31/12/2013

Livros lidos em 2013

Janeiro:

01.Starters - Lissa Price
02. Dragões da Noite: O reino de Ava - Thiago Fernandes
03. Dragões da Noite: O segredo Final - Thiago Fernandes
04. 72 horas para morrer - Ricardo Ragazzo
05. Edissa - Paul Law
07. Designer em aprendiz 
06. A lenda de Hogni: O cinturão de Adhara - Will Donadon
08. Postais do coração - Ella Griffin 

fevereiro: 

09. O guia de campo - Holly Black, Tony DiTerlizzi 
10. Cores de Outono - Keila Gon
11. Cisne - Eleonor Hertzog
12. Delenda - Amanda Rerznor
13. Os filhos do tempo - Chaiene Barbosa

março:

14. O retrato de Dorian Gray - Oscar Wilde
15. A Linhagem - Camila Dornas
16. O maníaco do circo e o menino que tinha medo de palhaços - Leonardo Barros
17. Tesão - Tico Santa Cruz
18. Orgulho & Preconceito - Jane Austen
19. O começo do Adeus - Anne Tyler
20. Esperando por você - Suzanne Colasanti
21. Sohuem - Laura Elizia Haubert

Abril:

22. Decisões
23. O sobrinho do mago - C. S
24. As violetas de março - Sarah Jio
25. Never Sky - Veronica Rossi
26. Línguas de fogo - Karen Soarele
27. Fique comigo - Harlan Coben

Maio:

28. Apegados - Amir Levine e Rachel S. F. Heller
29. Sonhe mais - Jai Paush
30. A pousada Rose Harbor - Debbie Macomber
31. A sabedoria do Condado - Noble Smith
32. O livro do amanhã - Cecelia Ahrn
33. A luz através da janela - Lucinda Riley
34. Em busca de um final feliz - Katherine Boo
35. Lições de Vida - Anne Tyler
36. O soprador de vidro - Marina Fiorato
37. Divergente - Veronica Roth

Junho:

38.Torment - Lauren Kate 
39. Simplesmente Ana - Marina Carvalho
40. O guardião - Nicholas Sparks
41. Na companhia das estrelas - Petter Heller  

Julho:

42. A culpa é das estrelas - John Green43. O gato de rua chamado Bob - James Bowen
44. Insurgente - Veronica Roth
45. Bruxos e Bruxas - James Patterson
46. Vidas Trocadas - Katie Dale
47. Álbum de família - Nelson Rodrigues
48. Anjo Negro - Nelson Rodrigues
49. Só tenho olhos para você - Bella Andre

Agosto:

50. A origem do Lobo - Curtis Jobling
51. Branca de Neve e o Caçador - Holly Black
52. Como treinar o seu Viking - Cressida Cowell
53. São Bernado - Graciliano Ramos 
54. Pretty Girl-13 - Liz Coley
55. A menina que semava - Lou Aronica

Setembro:

56. Escândalo - Therese Fowler
57. A maldição da Pedra - Cornelia Funke
58. Wereworld: A fúria dos leões
59. Dois rios - T. Greenwood
60. Em busca de um final feliz - Katherine Boo
61. A outra vida - Susanne Winnacker
62. Brotherband: Os exilados - John Flanagan

Outubro

63. Cadê você Bernadette? - Marie Semple
64. Laços de Sangue - Richelle Mead
65. A 5ª onda - Rick Yancey
66. Seis coisas impossíveis - Fiona Wood

Novembro

67. Mago Aprendiz - Raymond E. Feist
68. Encarcerados - Alexander Gordon Smith
69. A seleção - Kiera Cass
70. Garota, interrompida - Suzanne Kaysen
71. O príncipe - Kiera Cass
72. Rose na tempestade - Jon Katz
73. Encarcerados - Alexander G. Smith
74. O Dom - James Patterson
75. Os invasores - John Flanagan
76. A queda dos Reinos - Morgan Rhodes
77. De coração para coração - Lurlene McDaniel
78. Solitária - Alexander G. Smith
79. Um motim no tempo - James Dashner

Dezembro:

80. Tipo destino - Susane Colasanti
81. A corte do ar - Stephen Hunt
82. Veneno - Sarah Pinboruogh
83. O Histórico Infame de Frankie Landau-Banks - E. Lockhart
84. Quando eu era Joe - Keren David
85. Barba Azul - Charles
86. A Elite - Kiera Cass
87. A sombra do Gavião - Jobling
89. A cidade dos Segredos - Sasha Gould
90.  O Lírio Dourado - Richelle Mead
91. Uma prova de amor - Emily Giffin
92. Compro, sim! Mas a culpa é dos hormônios  - Pedro de Camargo 

30/12/2013

Então, acabou


"E ai, 2013 valeu a pena?” Perdi pessoas que eu achava que não viveria sem, e ganhei pessoas que eu nunca imaginei que entrariam em minha vida. Ri até chorar, e chorei como se não fosse mais rir. Amei e desamei. Fui decepcionada, mas também decepcionei. Sonhei alto, cai muito, machuquei e me levantei. Senti saudade, morri de saudade, mas também deixei saudade. Disse coisas que não deveriam ser ditas. Me calei quando mais deveria ter falado. Chorei. Ah, como eu chorei! Mas também fiz pessoas chorarem. Briguei, brinquei e me arrependi. Guardei coisas bobas e deixei coisas importantes passar. Algumas vezes fui feliz, outras vezes triste. Me arrependi de coisas que disse, e disse coisas da qual não me arrependo. Xinguei, gritei e perdoei. Errei querendo acertar, e acertei quando achei que tinha errado. Acreditei no “Para sempre”, “Eu te amo” e “Conte comigo”, e também fiz pessoas acreditarem. Prometi coisas que não cumpri, e cumpri coisas que nem ao menos prometi. Perdi e ganhei. Sorri e chorei. Me ergui e desabei. Cresci e amadureci. E então volto a perguntar: “E ai, 2013 valeu a pena?” Valeu muito a pena! E convenhamos que se o tempo voltasse, faria tudo isso outra vez.

...e agora?
Dois mil e treze foi um ano cheio, marcado por diversos fatos que ficaram para história. Cheio de descobertas e aprendizados. Mas além de tudo foi um ano corrido. E chegou a hora de se despedir. Esse ano para mim foi marcado pelo fim do meu Ensino Médio e por mais uma luta: entrar numa Universidade. 

