrato pintado revela muito mais do que só sua imagem jovem. Com isso ele chega a ficar paranoico  Onde para ele a beleza é melhor da vida e somente essa é a única importância de viver. É um livro que abusa a descrever os pensamentos dos personagens. Acaba-se em devaneios de  pensamentos em vários momentos tanto para Henry quanto Dorian. Devido essa linhagem de pensamentos seguidos e ao fato descritivo do autor, a leitura pode acabar sendo abandonada, que não foi meu caso. O clássico vem com dramatologia bem escrita em volta suspense e mistérios. 

O retrato de Dorian Gray jaz um bom tempo que foi escrito, porém a narrativa e a história parece com cenas atuais. É algo que você vê, nota muito. Vem acompanhado da bela escrita de Oscar Wilde, turbilhão sentimental, levando o leitor a realmente questionar as atrocidades das personagens, exemplo, as verdades decepcionantes de sir Henry. 

"Hoje em dia, a maioria das pessoas morrem de um espécie de senso comum progressivo, descobrindo, quando já é demasiado tarde, que a única coisa que ninguém jamais lastima são os próprios erros." Página 47. 


2012 - 2018 © Sete Coisas.