30/03/2013

Resenha: A Linhagem


A capa transmite "leveza", a estória é saciante pesa e voa, corre e para, você sorri e fica apreensivo. Voltamos agora para 1720, XVII. Moças comportadas, vestidos longos, reis, princesas, bruxas, caçadores, fogueiras, voltamos para Londres!

Evangeline já está para casar. Droga! Que época mais machista, as mulheres estão confinadas a homens que os pais escolhem, submetendo-as a qualquer um, mesmo que a própria filha não queira. Evangeline é uma das outras filhas confinadas a homens severos e carrancudos. Ela por ser como as outras fisicamente, mas no sangue de Eva corre magia, êxtase de energia dos elementos naturais – terra, água, fogo e ar. Não será tão fácil domar uma fera tão poderosa. Em meio às ruas da Inglaterra vamos perseguir os mistérios de Hector Callum e até mesmo algo perdido no passado de Evangeline. O que ele pretende fazer? O que fará com a pobre Eva, será que eles vão se casar? Será? Que segredo é esse?

27/03/2013

Resenha: Staters

StartersAlgumas pessoas falam que esse livro é parecido com Jogos Vorazes, mas só o que consegui encontrar igual a Jogos Vorazes, foi a tecnologia juntamente com as pessoas que tem dinheiro reinam. Apesar, dessa consideração o livro acabou tornando-se um dos melhores em relação à criatividade, pois achei totalmente inovador o modo como Prisse abordou o tema. 

Uma leitura fácil, uma premissa e história incrível.  Mas um pouco até cômico, é igual aquela frase: "se limpe que hoje vou lhe usar". Aconteceu uma guerra chamada: Guerra de Esporos que consistida em dizimar toda a população entre 20 e 60 anos. Mas existiu uma vacina, somente para menores de 20 anos ou maiores de 60. Toda modernidade da sociedade, as construções e tecnologia permanecem inalteradas, restando menos que dois terços da população.

24/03/2013

Não é a carta de Hogwarts #2

23/03/2013

Playlist: Generale

21/03/2013

Projeto: Leitura Alimenta

Hoje vou mostrar um novo projeto, muito bacana. Que vi no twitter e decidi compartilhar aqui com vocês. É um projeto bem simples e creio que terá grande eficácia por todo o Brasil. Então não fique de fora dessa participe também. Bom livro é quase a mesma coisa que comida, por que nós leitores, devoramos livrinhos (e "livrãos") não é?

20/03/2013

20 de março - dia do blogueiro ♥

18/03/2013

Carpa versus capa #1


Olá leitores, vamos fazer um capa versus capa? É a mesma coisa do capaXcapa. Só que vai ser diferente o capa versus capa aqui no blog vai ser em dois blogs. Como assim? Eu mais outro blogueiro (a) vamos fazer o post juntinhos. Eu vou indicar um livro e a outra pessoa vai indicar outro livro. Se quiser participar me contate. 

Quem topou fazer esse loucura comigo foi a Larissa, Lari do Bagaço de Laranja. Desde já agradeço por estar fazendo o post comigo. Os livros escolhidos foram:  A menina que roubava livros (Igor) e Percy Jackson e o Ladrão de raios (Lari).

Primeiro round: A menina que roubava livros (resenha)  


       
Igor: Por longe a capa mais simples e que eu não gostei foi a da China. Todas as outras capas ficaram mais destacadas e com um ar de morte. Eu gostei de três capas são elas: Italiana, Japão e a brasileira. 

Lari:  A capa que mais gostei foi a Alemã porque, apesar de ser igual à americana, ela apresenta dois personagens importantes sem dar detalhes sobre sua fisionomia, o que eu achei muito ler porque dá para imaginar mais. A italiana ficou bem legal, e a menina, convenhamos, é muito fofinha! A Lituana é uma capa muito bonita também, mas acho que a estragou foram os pontinhos vermelhos ali existentes.