28/12/2013

Retrospectiva 2013: Dez melhores livros lidos




A SeleçãoKiera Cass, Editora Seguinte
A Seleção é um livro muito lindo, ele é bobo, mas é lindo. Sob a perspectiva vista dos olhos de America possibilita um mundo tão intrigante, as atitudes do príncipe Maxon também deixam a leitura ainda mais dinâmica. Kiera Cass domina as características de deixar o leitor curioso e fascinado.
— Avaliação total: ★★★★★ 



As violetas de marçoSarah Jio, Editora Novo Conceito
Esse livro esconde um verdadeiro mistério, mas essa a parte básica. Quando você entra na trama e segredos da família, caraca, você fica tão obcecado em ler e saber tudo, que a leitura acabada do dia para a noite. Com uma capa muito bonita e uma história semeada de amor e aventura.
— Avaliação total: ★★★★




A 5ª Onda, Rick Yancey, Editora Fundamento
Duas coisas me levaram a ler o livro: 1 a capa perfeita e 2 todo mundo estar falando bem. Além de uma capa bonita na estante fui presenteado com uma escrita viciante, feroz, espetacular e interativa. Eu nunca gostei de E.T's, mas quando fui apresentado a proposta de Rick, me apaixonei por toda sua temática e seus personagens, sendo eles humanos ou não!
— Avaliação total: ★★★★★ 



Divergente, Veronica Roth, Editora Rocco
Veronica Roth é autora de grande renome nos Estados Unidos, alcançando rapidamente o mais desejado New York Times, com o primeiro livro da trilogia.Divergente é um dos livros do ano, com sua forte presença distópica. Esse sim, é um romance cheio de ação, é superado pelo segundo, Insurgente. Os dois livros são bastante épicos e deliciosos. 
— Avaliação total: ★★★★★ 



A culpa é das estrelas, John Green, Editora Intrínseca
Existe um livro mais emocionante que esse? Somos atacados por esses personagens tão carismáticos e fofinhos. Acho que é impossível ler esse livro e não sentir uma gota de emoção. Não é pelo fato do autor usar uma doença para vender seus livros. Não é por ele usar o sofrimento alheio. Mas é por algo que... não sei explicar.
— Avaliação total: ★★★★★ 



Vidas Trocadas, Katie Dale, Editora Benvirá
Inimaginável foi como o livro poderia me tocar, me fazer tão bem e feliz. Nem passou por minha cabeça que o livro poderia me oferecer sensações mistas e críveis. Os personagens desta história são tão reais, mas tão irreais ao mesmo tempo. A história é simplesmente perfeita e te toca de um jeito incrível. 
— Avaliação total: ★★★★★ 




Mago Aprendiz, Raymond E. Feist, Editora Saída de Emergência
Simplesmente dentre os melhores que li tinha que ter uma leitura fantástica. Mago Aprendiz é uma história deliciosa, bem escrita e humorada. Mas acho que todo esse alvoroço e créditos de uma obra tão grandiosa quanto Mago Aprendiz se deve os seus personagens. Pois são eles com o seu jeito humano, cheios de falhas e qualidades, que fazem a história se tornar palpável.
— Avaliação total: ★★★★★ 




Cores de Outono, Keila Gon, Editora Novo Século
Cores de Outono é um dos romances mais delicioso lido nesse ano.Seus progonistas com suas personalidades e atitudes  severas, fortes, fofinhas . Além dos personagens e cenas bem construídas, não poderia ser diferente, Keila soube dar um foque também nos lugares não detalhando muito mais deixando uma vaga imagem em mente!
— Avaliação total: ★★★★★ 

Starters


Starters, Lissa Price, Novo Conceito
Uma leitura fácil, uma premissa e história incrível. Mas um pouco até cômico, é igual aquela frase: "se limpe que hoje vou lhe usar". Aconteceu uma guerra chamada: Guerra de Esporos que consistida em dizimar toda a população entre 20 e 60 anos. É uma história super recomendada. 
— Avaliação total: ★★★★★




Sob o céu do nunca, Veronica Rossi, Editora Prumo
Eu precisa de um livro, assim, que me atropelasse e me fizesse pedir bis. Chegar em um mundo totalmente desconhecido funcionou e inovou bastante. Outra coisa a destacar é a dosagem, Veronica ela incorporou toda uma estrutura, que pode-se dizer, certa. É como se não fosse daquela forma não teria graça, ela deixa você curioso para o fim.
— Avaliação total: ★★★★★ 




A maioria dos livros são de série, fazer o que se os autores querem escrever só série? Quais foram os melhores livros que você leu esse ano? Concorda com as minhas escolhas? 

26/12/2013

Retrospectiva 2013: Sete decepções literárias



Branca de neve e o caçador, vários autores, Novo Conceito
Eis que surge um livro a partir  de um filme, estava ansioso pela ler já que gostei um tanto do filme, mas pela primeira vez sou frustado por um filme melhor que o livro. A escrita seca dos autores não facilitam e não instigam o leitor, é um livro rápido, mas um livro sem emoções e ânimos. 
— Avaliação total: ★★★




 Tormenta, Lauren Kate, Editora Record
Após uma leitura o quanto boa de Fallen, comecei a ler Tormenta, foram duas tentativas falhas, mas na terceira consegui ler. Tornou-se decepção, porque a autora rodou demais, deixou cansativo e massante. Os seus personagens: Luce, Cam e Daniel se tornam chatos e sem graça, todo o apreço por Fallen continuou nele e após a leitura do segundo volume decidi abandonar a série de vez. 
— Avaliação total: ★★


Bruxos e Bruxas, James Patterson, Editora Novo Conceito
Esse foi um livro que estava muito muito ansioso para ler, a sensação em ter o livro foi tão grande que quando ele chegou comecei a ler imediatamente. Porém tudo o que esperava do livro não foi cumprido, seus personagens não conseguiram me conectar o humor fraco e forçado só deixou a leitura ainda mais cansativa. O que salva é a escrita de James Patterson, ele sabe como manter o leitor até o final do livro. Ainda frustado com o primeiro volume da série, fiquei com vontade de ler O Dom, o segundo volume. 
—  Avaliação total: ★★★


O Dom, James Patterson, Editora Novo Conceito
Não, a série não melhorou. A expectativa que a série poderia melhorar e que James Patterson acordasse e desse vida aos seus personagens foi frustada pela uma segunda vez. A corrida dos jovens Allgoods continuam numa interminável luta, o livro não acrescenta muita coisa na série e os personagens não aprendem nada e ficam no mesmo lugar.  
— Avaliação total: ★★★

Tesão

Tesão, Tico Santa Cruz, Editora Belas Letras 
Apesar de ter falado na resenha que Tesão é um livro bom, ele não passa disso. Sabe, é apenas diversão, sexo por sexo, não é oferecido um um chamego pelo livro. É apenas algo rude, agressivo e blé. Tico Santa Cruz deve ficar mais na carreira musical, mas talvez ele tenha feito sua proposta de fazer nada mais que algo simples. 
— Avaliação total: ★★



Liçoes de Vida, Anne Tyler, Editora Novo Conceito 
A verdade é que mesmo não tendo gostado do primeiro livro que li da autora, O começo do Adeus, eu estava ansioso para ler Lições de Vida, comparado a minha primeira leitura a escrita e os recursos da autora foram mais trabalhados, mais detalhados. Mas o livro não passa de uma leitura apática, não instiga o leitor e também não deixa-o curioso. É uma vida típica da uma vida americana. 
—  Avaliação total: ★★★



O poder da espada, Joe Ambercrombie, Editora Arqueiro
Outro livro que eu estava muito ansioso para ler,  é aquele tipo de livro que parece caminhada, uma hora você corre com a leitura e outra você anda com a leitura. Assim, teve horas que a leitura se demonstrava legal e interativa, mas também houve horas que a leitura se igualava a algo demorado, lento e mesquinho.
—  Avaliação total: ★★★

Concordam comigo? Quais foram as suas decepções deste ano?

