Resenha: "Dom Casmurro", de Machado de Assis



Machado de Assis (1839-1908), escrevendo Dom Casmurro, produziu um dos maiores livros da literatura universal. Mas criando Capitu, a espantosa menina de "olhos oblíquos e dissimulados", de "olhos de ressaca", Machado nos legou um incrível mistério, um mistério até hoje. Há quase cem anos os estudiosos e especialistas esmiúçam, o analisam sob todos os aspectos. Em vão. Embora o autor se tenha dado ao trabalho de distribuir pelo caminho todas as pistas para quem quisesse decifrar o enigma, ninguém ainda o desvendou. A alma de Capitu é, na verdade, um labirinto sem saída, um labirinto que Machado também já explorara em personagens como Virgília  e Sofia, personagens construídas a partir da ambiguidade psicológica, como Jorge Luís Borges gostaria de ter inventado.

Hoje a resenha é meio diferente, é algo mais brasileiro. Eu tive que ler o livro, contra a minha vontade para uma prova, e como cai em muitos concursos e vestibulares questões sobre a outra resolvi postar aqui, para que isso possa me ajudar, e claro, te ajudar também! Vamos lá;



A estória inicia-se com Bentinho, o narrador. E um personagem influenciável e dono de uma imaginação muito fértil, além de um ciúme quase (totalmente) doentio. Além de ciumento possessivo, ele também é indeciso, tímido e molenga. Bentinho perdeu seu pai ainda criança, então foi criado somente pela mãe, D. Glória, protegido do mundo pelo círculo doméstico e familiar, Bentinho é destinado à vida sacerdotal, em cumprimento a uma antiga promessa de sua mãe. Apesar de comprometido pela promessa, também D. Glória sofre com a ideia de separar-se do filho único, interno no seminário. Por expediente de José Dias, o agregado da família, Bentinho abandona o seminário e, em seu lugar, ordena-se um escravo. 



Após deixar a vida no seminário agora ele passa a cultivar o namoro com Capitu. Que desde pequeno, se mostra loucamente apaixonado por sua vizinha, sendo capaz de fazer qualquer coisa por ela. Com o passar dos anos e com eles o amor de Bentinho e Capitu. Entre o namoro e o casamento, Bentinho se forma em Direito e estreita a sua amizade com um ex-colega de seminário, Escobar, que acaba se casando com Sancha, amiga de Capitu.

Do casamento de Bentinho e Capitu nasce Ezequiel. Escobar falece e, durante seu enterro, Bentinho julga estranha a forma qual Capitu contempla o cadáver. Levando a Bentinho aumentar seus ciúmes e precipita-se em uma crise. Em certo ponto, ele até chega a planejar o assassinato da esposa e do filho, seguido pelo seu suicídio, mas não teve coragem. A tragédia dilui-se na separação do casal. 

E como era de se esperar esse amor tão grande que um sentia pelo outro é destruído aos poucos pela suspeita da traição, teria Capitu o traído com seu melhor amigo, Escobar? A dúvida permanece durante todo livro, até o desfecho da obra. É impossível saber, se baseando apenas na história, se Capitu traiu ou não e essa é a magia da história. 

“Capitu derreou a cabeça, a tal ponto que me foi preciso acudir com as mãos e ampará-la, o espaldar da cadeira era baixo. Inclinei-me depois sobre ela rosto a rosto, mas trocados, os olhos de uma na linha da boca do outro. Pedi-lhe que levantasse a cabeça, podia ficar tonta, machucar o pescoço. Cheguei a dizer-lhe que estava feia; mas nem esta razão a moveu. [...] Não quis, não levantou a cabeça, e ficamos assim a olhar um para o outro, até que ela abrochou os lábios, eu desci os meus, e... Grande foi a sensação do beijo”. 

Os personagens são bem construídos, reais e complexos e despertam certa curiosidade ao leitor. A história é narrada em primeira pessoa, por Bentinho, mas a personagem principal do livro é Capitu, esposa de Bentinho.

Ao final do livro cheguei à conclusão de que Capitu não tinha traído Bentinho. Mas, eu fiquei pensando após a leitura do livro, logo surgiu outra visão completamente diferente de Capitu. Ficando uma única e grande dúvida: Capitu traiu ou não Bento? 

Não é uma história tão envolvente quanto estou acostumado, porém as obras antigas elas são bem ricas em detalhes. Assim chega a ser necessário prestar bastante atenção para lê-lo, para que não perca a narrativa com tantos detalhes; Sem dúvidas é uma ótima obra, mas não posso negar que a leitura não é tão prazerosa; Misterioso, intrigante e simples, Dom Casmurro é uma obra que deve ser lida por todos, já que ele é um dos maiores clássicos da literatura brasileira..

  1. Sempre tive a curiosidade de ler livros de Machado de assis, mas eu só li até agora e foi de poemas.

    ReplyDelete
  2. Oi
    Li este livro por obrigação e não gostei. Aliás não gosto muito desses romances antigos,acho que por causa de não concordar com os costumes e regras da época em que se passam as histórias.
    Sua resenha está muito boa. Parabéns.
    Beijos.

    ReplyDelete
  3. Ainda não tive a oportunidade de ler este livro, porque na escola, ao invés deste, escolhi outros títulos. A história me parece super legal, gosto de ler clássicos (de vez em quando, vai). Ótima resenha!

    ReplyDelete
  4. Bom, eu já li esse livro na tem alguns anos, era um dos livros obrigatórios do vestibular hehe..O livro é legal, mas sempre paira a dúvida sobre Capitu ter traído Bentinho né. Eu li um outro livro "Amor de Capitu" que é a história pela visão somente de Capitu, é bem legal mas ainda sim não afirma nada kk...

    ReplyDelete
  5. Eu já li mas não sou fã... Todo mundo adora Machado de Assis. Meu professor de Teoria da Literatura diz que em cada 10 professores de Literatura 11 o acham o melhor autor, já eu discordo totalmente...rsrsrs...
    Ótima resenha.

    ReplyDelete
  6. Confesso que acho a história de Dom Casmurro simplesmente genial. Não sou muito fã de classicos, mas esse conseguiu me intrigar.
    Adoro como nunca vamos saber a verdade sobre o livro, como o Bentinho consegue distorcer a realidade ao ponto de nos fazer enxergar como ele. É realmente genial.

    ReplyDelete
  7. Nossa preciso começar a ler alguns clássicos brasileiros. Não sinto nenhuma vontade disso mas é muito importante. Fiquei surpreso com essa resenha sua e como você descreve tantos detalhes da historia. Acho difícil um livro desse estilo empolgar algum leitor, mas to vendo que não é impossível!

    ReplyDelete
  8. Eu adoro Machado de Assis! Meu favorito é Helena. Eu li Dom Casmurro há alguns anos, e lembro de ter gostado muito, mas eu era meio criança, teve partes que eu não compreendi na época. De qualquer forma, adorei sua resenha.
    Beijos.
    Amor, Ana.

    http://quemprecisaviver.blogspot.com.br/

    ReplyDelete
  9. Tive que falar sobre ele na escola, mas não cheguei a ler... Parece legal, mas não curto muito coisas antigas...

    O lay do blog tá muito cool, amei! ^^

    Clique aqui, meu blog ^^

    ReplyDelete
  10. Nossa como eu amo esse livro, hsuahsua.
    Machado é muito bem, eu lia apenas pequenos contos dele, mas quando li Dom Casmurro viciei :)
    Adorei a resenha õ/

    Beijos,
    http://secretsentreamigas.blogspot.com.br/

    ReplyDelete