Segundo Round: PJ e O Ladrão de Raios (resenha)


       
Igor: As capas que chamam mais a minha atenção foram três a da Alemanha, Japão e Russia. Adorei os detalhes da capa japonesa. A capa da Russia ela tem algo mais a ver com o filme gostei muito. Agora China, Eua, Espanha e a Brasileira são praticamente iguais, não gosto.  

Lari: As capas que mais me agradaram foram a do Brasil e o EUA, pois mesmo sem serem tão poluídas visualmente quanto a dos outros países, conseguem chamar atenção do leitor da mesma forma.E a do Brasil 2 eu não gostei porque eu DETESTO livros com capa de filme, a não ser quando a capa original do livro é muito horrorosa, o que não é o caso.

E ai vocês concordam conosco? Tem sugestão de outras capas? Quer participar também? fale comigo. 


16/03/2013

Resenha: A menina que roubava livros


Autor: Markus Zusak
Editora: Intriseca
Páginas: 480
Avaliação: ★★★★★

“A menina que roubava livros” é uma história de lealdade e carinho simbolizada em 382 páginas que traduzem o verdadeiro sentido de amor e paz. Liesel perde seu irmão e sua mãe biológica o que não impede que ela se sinta feliz ao lado de seus novos pais (Hans e Rosa Hubermanns).

O enredo é narrado pela morte, porque você vai morrer um dia. Liesel Memimger presencia a morte de seu irmão ao lado de sua mãe. E foi exatamente após o enterro de seu querido irmão que conseguiu saborear seu primeiro roubo, e logo se dirigiu a sua mais nova moradia, a casa dos Hubermanns. Hans Hubermann fumava e era pintor, com um grande coração. Rosa Hubermann não tinha muita paciência, mas decididamente, amava Liesel.

14/03/2013

Gosto literário, autores parceiros e outras coisas

Visando conversas passadas, postagens em blogs e muitas críticas  Decidi vir falar sobre gosto de literário e um pouco também sobre parcerias com autores nacionais.


Desde já acredito que cada um tem seu próprio gosto literário e que ele seja único. Particularmente, eu me adéquo a todos os livros sempre visando que a leitura possa me trazer em retorno algo bom, esse é o motivo de não ler muitas resenhas ou críticas e também de não ler sinopse de um determinado exemplar.  A questão é que as pessoas julgam, julgam até de mais. Julgam até antes de ler o livro (seja por causa da capa, por causa da sinopse ou por alguém ou um amigo não gostou do livro). E foi isso que aconteceu comigo dias atrás uma pessoa chegou falando que o livro não era bom, eu não disse nada porque não li o livro ainda. A pessoa fez "poréns" do porque o livro é ruim, mas ela mesmo não leu o livro. Por fim da discussão: ela me disse que não tenho gosto literário. 

Como assim não tenho gosto literário? Gostar de livros que ela (a pessoa) não gosta, é um gosto literário e quem define se é bom ou ruim é você, no meu caso eu. E é ai, que entra as parcerias com autores nacionais. Alguns blogueiros julgam essa parceria como um "sistema de trocas": um exemplar do livro por bons elogios. E isso pesou novamente para mim, pois todos os livros de parceria, eu li e realmente gostei. Mas falaram que é um senso crítico falso. Espera! Não entendi. Nem eu. 

Sendo livro de parceria ou não eu vou ser sincero, falando se o livro é bom ou não. Mas deve se lembrar que "só porque não gostei do livro os outros não vão gostar" ou "só porque amei o livro os outros vão amar" entende? Um exemplo disso é: Cinquenta Tons de Cinza, que vários leitores odiaram o livro, mas teve uma grande porcentagem de pessoas que adoraram, não só o primeiro livro mas os três. 

Entra aí o senso crítico, você tem que mostrar os pontos negativos quanto positivos, uma espécie de equilíbrio. Outra vez isso é tocante para os Autores parceiros de blogs, a maioria não quer levar críticas. Como se um autor não levar críticas ele crescerá ou tornará sua escrita melhor e aperfeiçoada? 