24/12/2013

Uma lista de natal em cima da hora,



TOP 1: O caminho do JEDI - Nunca falei aqui no blog que sou um pouco fã de Star Wars, The Jedi Path, foi lançado recentemente. Mas desde quando descobri a existência dele em inglês sinto vontade em lê-lo. Ele entrou no top, porque em 2014 eu já quero estar com esse livro e poder ler ainda em 2014. A Saga Star Wars é um dos maiores fenômenos de todos os tempos, não é novidade. Os personagens são mania mundial, também não. Para apimentar mais essa febre e satisfazer um desejo antigo dos fãs, é lançado O Caminho Jedi, manual de treinamento da Ordem. O livro funciona como um almanaque dos guardiões da paz nas galáxias. Nele são apresentados os maiores mestres, a história dos clãs, os armamentos, o vestuário, os golpes de lutas, entre outros.  Em O Caminho Jedi, o leitor vai desvendar os segredos e partilhar do conhecimento passado de geração para geração - aprendendo, inclusive, as nuances do combate de sabre de luz e a hierarquia Jedi. Além disso, conhecerá novos personagens, novas criaturas e novas naves. Passado de mão em mão de Mestre para Padawan, de Yoda e Obi-Wan Kenobi para Anakin e Luke Skywalker, este exemplar recebeu as anotações de cada Jedi que tocou e estudou suas páginas - adicionando suas experiências pessoais e as lições aprendidas.

TOP 2: O livro dos Sith - E para me enfartar de vez, também será lançado o livro dos inimigos dos Jedi. Caraca, por favor me dê esse livro! Manual de treinamento do lado negro da Força, em que são apresentados os maiores mestres, o surgimento do clã, os armamentos, o vestuário, os segredos obscuros, entre outros. O livro funciona também como um almanaque. Capa dura e ilustrado.

TOP 3: O jogador nº1 - Após a Nini falar muito desse livro, me senti mais que necessitado em ler. O livro parece ter uma temática muito perfeita e legal, daqueles livros de prender o leitor até o final. Cinco estranhos e uma coisa em comum: a caça ao tesouro. Achar as pistas nesta guerra definirá o destino da humanidade. Em um futuro não muito distante, as pessoas abriram mão da vida real para viver em uma plataforma chamada Oasis. Neste mundo distópico, pistas são deixadas pelo criador do programa e quem achá-las herdará toda a sua fortuna. Como a maior parte da humanidade, o jovem Wade Watts escapa de sua miséria em Oasis. Mas ter achado a primeira pista para o tesouro deixou sua vida bastante complicada. De repente, parece que o mundo inteiro acompanha seus passos, e outros competidores se juntam à caçada. Só ele sabe onde encontrar as outras pistas: filmes, séries e músicas de uma época que o mundo era um bom lugar para viver. Para Wade, o que resta é vencer – pois esta é a única chance de sobrevivência.


4º: Convergente - Após o incrível enredo de Insurgente, eu mais que necessito ler Convergente, mesmo sabendo que é um livro triste, eu preciso ler, todo nós precisamos não é? Morrendo de desejo. Uma escolha irá te definir. E se todo o seu mundo fosse uma mentira? E se uma única revelação - assim como uma única escolha - mudasse tudo? E se o amor e a lealdade fizessem você fazer coisas que jamais esperaria?

5º: Scott Pilgrim Contra o Mundo, vol.1 - Eu já li esse livro, é uma leitura rápida por ser ilustrado e tal, é como um gibi. Gente é uma história muito engraçada e os personagens são tão idiotas, me identifiquei com essa história logo de cara! Scott Pilgrim está feliz com sua preciosa vidinha. Aos vinte e poucos anos, esse canadense levemente excêntrico divide os dias entre o ócio do desemprego voluntário e os ensaios de sua banda de rock, a improvável Sex Bob-Omb. Combinando elementos dos universos do videogame, do mangá, dos filmes de kung fu, da música e do cinema às grandes questões do amor jovem e do início da vida adulta, O'Malley criou um mundo vibrante, com um humor tão particular - e desconcertante - quanto os personagens que o habitam.

6º: Scott Pilgrim Contra o Mundo, vol. 2 - Eu preciso ler esse livro, após a leitura do primeiro virei fã da série! Neste segundo volume das aventuras de Scott Pilgrim: ninjas, rock’n’roll canadense, vegetarianismo radical e lojas de departamento satânicas. A vida de Scott Pilgrim parece estar se acertando. De saída, ele já mandou para a lona dois dos ex-namorados do mal de Ramona Flowers.

7º: Scott Pilgrim Contra o Mundo, vol.3 - Mesmo caso do segundo volume. Mesmo que não aparente, Scott Pilgrim deu passos importantes em direção à vida adulta. Ele já tem um emprego, mora com a namorada, Ramona Flowers, sua bandinha de garagem percebe que não tem futuro e ele consegue até assumir a responsabilidade de criar um gato. Já era hora, pois Scott acaba de completar 24 anos. Mas mesmo aos 24 você pode participar de festas a fantasia temáticas - como a festa dos políticos-canadenses-por-volta-de-1972-que-na-verdade-eram-Batman - regadas a tequila, intrigas e lutas com robôs.

Se quiser meu endereço e me deixar muito feliz, peça nos comentários! 

22/12/2013

Resenha: "Seis coisas impossíveis", de Fiona Wood

Seis Coisas ImpossíveisAutora: Fiona Wood
Editora: Novo Conceito
Páginas: 272
Avaliação: ★★★★
Um choque de realidade, de cada vez, por favor.
Suas únicas distrações são sua vizinha perfeita, Estelle, e uma lista de coisas impossíveis de fazer, como: 
1. Beijar a garota. 
2. Arrumar um emprego. 
3. Dar uma animada na mãe. 
4. Tentar não ser um nerd completo. 
5. Falar com o pai quando ele liga. 
6. Descobrir como ser bom e não sair abandonando os outros por aí... 

Mas impossível mesmo será: 
1. Não torcer para que Dan supere seus problemas. 
2. Não rir muito com os devaneios dele. 
3. Não querer ter um cachorrinho como Howard. 
4. Não desejar que a mãe de Dan encontre a felicidade. 
5. Parar de ler este livro. 
6. Não querer abraçar o livro depois de tê-lo terminado.

''Seis coisas impossíveis''  é um daqueles livros rápidos de um ou dois dias - no meu caso um. Possui uma escrita leve, calma, sádica e é perfeita para passar o tempo. Te tira da rotina com sorrisos singelos. Além de retratar bastante a atualidade - escolhas sexuais/homossexualidade - é trazido um conforto pela visão de um adolescente em plena puberdade, cujo problemas só pioram cada vez mais com o avanço da leitura. 

Fiona Wood possui um escrita que destaca - por esse ser o seu primeiro livro e não só por isso - pela maneira inusitada e maestria da autora em abordar diversos assuntos em uma trama, como resolver vários problemas de uma lapada só. 

Publicado em outubro de 2013, a aposta da Editora Novo Conceito foi eficaz, para mim. As duzentas e setenta e duas páginas passam muito rápido e nem me dei conta que já tinha acabado, construído de uma simplicidade, mas cheio de reviravoltas. Uma delícia. 
"O importante não é aquilo que se tem, mas o que se faz. É claro que nós já sabemos disso em teoria, mas tivemos a sorte, sim, de poder testar essa teoria. E é verdade mesmo." Página 220
A ironia de Dan contribui para a eficácia de todo o livro, deixo-o alegre e descontraído, o personagem em si é engraçado, maduro e completamente abaladiço. A autora preservou os traços masculinos e não os tirou de Dan, com isso nota-se o empenho que Wood teve para criar um personagem de sexo oposto, visto que seria mais fácil criar um personagem de seu mesmo sexo. Desde o começo ao fim do livro, Dan se encontra apaixonado e com a autoestima lá pra baixo, invés de ser uma leitura depressiva, dos problemas do protagonista o leitor tira as demasiadas risadas.

