Resenha: "Hilda e o Troll", de Luke Pearson

25 Apr 2017

Hilda e o Troll
Luke Pearson
Quadrinhos na Cia, 2017
40 páginas
Hilda adora aventuras, seja acampar numa noite chuvosa ou explorar a paisagem montanhosa nos arredores de casa. Durante uma expedição pelas colinas, ela encontra uma pedra muito suspeita: de dia, é apenas uma rocha engraçada, mas à noite se transforma num troll! Enquanto faz um desenho no caderno para registrar sua mais nova descoberta, Hilda acaba pegando no sono, e, ao acordar, o troll desapareceu. Agora, no caminho de volta para casa, Hilda terá de lidar com uma floresta assustadora, um gigante perdido, um homem de madeira misterioso e um sino tilintante. Inspirado no folclore nórdico, este quadrinho de cores vivas mistura realidade e fantasia para criar um universo deslumbrante, de onde crianças e adultos não vão querer sair.
Hilda e o troll é um daqueles quadrinhos leves e mega fofos, decidi lê-lo por causa da capa (o que não é novidade por aqui). A história é bem simples, com quarenta páginas fica complicado contar muita coisa, creio que esteja iniciando uma série de quadrinhos sobre a vida peculiar de Hilda.


Os cartoons são muito fofinhos, detalhados e possuem uma paleta de cores que eu amo – contraste de turquesa com vermelho, por exemplo. Desde a primeira até a última página encontramos uma harmonia, a história se desenrola com calma. E em breves páginas conhecemos um pouquinho da vida de Hilda, lendas que assustam a protagonista e o troll, obviamente.


Esse é um daqueles livros que coloco na segunda prateleira debaixo para cima, porque é onde meu irmão mais novo alcança e sempre conseguirá pegar essa fofura de exemplar para ler, rir e deixar os olhinhos brilhando com as cores das páginas – por mais que ele não saiba ler, ele se interessa e sei que devo ler esse livro mais duas ou três vezes para ele (e depois para minha irmã mais nova quando ela começar a entender o que estou dizendo hihi). Altamente recomendável para meninos de 1 à 80 anos, afinal, nunca é tarde demais para apreciar quadrinhos bem feitos, nunca será tarde demais para apreciar arte.


it's birthday

21 Apr 2017


my bday is your bday, c'mon. :)

Resenha: "Sopa de Salsicha", de Eduardo Medeiros

20 Apr 2017

Sopa de Salsicha
Eduardo Medeiros
Quadrinhos na Cia, 2016
170 páginas
Contando com uma legião de fãs na internet, Sopa de salsicha é a crônica do dia a dia de Eduardo Medeiros, um talentoso quadrinista metido em encrencas clássicas: aperto financeiro, mudanças de lar e um difícil projeto pela frente. O projeto é este romance gráfico, um trabalho de fôlego em que Medeiros narra, com ajuda da indefectível Baixinha e de outros quadrinistas, suas aventuras diárias e seus embates com o processo criativo, a vida nova em Florianópolis e as visitas de um Michael Bolton que talvez esteja tentando conquistar a sua mãe. Um dos mais talentosos nomes do novo quadrinho brasileiro numa história surpreendente sobre amadurecimento, mudanças importantes e chuveiros apertados.
Por mais que tenha lido e resenhado diversos quadrinhos aqui, nunca sei bem como começar a resenha. Talvez começar falando da diagramação, da capa, da arte, da historia ou até mesmo da palheta de cores. Sopa de Salsicha é um desses quadrinhos que quero falar de todas as coisas ao mesmo tempo, o livro conta a história de Eduardo Medeiros e seu grande processo criativo para escrever (ou desenhar) o livro que vos resenho.


A história vem pautada, além do próprio autor, com a esposa e alguns amigos da vida real. Conseguimos perceber aqui, com exatidão, a influencia de como pessoas que amamos tem sobre nossas artes ou processos criativos – uma coisa que tenho vivenciado diariamente. O livro, uma autobiografia, inicia com a apresentação de quem o escreve; continua com as mudanças de cidade ou a necessidade de encontrar algo sobre o que falar no livro dessa resenha.

É um livro esteticamente lindo e bem escrito, apesar de não ser uma história totalmente continua, o leitor consegue nas páginas uma sinceridade do autor. Sopa de Salsicha, é, riam (e desculpe pela piada), uma verdadeira sopa de momentos da vida do autor. Chega até mesmo ser um livro engraçado, sem motivo para ser escrito, mas apenas ter sido escrito – como quem precisa escrever uma carta de desabafo só para se sentir bem. Então o autor consegue apresentar uma simplicidade atoa na sua escrita/desenho, tornando esta obra um momento de lazer gostoso, que pode ser lido em poucas horas (ou minutos).



Comecei a ler Sopa de Salsicha por dois motivos, (1) é um quadrinho de capa muito bonita e (2) é de um autor brasileiro; o segundo motivo me deixou muito feliz, porque saber que o Brasil tem pessoas com uma técnica, conhecimento e vontade como Eduardo Medeiros, me deixa feliz. Quanto ao primeiro motivo, não é apenas a capa que é bonita os quadrinhos casam entre si, a palheta de cores parece ser escolhida com delicadeza. É um livro simples, sem uma grande história, porem é bonito e sincero, leia sem pretensão e não se arrependerá. Eu não me arrependi.