Aposto sempre em livros nacionais, pois existe sim escritas nacionais que são muito boas, mas tem melhores. Uma coisa é certa, não tem como eu julgar um livro de um autor nacional em pioneirismo com um do exterior que já esta no ramo faz tempos. 

Agora podem me jogar pedras ou pétalas. Meu modo de pensar é assim, até que alguém com um razão lógica me prove o contrário assim como o gosto literário é uno, o modo de pensar é pessoal. Pense aí. 

12/03/2013

Resenha: Cores de Outono


J.K Meyer (Rowling + Stephenie)! Só que com um modo aprimorador, inovador, contagiante e gostoso. É o livro escrito pela Keila Gon. É um livro lento, quero dizer, não é um livro lento. Eu quis tornar a leitura lenta só para aproveitar mais, viver mais um pouco com os personagens. Li em três dias, preso de capitulo à capitulo, eu parava só para pensar e refazer as cenas em mente.Não estou puxando saco da autora somente por ela ser minha parceira, até porque não sou de fazer isso. 

O pior de tudo é que não é só a capa que te faz ter vontade de ler, desde a primeira folha caída na capa à última letra do livro é um enredo ótimo, entretedor. A autora sobre trabalhar com os momentos certos, hora exata, pode se perceber o quando foi cautelosa nesse aspecto, prendendo o leitor até um ponto "êxtase", que mesmo chegando nesse ponto chave faz o leitor querer mais.

09/03/2013

Resenha: Postais do Coração


Em meio a tantas cenas “turbulentas” Griffin narra à história de modo transparente, leve, e inovador. A Irlandesa mandou ver no seu recém-lançamento, conseguiu abordar dois casais vários sentimentos, vários acontecimentos. Um livro pequeno, considerável a cada cena e clareza que ela decorreu os fatos. 

Postais do Coração quebra todas aquelas regras clichês, porém acaba se tornando um livro bem romântico e gostoso para ler, que também quebra aquela sensação de que você já sabe o que vai acontecer no final. Achei mirabolante o jeito que a autora usou para desatar os nós feitos pelos personagens. Engraçado que Ella Griffin ela não fica só entre romances, mas também apresenta em seu livro amor de mãe e filha, pai e filho, valor, a proteção que pode ser muito que pode acabar sufocando, também mostra determinação.

07/03/2013

ao final dos 16...

Diário particular, foi esse o blog que me marcou no meme lindo. Obrigado Ana fico muito agradecido em ter recebido, adorei também responder as perguntas! Vamos lá?

04/03/2013

Resenha: O guardião de memórias

O Guardião de Memórias
Poucos são os que gostaram do livros, e eu sou um desses poucos. É além de tudo um livro muito descritivo, apesar de ser bem curto. E em vários momentos leva ao leitor querer parar de ler, digo isso, porque comigo também aconteceu no começo, digamos que a história estava parada. Só que em meio aos sentimentos e desenvolvimento do enrendo, o livro começou-se a dar um prazer, uma vontade de querer ler mais. 

É sim um livro bem escrito e, um pouco antigo. Contém algumas palavras difíceis e não sei se isso contribui para a ignorância das pessoas sobre tal obra, para mim foi-se muito condizente os palavras e cenas feitas por Kim. Ao meu ponto de vista, chega até ser meio poético, quando uma pessoa acha que a solução é tentar apagar. O livro mostra como a mentira, a traição trás algo ruim. Com isso vem o arrependimento que nunca é tarde, para alguns personagens foram.

02/03/2013

A irmã negra.


01/03/2013

Aviso: sem internet novamente.

Oi?
Gente estou fazendo esse post via celular. Estou sem internet novamente. Espero que não me odeiem por isso. Logo o blog voltará normalmente. Trarei também o vencedor do sorteio, desculpas, mas espero que possam me entender. 

Obrigado. 


2012 - 2018 © Sete Coisas.