Seis coisas impossíveis: é um livro muito bom e proporciona uma leitura muito dinâmica - capítulos rápidos sem muitas delongas. Uma das coisas impossíveis é deixar de indicar esse livro, por mais que seu enrendo não seja tão grandioso, a habilidade da autora em conduzir a história e o modo que promove os acontecimentos nos deixa bem feliz.  
"Olho para baixo. Minha calça também está curta demais. Isso é bom. Pelos no rosto, nariz inchado, olho roxo, roupas que não me servem direito - esse lance de me tornar um cara descolado está dando super certo" Página 83

20/12/2013

Resenha: A Queda dos Reinos

Autora: Maorgan Rhodes
Editora: Seguinte, 2013.
Páginas: 408
Avaliação: ★★★★★
Série: A Queda dos Reinos, volume 1.

A queda dos  Reinos é o primeiro livro da série que recebe o mesmo nome, o livro introdutório de um mundo criado por Morgan Rhodes, chamado Mytica. Esse mundo é basicamente divido em três nações: os limerianos (Limeros), os paelsianos (Paelsia) e os auranos (Auranos) e banhado pelo Mar Prateado. A convivência entre esses três reinos é bastante instável e uma paz delicada. Paelsia é o reino mais pobre dos três, só não foi esquecida ainda por seus famosos vinhos que não deixam ressaca. Limeros é um reino mediano, não é pobre nem rico, mas este junto com o primeiro não aceita a glória e a riqueza Aurana. 

A queda dos reinos é constituído de um equilíbrio frágil, que passa a ser ameaçado ainda mais quando um voltinha aurana acaba deixando um morador de Paelsia morto. Isso foi o pontapé para começar uma revolução pelos três reinos. Juntando vários destinos, entrelaçando-os vidas dos personagens Cleo, Jonas, Lucia e Magnus. A magia é o miolo do livro, do enrendo. A magia já foi esquecida por todos que habitam Mytica. Mas para alguns a magia acontecem de forma inesperada, profecias começam a se cumprir. A magia, logo se torna algo indispensável pela guerra que apenas começou no primeiro livro.  

"Até mesmo dentro da pessoa mais sombria e cruel ainda há uma ponta de bondade. E dentro do virtuoso mais perfeito também existem trevas. A questão é: a pessoa cederá às trevas ou à luz? É algo que decidimos com cada escolha que fazemos, todos os dias de nossa existência. O que pode não ser maldade para você, pode ser para outro. Saber disso nos torna poderosos mesmo sem magia."

Toda a supremacia desse livro se deve, sem dúvidas, aos seus personagens. Ricos em imperfeição, cheios de si e construídos de vários sentimentos, todas as características que os formam humanos foram acrescentadas no enredo. A história também se destaca assim como seus personagens, construída em torno de mitos e guerras, estipulada em vingança, tragédias e espereça. 

Não amar a escrita de Morgan é difícil, no começo do livro você pode até repudir a obra: uma descarga em cima do leitor com vários nomes, personagens, conflitos. Contato pela perspectiva de uma terceira pessoa que visa contar a história pelas diversas nações e por personagens que se destacaram em cada local.  Rhodes propôs algo interessante, você vai ficar no lado de alguém, seja dos Paelsianos, Lemerianos ou dos Auranos. Mas o que eu quero é que tudo se resolva e que as mortes e a guerra acabe logo,  não é isso que autora quer. Ela planejou um final fatal que vai deixar o leitor encabulado, querendo uma continuação, com o coração palpitado e dizendo: porrrrrquê? 


Todo o trabalho que a Editora Seguinte teve em deixar essa leitura prazerosa deve ser contada. Além de ser uma história magnifica, a diagramação veio super detalhada, o livro veio acompanhando de uma capa linda e que deixa dúvida de quem seria na capa. E, com o final de A Queda dos Reinos, estou louco para começar a ler A Primavera Rebelde!

Sorte a minha que a continuação já está a venda nas melhores livrarias do Brasil, corra e garanta o seu. 

18/12/2013

Resenha: "Quando eu era Joe", de Keren David

Autora: Keren David
Editora: Novo Conceito, 2014.
Páginas: 318
Avaliação: ★★★★★
Série: Joe, volume 1.

Quando eu era Joe é o primeiro livro de uma trilogia que promete bastante. O primeiro livro nocauteia o leitor logo nos primeiros capítulos com um suspense intrigante e delicioso. A ficção de Keren David se aproxima e enrola com a realidade, é inevitável não sentir algo sobre a escrita incrível que retrata a angústia de uma família londrina. 
"Como é possível viver mentindo sobre todas as coisas?" 
Ty não me conquistou no começo, e vocês podem encontrar uma contradição entre o primeiro paragrafo e este. Mas eu falo de Ty, o personagem principal, quando o progresso das páginas começou a me extasiar percebi que não devo julgar antes de conhecer. O livro conta a história de um garoto que foi obrigado a esquecer sua vida e passar a viver como outra pessoa após ser colocado em uma programa de proteção à testemunha, logo o leitor é inserido na sua trágica história, o que, ao meu ver, é um bom augúrio para se aproximar do protagonista instantaneamente. Ao receber um novo visual, novo nome, nova ID e ter que começar a estudar numa nova escola, ele vê a oportunidade de começar uma vida totalmente diferente. Deixando Ty-o-nerd-solitário-rejeitado para trás e passando a ser Joe: o descolado, namorador e o desejado por todas as meninas da sua escola. No começo Ty acha ruim a ideia de constituir um novo ser, mas logo ao ver a fama e poderio sob os outros, vê-se impossibilitado de algum dia deixar de ser Joe-o-que-tem-tudo-o-que-quer. 
"E naquele momento, ainda não entendia como ou por quê, mas um pouco da minha certeza interior, da minha felicidade, morreu naque dia. Não foi a melhor maneira de começar em uma nova escola."
Esse não é um tema que agrada todo mundo, mas acho que quando a pessoa ler vai quebrar os preconceitos logo de cara: somos inseridos na realidade de gangues, gangster e tudo mais. Com direito a assassinato no começo do livro que instiga o leitor deixando-o atordoado — você não sabe o que realmente aconteceu, por mais que o Ty tenha estado perto de assassinado, ele conta e desconta para você o que viu ou fez. 

Tyler/Joe é um personagem que se destaca de longe de todos os outros criados por David. Um. Por a história ser abordada em primeira pessoa e. Dois. Mesmo que seus personagens sejam bem elaborados e envolventes nenhum se iguala a Ty, mas isso também pode se dever porque o protagonista não ofusca muito o que acontece ao seu redor, somos encaminhados num 'young adult' sob os olhos do menino Ty e do quase homem Joe.   
"Ela se senta e gesticula para eu me sentar ao lado dela. O que faço agora? Coloco o braço em volta dela?"
Karen David acabou de entrar para o ramo literário com esse livro? Estou impressionado como a escrita dessa autora faz com que a leitura seja tão voraz e feroz, que tira sono e deixa você pensando e pensando. O que me intriga também é o fato de ser uma autora mulher, o fato de ela incorporar um personagem homem e dar a ele vida, virtudes e defeitos. E isso, por encontrar um personagem tão humano e misterioso é impossível largar esse livro antes de terminá-lo. Tyler/Joe é um personagem bastante confuso, proporciona horas de acolhimento e repudiamento. O leitor fica ali na sensação de gostar e odiar, de chorar ou espancar. 

