11.12.17

no. Nove


Finalmente aqui chegamos, em um novo layout. Não poderia ser outra coisa além de um layout tão simples como os últimos, porém mais funcional que os outros - as páginas internas são as coisas que mais estão demorando para fazer, mas como não quero deixar parado enquanto escrevo essas páginas este post serve para inaugurar um novo Sete Coisas

Essa nova etapa do blog também é uma nova etapa para mim, como escrevi aqui. Aqui pretendo escrever outros assuntos além de literatura, como lifestyle (coisas sobre minha fantástica vidinha), educação financeira, coisas para blogueiros e por aí vai: que este blog seja, de fato, um blog. 


Sem mais delongas, sejam bem-vindos (pela nona vez). 

30.11.17

Uma carta de despedida

Brasília, Brazil

Estou aqui mais uma vez, 

não para implorar seus beijos que me deixam êxtase, nem que me note algumas vezes, nem que escute os áudios que mando pra você no meio da noite. Estou aqui porque quero desistir, porque cansei desse inalcançável que tem se tornado, desses sumiços repentinos que me bagunçam por inteiro e por esse seu jeito de um dia voltar e bagunçar ainda mais o que deixou. Estou aqui porque quero desistir de organizar as coisas por aqui toda vez que você parte, porque estou cansado dos dias que fico pensando em você. Dos dias que fico olhando a chuva cair na rua, tendo saudade de coisas que nunca aconteceram e nunca acontecerão, porque estou desistindo.

Eu já não me lembro das coisas que você gosta, as memórias verídicas foram e misturando com as coisas que imaginei; os momentos se embolaram na minha cabeça entre a ficção e a realidade. Talvez você não goste de suco de limão, talvez prefira dia ensolado diferente de mim que prefiro dias chuvosos. E assim fui levando a vida, durante muito tempo, nessa perspectiva de que um dia você voltaria e ficaria, sem bagunça, sem sumiço. 

Durante muito tempo me agarrei ao que criei de você e amei cada centímetro do seu corpo que nunca toquei. Foi nesses dias que pensei que não precisaria mais disso, dessa inconformidade que é pensar em você, nesse sentimento de euforia, mas também de medo. Quero desistir desse mar de incertezas, estou pronto para calmaria. 

E foi nessas vindas que percebi que chegaria uma hora. Uma hora para encarar a realidade, para deixar que a bagunça não fosse feita nos lados de cá, por mais que o seu cheiro preenchesse meus pulmões, por mais que eu ficasse louco com os beijinhos. Foi nessas vindas que percebi que deveria chegar uma despedida, mas da minha parte. 




Esse post pertence a este projetoeste projeto, que é basicamente todo mês escrever uma carta de coração: falando de auto-descoberta, para alguém do passado ou um simples desabafo.
© setecoisas.com.