Altamente recomentado, uma leitura incrível apresentada por um protagonista de apenas quatorze anos. 

16/12/2013

Resenha: Tormenta

Autora: Lauren Kate
Editora: Galera Record, 2010
Páginas: 392
Avaliação: ★★★★★
Série: Fallen Novels, volume 2.

Após um prazer oferecido pelo primeiro livro da série de cinco volume, Fallen foi um livro muito convincente em todos os aspectos. Uma leitura deliciosa e tão instigante se resumiu em expectativas enormes para a continuação.  

Em Tormenta, a leitura por muitas vezes passou-se por arrastada, cansativa e massante. Eu acho que o livro poderia se resumir bastante, são quase 400 páginas de enrolação e chateação. Os personagens tão amáveis em Fallen passaram ser bastante apáticos no segundo: Luce fica indecisa se gosta do Daniel, fica muito tempo filosofando sobre o romance dos dois, deixando sempre a dúvida se eles darão certos juntos.  Para manter Luce a salva dos malignos, Cam e Daniel fazem uma trégua. A  menina fresca, infantil e inocente do primeiro livro vai amadurecendo e recompondo um lugar real dentro da história, somos apresentados a novos personagens - estes sendo mais legais que os próprios protagonistas e mantendo a leitura boa.
"A lua era como um holofote, iluminando apenas os dois. Luce ria de pura alegria, tanto que Daniel começou a rir também. Ela nunca havia se sentido tão leve." Página 108
Para ler Tormenta necessitei de três tentativas, sendo que na terceira consegui terminar o livro. O fato é que não vou prosseguir com a série. A proposta é legal, é desenvolvido uma vasta história dos personagens, mas não consigo me manter conectado com os personagens, nem me interessar pelas intenções e ações deles.  Poucas coisas salvaram este romance e me sinto triste em dizer isso, pois a leitura tão agradável do primeiro livro se  desfez nesse. Fico me perguntando: O que aconteceu? 

"Ela fechou os olhos. Disse a ele o que queria ouvir. A escola estava bem. Ela estava bem. Os lábios de Daniel tocaram os dela outra vez, brevemente mas com ardor, até que todo o seu corpo estivesse formigando.

- Tenho que ir - disse ele, finalmente. - Eu nem deveria estar aqui, mas não consigo ficar longe de você. Eu me preocupo a cada momento. Eu te amo, Luce. Tanto, que dói."

14/12/2013

Resenha: Solitária

Autor: Alexander Gordon Smith
Editora: Benvirá
Páginas: 264 páginas
Avaliação: ★★★★★
Série: Fuga de Furnace, volume 2.

Quando acabei de ler Encarcerados fiquei intrigado com o que poderia acontecer com o personagem, parecia que tudo tinha dado certo no fim do livro, mas Solitária, o segundo livro dá série Fuga de Furnace, continua a história exatamente onde tinha parado e logo vemos que a fuga do jovem Alex e seus amigos não passaram de um desejo infantil e ignorado. Fuga de Furnace é uma série que contém uma escrita muito flexível e deliciosa. Smith sabe conduzir o leitor para um buraco que ele não consegue sair e nem deseja. 

Após sirenes, mortes, sangue e seres modificados. Alex, Toby, Zê e Gary tentam fugir das entranhas de Furnace. Por mais que seja impossível, acreditei que os jovens teriam uma liberdade, que denunciariam o que acontece dentro da Penitência — nome que é só fachada, porque aquilo está 1000x pior do que os campos de Hitler. Mas não adianta você fazer planos para que os personagens vivam felizes para sempre. Alexander Gordon Smith não tem dó e muito menos piedade do seu protagonista. Se o autor perceber que dá para extrair mais uma gota de terror do leitor e de seus personagens ele não hesitará em fazer. 
"É como se uma água escura tão fria quanto o gelo se infiltrasse em seu corpo. Onde antes costumavam estar seu sangue e sua essência, extraindo todos os outros sentimentos de você, enquanto o consome dos pés à cabeça. Você fica oco por dentro.”
Adentramos ainda mais na 'Hospedaria' Furnace, mas o que fica evidente é a cabeça de Alex. Todos os seus pensamentos, sua loucura e sua falta de opção em como sair de lá, deixa expectativas de que a única forma para se libertar de dentro do inferno é se matando — a Furnace sempre está preparada, você não morre se eles não desejarem que você morra, você sofrerá até deixar de ser você. 

Em Encarcerados já dava para sentir o sofrimento, mas em Solitária a dor e o medo são tão palpáveis quanto os mistérios que continuam aparecendo dentro da Furnace. A esperança, a luta, a frustração é o que motiva o leitor a continuar com a leitura e faz ele desejar pelos próximos livros. Alexander também contribui pelo feito do  livro, com sua escrita super envolvente e rude. Que sabe intercalar as dosagens de medo, pânico e deposita gotas de salvação no meios das páginas. 

O que tinha no primeiro volume da série, terá duas vezes mais no segundo. O aspecto introdutório é largado um pouco de lado, para dar enfase na porrada, ação, planos e sacrifícios.  É uma leitura rápida, instigante e que não pode deixar de ser recomendada para aqueles que amam um cenário distópico e que não tem dó de um garoto como Alex. 
"Morreríamos ali, da maneira mais lenta e angustiante possível. Isso não poderia acontecer; o mundo lá fora precisava saber… Só que eu nem sequer fazia ideia de que o mundo lá fora continuava a existir. Para ser honesto, já não tinha certeza se algum dia existira. Havia apenas Furnace. Ela era nosso mundo, nosso túmulo, nosso inferno." Página 56
 ...leia a resenha dos outros volumes: 

➌ ➍ ➎

12/12/2013

Resenha: Brotherband – Os invasores


Autor: John Flanagan
Editora: Fundamento
Páginas: 335
Avaliação: ★★★★
Série: Brotherband, volume 2. 
"Nós podemos mudar de roupa, mudar de ideia, mas não podemos mudar o tempo" Página 39
Os Invasores é o segundo livro da trilogia Brotherband; após o final maldoso de Os Exilados, John Flanagan deixou grandes expectativas para o segundo livro. Pode dizer que as expectativas prometidas foram capazes de me deixar bem intrigado para o próximo volume.

Após o Andomal ser roubado somos trilhados a uma busca incansável a mar aberto para  pegar o que foi roubado pelo nau pirata de Zavac. A inteligência e criatividade mais uma vez será provada da parte de Hal e seus amigos, como a maioria deles não são tão fortes apenas a força craniana poderá ajudar os jovens tripulantes do Garça.

10/12/2013

Resenha: "O Dom", de James Patterson e Ned Rust


Autores: James Patterson e Ned Rust
Editora: Novo Conceito
Páginas: 288
Avaliação: ★★★★★
Série: Bruxos & Bruxas, volume 2.

Resenha livre de spoilers.
Apesar de ter ficado frustado com o primeiro livro, Bruxos e Bruxas; estava ansioso para ler O Dom, contando que iria melhorar de um livro para o outro. Acabei sendo frustado novamente com a série do tão tão James Patterson. O que me faz conseguir terminar o livro é a escrita espetacular e deliciosa do autor, a forma de como ele consegue manter leitor tão gamado e conectado ao livro, mesmo que, seus personagens não chamem tanta atenção.

Lançado em 2013, dando continuidade a nova série de Patterson, O Dom continua a história de onde parou: a correria e a luta dos irmãos Allgoods pelas injustiças que sofreram, foram arrancados de casa, seus pais possivelmente podem estar mortos, personagens do primeiro livro deixam de estar presentes, Margô, por exemplo. Juntando forças e aumentado a Resistência contra O Único que é o Único, os jovens serão traídos e coisas sem sentindo começaram a acontecer, cujo os somente os irmãos saberão o que fazer e devem tomar cuidado para não enganarem a si mesmos. A busca incessante pelos pais e por um novo mundo vai se mostrar bastante desfavorecida e infantil, eles ainda não estão preparados.

Os capítulos continuam sendo intercalados entre a dupla Allgood, no primeiro exemplar, essa alternância favoreceu bastante a trama, o contato do leitor com os personagens. Mas no segundo, os capítulos curtos deixaram a desejar na narração - as vezes até os próprios protagonistas cortavam as falas um do outro.
"É por isso que assustamos a N.O., não é? É isso que temos e eles não têm. Nós temos esse dom" Página 78
A Série Bruxos e Bruxas, é escrito por James Patterson em parceria com diversos autores, os autores não se esforçaram tanto para fazer algo legal, parece tudo muito forçado, o humor, o cenário, os personagens. A sua trama é bastante jovial, parece que o personagem está conversando com você - e está -, mas os detalhes, a emoção da coisa, o sentimento, são todos vagos, sem intensidade. Isso acabou não proporcionando um vínculo entre eu e o livro. Os personagens levam muito na brincadeira. Nesse segundo livro, sem sombras de dúvidas, a brincadeira com xaradas e coisas sem lógicas (e desnecessárias) é  frequente e em alta dosagem. A história corre, corre, corre, mas nunca chega à lugar algum. Sabe aqueles filmes cômicos e pitorescos sem muita lógica? O dom, assim como Bruxos e Bruxas, se encaixam perfeitamente nesse contexto.

A verdade é que por mais que eu meta pau na obra vou querer ler os outros livros - cinco ao total - por dois motivos: 1º tenho que saber até onde isso vai dar e 2º espero milagrosamente que melhore, que tenha explodido uma bomba de criatividade e ânimo para esses autores. Mesma nota tanto para o primeiro quanto para o segundo, será que teremos três estrelas para os próximos volumes da série não-tão-distópica? 
“- Sei que às vezes você finge que já fez coisas que só leu em livros.
- Mas não é um fingimento total. Quando você lê um livro bom, meio que acaba fazendo as coisas sobre as quais leu.”
Em suma, o livro tenta abordar vários assuntos: romance, distopia, fantasia, comédia, bruxaria, mas não foi ostentado um palco para tantos assuntos, logo, não teve nada sério. A escassez de páginas e de mais história é condizente com a deficiência de tentar manter e entrelaçar todos os conteúdos citados no começo do parágrafo. Por fim, se deixou a desejar? Demais. ˇ︿ˇ

08/12/2013

Resenha: "Rose na tempestade", de Jon Katz



Autor: Jon Katz
Editora: Novo Conceito
Páginas: 235
Avaliação: ★★★★
"O trabalho dela jamais fora mais claro, nem seu objetivo tão intenso em cada parte de si."
Rose é uma Border Collie das mais simpáticas, além de ser super esperta, só pensa em trabalhar. Rose não gosta de ser mimada, para ela o que é importante é cuidar das ovelhas, manter a fazenda em ordem. Mas toda a calmaria muda quando uma tempestade e um inverno bastante forte interrompe a vida cotidiana dos moradores do interior.

O livro não tem nada de ''Babe, o porquinho atrapalhado",  é contanto em perspectiva da cadela, mas não é como se ela contasse a história - e ela não é um ser animado, quero dizer, ela não fala. Escrito sob a ótica de um autor oculto, no começo da leitura é algo estranho, pois o autor põe emoções e pensamentos que Rose tem, parece ser até algo muito engraçado, o leitor vai logo acostumando com o ritmo.
“Examinou-o com atenção, o focinho virado para ele, farejando a tristeza e o sofrimento, o pesar que brotara de dentro do dono havia algum tempo e fazia agora parte cotidiana dele”.
Os gatos nunca me conquistaram, mas com os cachorros meu entrelaçamento afetivo-animal se torna outro, cães são tão fofinhos, brincalhões, amigos... Rose é tudo isso e mais um pouco, poderia sair me debulhando em lágrimas nesse livro se não fosse por pouco, por muito pouco mesmo. Rose me ensinou bastante coisa, sabe, todos os animais tem uma sensação, eles sabem quando nós estamos aflitos ou felizes e eles reagem de acordo como transferimos nossos sentimentos à eles.

  

Existem livros que são feitos para sorrir e se passar somente como entretenimento, mas tem outros que a realidade é totalmente diferente, cujo buscam representar algo e nos ensinar. Rose na Tempestade se encaixa no segundo contexto, a amizade, fidelidade e confiança são as palavras mais adeptas para esse exemplar. A magnitude se teve ao relacionamento de cão e dono, de Rose e Sam, que estão e estarão sempre juntos - por mais que seja somente literário. O sentimento mútuo entre os dois é tão forte que a impossibilidade de ser verdadeiro é descartada. 

au au au...

06/12/2013

Sete motivos: para você ler Esc@ndalo


Eis que nasce uma nova categoria no blog. Vou dar sete motivos para você querer ler o meu mais novo favorito "Esc@ndalo" de Therese Fowler. O livro será publicado pela Editora Novo Conceito, em outubro de 2013. Trazendo consigo o romance mais épico de todos os tempos, o casal mais conhecido e aclamado de todas as eras, “Romeu & Julieta” do tão tão Shakespeare. Não é uma história paródico-shakespeariana, não há aparições de personagens de Shakespeare, mas sim influência sobre o enredo e principalmente sobre as emoções dos protagonistas de Fowler.

- Escândalo trás de volta o romance já a muito tempo conhecido, de uma forma atual e inovadora. A peça teatral shakespeariana nos dias atuais.

- É além de tudo um livro que parece só proporcionar tristeza, mas no eloquente é um livro que preenche o leitor de uma felicidade insaciável.

- Apesar de ser escrito em terceira pessoa, você ainda assim fica muito próximo dos protagonistas, Amelie e Anthony. E é impossível não gostar do segredo enamorado dos dois. 

4º - Em geral os personagens que protagonizam o escândalo são profundos e bem escritos. Não tem como serem escritos em poucas palavras, e sem objeções, isso torna a leitura bastante prazerosa. 

- Fowler baseada na história de seu filho, faz repensar os nossos valores e diferenças entre cada ser. E se que vale a pena desistir da nossa felicidade mesmo que o sistema mundial esteja contra ou até mesmo por termos opiniões e ideologias diferentes a quem amamos.

- Será que ainda existem romances e amores tão loucos que sobrevivem as eras atuais? Será que existe um amor verdadeiro?

- Olha para esse quote:
"Ele viria em busca da garota – decidiu ela, numa nova guinada da história – cuja voz fora roubada por uma maldição. Ele chegaria de alto-mar sob um céu sem lua e, depois de remas um bote silenciosamente pelo mar calmo, de algum modo encontraria o caminha até a beira do penhasco e entraria no quarto dela enquanto dormia. Ela o ouviria e acordaria, e, de algum modo, saberia que não deveria ter medo; no entanto, ela fingiria dormir e esperaria pela descoberta. Ele acenderia uma vela em sua mesa de cabeceira, abriria as cortinas e a veria ali, o cabelo espalhado sobre o travesseiro, os cílios escuros descansando sobre as bochechas, em então se inclinaria a lhe beijaria os lábios, tão suavemente que uma garota adormecida poderia confundir o beijo com uma aragem que conseguir abrir caminho através das cortinas. Ele a amaria intensamente, amaria totalmente. Ele a levaria consigo. Isso era o que era sonhava.” Página 228

04/12/2013

Resenha: "Marley & eu", de John Grogan


Autor: John Grogan
Editora: Ediouro
Páginas: 304
Avaliação: ★★★★★

A obra é uma vida narrada e muito bem elaborada, trata do cão mais bagunceiro de todas as tramas e que mudou em completo a vida de seus donos. Marley, um labrador, foi adotado por John e Jenny. Ambos já haviam criado cachorros e tinha aquela meiga experiência com cachorros carinhosos e bonzinhos. Logo após o bem sucedido casamento, foi para Flórida, e depois que Jenny matou uma plantinha afogada, ela se sentiu muito carente e queria testar seu lado maternal. 

Certo dia, conversando, resolvem adotar um cãozinho e mais que depressa vão à casa de uma criadora de labradores e escolhem um filhote que acabara de nascer, viram a mãe dos cachorrinhos calma e as esperança de ter novamente um cachorrinho dócil em casa começaram a crescer. Ainda assim, se assustaram em ver a figura de outro cachorro, que era o pai, muito alegre e extrovertido, o que eles nem imaginavam era que Marley seria exatamente como seu pai.

02/12/2013

Resenha: O Teorema Katherine

Autor: John Green
Editora: Intrínseca, 2013.
Páginas: 304
Avaliação: ★★★★★ 

Quando se trata de garotas, todo mundo tem seu tipo. O de Collin Singleton não é físico, mas linguístico: ele gosta de Katherines. E não de Katies, nem Kats, nem Kitties, nem Kays, nem Kates, nem – Deus o livre – Catherines. K-A-T-H-E-R-I-N-E. Já teve dezenove namoradas, e cada uma delas – individualmente falando – terminaram com ele.

“Prodígios conseguem aprender rapidamente que outras pessoas inventaram; gênios descobrem o que ninguém descobriu. Prodígios aprendem; gênios realizam. A maioria das crianças prodígio não se torna gênio na idade adulta. Collin tinha quase certeza que fazia parte dessa maioria desafortunada”.

30/11/2013

Resenha: Garota, interrompida

Autora: Suzanna Kaysen
Editora: Única, 2013
Páginas: 190
Avaliação: ★★★★★

Eis que surge mais uma proposta literária, lançado em 2013, pela Editora Única. Garota, interrompida vem com uma realidade totalmente diferente do que estou acostumado - fantasia, ficção, romance, aventura, distopia... -, o livro é pura biografia, porém não é monótono, muito menos chato. 
Interrompida durante a música dos 17 anos, um momento congelado no tempo mais importante que todos os outros momentos, quaisquer que fossem ou que viessem a ser. Quem pode se recuperar disso?
Sempre hesito em começar uma biografia, por achar que esse campo literário ser bastante boring. Mas o livro de Suzanna não parece com um livro não-ficção, muito pelo contrário, se não fosse por pesquisas acho que nem saberia que era uma história vivenciada pela própria autora.  No começo do livro achei algo muito pitoresco e perturbador, a autora não poupou em revelar sua rotina dentro do hospício: suas amigas e suas atividades. Mas logo acostumamos com a vida da autora e de suas 'loucuras'.

28/11/2013

Resenha: Encarcerados

Autor: Alexander Gordon Smith
Editora: Benvirá, 2012.
Páginas: 296
Avaliação: ★★★★★
Série: Fuga de Furnace, volume 01.
"Desafio até mesmo o adulto mais corajoso a passar uma noite em um lugar como a Penitenciária de Furnace, no mais escuro breu, sem pensar que cada ruído é algo bem atrás de você, com dentes como punhais. olhos prateados e hálito exalando sangue; que todo sopro de ar que percorre sua pele é a investida de uma lâmina implacável; que cada mínimo movimento é um fio de escuridão se envolvendo em sua garganta e se enroscando na profundidade de suas entranhas, onde vai se banquetear com a sua alma. Página 87
Encarcerados é um livro tenebroso e assustador, mas nada impede ler esse livro de maneira tão feroz e ainda querer mais. No verso deste exemplar encontramos diversas palavras que repelem o leitor como: demônio, inferno, capeta! Nesse mistifório diabólico o medo em continuar a ler competia com a curiosidade que tive no começo da leitura. Encarcerados é um livro leve - levemente do mal - e divertido. Não gente, é verdade, é um livro que deixa o leitor com angústia pelos seus personagens e principalmente pelo protagonista. Brincadeiras a parte; A escrita de Alexander Gordon é entusiasmada pelo suspense e desventuras do maldoso Alex Sawyer.

26/11/2013

Resenha: "A Seleção", de Kiera Cass

Autora: Kiera Cass
Editora: Seguinte
Páginas: 368
Avaliação: ★★★★★ 
Série: A Seleção, volume 1.

Sem sombras de dúvidas A Seleção é um livro excelente para as todas as garotas, e não somente para elas, é um livro engraçado e delicioso. Não importa como você encontrou este exemplar: por te lido a sinopse, por indicação de amigos ou simplesmente por ter achado a capa espetacular e comprou, o fato é que você vai gostar de A Seleção de uma forma ou de outra - eu espero que você goste muito, muito. 

Em um futuro onde que os Estados Unidos passaram a ser Estado Americano da China, encontra-se Illéa, o mais novo país que vive em hierarquia e divide a sociedade em castas, mais de sete castas, ao passar da quarta casta o sinal de pobreza já apita. Para o controle do país é necessário um casal prestigiado pelo público, forte e que passe confiança. O Rei já passou do tempo e, o filho está para atingir a maioridade e continuar com a mão de ferro do pai, porém o príncipe precisará de uma esposa para acompanha-lo. Com isso, foi criada a Seleção, uma tradição há vinte anos executada, cujo todas as garotas do reino se inscrevem, mas apenas 35 são escolhidas. Quando são escolhidas, essas passam a viver no palácio e o futuro herdeiro terá que escolher uma dentre elas, para se tornar sua confidente, amiga e acima de tudo esposa.

A realidade é simples; nem todas as garotas querem ser princesas. America Singer, por exemplo, tem uma vida de Cinco não é boa não é ruim. Ela não precisa se inscrever na Seleção, também não deseja participar de uma disputa por um príncipe de nariz empinado. Mas ela precisa de dinheiro, por pressão da mãe para que participe do 'sorteio' e pelo coração ferido recentemente, toma a decisão de se inscrever, com o pensamento de que dentre as milhares de garotas ela nunca seria sorteada. Matando tudo de uma paulada só: quando está dentro do palácio a família recebe uma quantia para gastar, agrada a mãe e acha que longe do ex-namorico pode consertar o coração. 

Será sorte ela ter sido sorteada? Ou azar? No primeiro dia dentro do palácio, America já enlouquecerá e fará coisas que nenhuma das outras trinta e quatro garotas fariam. America aguentará a pressão de ficar confinada ao príncipe até o fim da seleção? E o que príncipe pensa disso tudo?

A supremacia do primeiro livro da trilogia, que recebe o mesmo nome, A Seleção, só pode ser considera eficaz pela criatividade de uma competição entre garotas por um príncipe e por personagens tão carismáticos, sensíveis e engraçados. Quanto a competição, é algo simples - já assistido em filmes e lido em diversos livros -, mas, quando a autora intercala o conflito das trinta e cinco garotas com personalidades fortes, reais e bem construídas, ela possibilita um apego pelo livro sem explicação. Não é uma história magnífica, porém é uma história única, que somente Kiera Cass poderia construir com maestria e engenhosidade. 

Kiera Cass te seduz ainda no comecinho da leitura, por ser algo um pouco feminino e 'delicado' o leitor é influenciado pela leitura leve, rápida e feroz. Os capítulos são longos, pouco perceptíveis no calor do momento, lido de um dia para o outro, A seleção está entrando para os meus favoritos e também para os recomendados.

America Singer me conquistou desde o início do livro com seu jeito bipolar de menina mimada e também de menina durona, não consigo ainda me decidir de qual lado da protagonista me identifico mais, ou se, pelo fato dessa bipolaridade tive um apreço tão rápido pela personagem. Mesmo se eu não gostasse de Meri não me restaria solução, já que o livro é contato pela sua perspectiva, e cá entre nós, eu precisava terminar de ler A Seleção - e também estar com A Elite em mãos! 

A Seleção, lançado praticamente junto com o selo Seguinte, em 2012, marca essa resenha com um super recomendo, leia o quanto pode; o terceiro livro já está para sair e você não quer ficar de fora e ficar sem saber do que essas meninas são capazes para conquistarem um homem poderoso ou uma coroa.

24/11/2013

Resenha: Mago Aprendiz

Autor: Raymond E. Feist
Editora: Saída de Emergência 
Páginas: 432
Avaliação: ★★★★★
Série: Saga do mago, volume 01

A Saída de Emergência estreia no Brasil, com uma magnífica história, Mago Aprendiz, preenchendo de vez o espaço vazio de literatura fantástica. Um clássico escrito há mais de trinta anos, publicado em 1982 apunhado pelo título Magician, faz referência a um romance jovem, sagaz e aventureiro. 

O primeiro livro de A saga do mago nos seus primeiros capítulos não importa se traz uma tempestade de nomes e lugares. A teoria proposital do autor deixa o leitor atordoado somente no começo do livro, caso esse tenha prestado atenção. Midkemia é um mundo, não muito diferente dos quais estamos acostumados - seja através das leituras de livros da mesma ala como, O senhor dos anéis e Game of Thrones ou de filmes-fantasia. A vida em Midkemia se resume em servir o Rei, tendo os camponeses a vida árdua de sempre, os nobres estão a colapso de se engalfinharem para adquirir monetários políticos e magos estão nas torres monstruosas da ala norte ou sul do castelo. Elfos se encontram as escondidas no interior das florestas do norte, anões extraindo metais preciosos das minas. Os habitantes do mundo raymondiano vivem numa constante "paz" até a chegada de uma nova espécie, os tsuranis.

20/11/2013

Resenha: Armadilhas da Mente

Autor: Augusto Cury
Editora: Arqueiro
Páginas: 256
Avaliação: ★★★★★

Camille é uma mulher surpreendente, inteligente, bonita, muito rica e uma brilhante escritora, que tem muita facilidade em debater e derrubar argumentos de qualquer pessoa. Devido ao seu incrível intelecto desenvolveu muitas manias e fobias, e uma delas era fobia social, colecionava idas aos psicólogos e psiquiatras, pois bombardeava todos aqueles que não conseguiam argumentar com o seu potencial mental. Porém depois de mais uma ida ao psiquiatra, Camille recebeu um diagnóstico que a fez mergulhar em uma depressão profunda, Marco Tulio, vendo a quão abalada sua esposa estava e que ao passar do tempo Camille só piorava e se fechava cada vez mais, comprou uma linda fazenda para Camille descansar e voltar a escrever, o problema é que Camille se tornava prisioneira de sua própria mente, mas é justamente quando tudo parece perdido que Camille conhece Zenão e Marco Pollo. Como será se livrar de grades que você não pode ver? Como deletar coisas da sua cabeça? Como, Camiller, poderia repudiar as coisas que a prende?

18/11/2013

Resenha: Wereworld - A fúria dos leões

Autor: Curtis Jobling
Editora: Benvirá
Páginas: 394
Avaliação: ★★★★★
Série: Wereworld, volume 02.
*Resenha pode haver spoilers

Uma vez construído o desejo de ler “A Fúria dos Leões” isso se deve ao volume anterior, A origem do Lobo. A série Wereworld surpreende ainda mais na sua continuação: o aspecto saudável do primeiro livro é desamparado no segundo, sendo este último constituído de mais ação e emoção. 
“Você é o que você é, Drew. Não há como fugir disso. Deveria ter orgulho de sua herança, meu jovem.” Página 200.
Após descobrir que é decente do mais valentão e poderoso rei Lobo, a vida de Drew nunca mais será a mesma. A carga de ser um suposto rei não é aceita pelo lobo: para ele o objetivo é salvar a sua amiga, proteger seus amigos e deixar que as coisas se alinhem por si só, mas eles não sabe que todo o Reino depende dele, da sua bondade, do seus espírito de esperança e aventura. A Fúria dos Leões  trás personagens do primeiro livro, com grande ênfase na história. Será o futuro de Drew torna-se rei? Será tão fácil? Acho que não, pois os Catlords estão chegando...

14/11/2013

Resenha: Dois Rios


Autora: T. Greenwood
Editora: Novo Conceito
Páginas: 428
Avaliação: ★★★★★ 

“Às vezes –ela disse – meu coração para. As vezes não consigo senti-lo batendo de jeito nenhum.” Página 121.
Na cidade mesopotâmica viajamos pelo histórico de Harper Montgomery, o rapaz mais apaixonado do mundo e que está vivendo a beira da tristeza. 

Somos apresentados a duas épocas temporais: o passado, ainda quando Harper era criança e nesse passado pode-se observar o crescimento do protagonista durante todo o livro. A alternância dos períodos além do passado passa para o presente, um trem acaba de sair dos trilhos, provocando um acidente horrível, cujos muitos saíram mortos. Uma das sobreviventes, Maggie, uma menina de 15 anos e grávida, precisa de um lugar para ficar, ele espontaneamente se oferece para leva-la para casa.

Latest Instagrams

© setecoisas.com | Lifestyle, cultura e fotografia,. Design by FCD.